(65) 99638-6107

CUIABÁ

O melhor detergente é a luz do sol

Cine Teatro Cuiabá retoma sessões presenciais de filmes nesta terça, 6 de julho

Publicados

O melhor detergente é a luz do sol

 

O documentário de Anna Muylaert e Lô Politi acompanha a presidente Dilma Rousseff durante o desenrolar do processo de impeachment que a tirou do poder. Divulgação

O Cine Teatro Cuiabá retoma, neste mês, as sessões exclusivamente presenciais da Temporada de Filmes. Exibindo filmes habitualmente fora do circuito comercial, a programação com presença de público retorna nesta terça-feira (06.07), às 19h30, com medidas distanciamento social e todos os demais protocolos de prevenção à covid-19.

Na reestreia presencial, os amantes da sétima arte poderão assistir ao longa-metragem “Alvorada”, de Anna Muylaert & Lô Politi. Lançado em 2021, o filme mostra o cotidiano de Dilma Rousseff no Palácio da Alvorada durante o desenrolar do processo de impeachment que a tirou do poder.

A programação de julho traz também outros filmes recentes do catálogo da distribuidora Vitrine Filmes, ainda inéditos em Cuiabá.

Compõe ainda a agenda de retomada presencial a produção audiovisual mato-grossense “Missivas”, de Caroline Araújo & Maurício Pinto, que será exibida no dia 13 de julho. O documentário investiga a trajetória da militante Jane Vanini, destacando a relação construída entre ela e sua família por meio de cartas enviadas quando Jane estava no exilio (1972-74), registrando no processo parte da memória mato-grossense neste período da história do Brasil. Na ocasião, os realizadores estarão presentes para conversa com participantes da sessão.

Leia Também:  MÚSICA POPULAR BRASILEIRA: Edmilson Maciel homenageia Zé Ramalho em show inédito neste sábado, direto do Teatro Zulmira Canavarros, de Cuiabá

As sessões da Temporada de Filmes ocorrem sempre às terças-feiras, às 19h30 e os ingressos custam R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia), cobrados como taxa de manutenção dos equipamentos.

Para a diretora administrativa do Cine Teatro Cuiabá, Flávia Taques, a programação de filmes busca valorizar e divulgar a sétima arte, exibindo projetos cinematográficos que trazem o melhor do cinema a preços acessíveis para a população.

“O objetivo é formar plateias para filmes do circuito alternativo e independente, atingindo públicos que não têm sido contemplados pelas salas de cinema dos shoppings”, explica.

Confira a programação de julho:

06/07: Alvorada (Direção: Anna Muylaert& Lô Politi. Brasil, 2021, 90’, classificação 10 anos)

13/07: Missivas (Direção: Maurício Pinto & Caroline Araújo. Brasil. 2020, 52’, classificação 12 anos)

20/07: Pacarrete (Direção: Allan Deberton. Brasil, 2019, 97’, classificação 14 anos)

27/07: Todos os mortos (Direção: Caetano Gotardo & Marco Dutra. Brasil/França, 2020, 120’, classificação 16 anos)

A partir das 19h30 é permitido estacionar em frente ao Cine Teatro Cuiabá. A programação presencial pode sofrer cancelamentos caso haja restrições em razão da pandemia. Mais informações podem ser conferidas no link facebook.com/cineteatrocuiaba.

Leia Também:  GISELA SIMONA: A difícil missão de ser e ter voz feminina na política de Mato Grosso

O Cine Teatro Cuiabá

Inaugurado há 79 anos, no dia 23 de maio de 1942, o Cine Teatro Cuiabá exibiu pela primeira vez um filme sonoro na capital. Na sessão de estreia, o público assistiu a produção da Warner Bros “A noiva caiu do céu”, estrelada por Bette Davis e James Cagney.

Com gestão compartilhada da Associação Cultural Cena Onze, o equipamento da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) continua promovendo uma intensa programação cultural, que inclui sessões de cinema, espetáculos de diferentes linguagens artísticas, capacitações e outros eventos. E, depois de mais de um ano funcionando de forma online devido à pandemia, o espaço retoma aos poucos suas atividades presenciais em 2021.

Atualmente, o aparelho cultural abriga ainda a MT Escola de Teatro, que oferece o curso superior de Tecnologia em Teatro.

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

O melhor detergente é a luz do sol

CULTURA DE MATO GROSSO: Trajetória do artista Benedito Nunes é perpetuada em site e documentário

Publicados

em

 

Apelidado carinhosamente de Van Gogh do Cerrado, a trajetória do artista plástico Benedito Nunes está eternizada no site que leva o nome dele, e que conta com detalhes a história de vida e o legado cultural deixado pelo mato-grossense, que gostava de retratar a natureza da região e o cotidiano da cuiabania. Aprovado no edital Conexão Mestres da Cultura, da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel), o projeto ‘Tributo ao Mestre do Cerrado: Benedito Nunes’, conta também com o documentário ‘Se essa rua fosse Nunes’, com estreia para esta sexta-feira (26.11), na plataforma digital que homenageia o artista.

Falecido em março do ano passado, aos 63 anos de idade, Benedito Nunes é considerado um dos mais importantes artistas da famosa ‘Geração 80’. Nascido em 1956, era pintor, desenhista, professor e escultor. Ganhou reconhecidos prêmios nas artes visuais, participou de importantes exposições no Brasil e fora do país. E, os seus 30 anos de história com a arte, a biografia é contada pelo professor e crítico de arte Laudenir Antônio Gonçalves, disponível no site lançado pelo projeto.

Leia Também:  Os movimentos social, sindical e religioso abrem a Semana da Pátria, em todo Brasil, com a realização do Plebiscito Popular pela Constituinte Exclusiva e Soberana do Sistema Político. A proposta é mobilizar a população em defesa da Reforma Política Já. Nesta segunda, tem chá com bolo diante da Prefeitura de Cuiabá, onde haverá urnas para votação

A plataforma traz também o documentário ‘Se essa rua fosse Nunes’, produzido a partir das imagens e narração sobre as obras do artista. Também estão disponíveis no site uma galeria virtual e uma oficina apresentada pela proponente do projeto ‘Tributo ao Mestre do Cerrado: Benedito Nunes’, a artista Tânia Pardo.

“Nunes, além de ser um artista acessível e carismático, era famoso por retratar o cenário mato-grossense. Assim ficou conhecido como o Van Gogh do Cerrado, deixando sua marca na arte brasileira. Foi um grande artista, premiado em vários salões, não só em Mato Grosso, mas também fora. Reconhecido no Brasil por seu estilo, nos deixou um grande legado”, destaca Tania Pardo.

Conexão Mestres da Cultura – O edital surgiu para compartilhar os saberes e fazeres artísticos e culturais do estado, reconhecendo o trabalho desenvolvido por pessoas impactaram a cultura mato-grossense, considerando sua contribuição para o fortalecimento da cultura do estado e sua importância para a comunidade que atua.

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA