(65) 99638-6107

CUIABÁ

O melhor detergente é a luz do sol

Capitais registram manifestações contra o governo de Jair Bolsonaro

Publicados

O melhor detergente é a luz do sol

 

Manifestações contra o presidente Jair Bolsonaro foram registradas hoje (12) em capitais do Brasil. Organizadas por movimentos políticos e com participação de entidades, como a União Nacional dos Estudantes (UNE), e algumas centrais sindicais, a movimentação foi agendada para ocorrer em 15 cidades ao longo do dia.

No Rio de Janeiro, a manifestação começou após as 10h, na Praia de Copacabana, na altura do Posto 5. Três caminhões de som ocuparam a Avenida Atlântica, mas apenas dois deles foram usados na comunicação com os manifestantes.

Os manifestantes se espalharam por duas quadras da pista da Avenida Atlântica junto à praia, que aos domingos é fechada para o lazer. A manifestação teve o acompanhamento de integrantes da Polícia Militar (PM) e da Guarda Municipal, que se restringiram em ficar posicionados em locais estratégicos, garantindo segurança, sem precisar ser acionados. Pouco depois das 12h30 os manifestantes começaram a se dispersar.

Em Brasília, manifestantes se concentraram na área próxima à Biblioteca Nacional. Outro grupo que já estava presente desde o início da manhã – esse de apoiadores do presidente – circulou no local com carro de som. Não houve, de acordo com a Polícia Militar do Distrito Federal, confronto entre os dois grupos. As manifestações em Brasília cessaram no início da tarde.

Leia Também:  Relatório da PF põe em xeque Aécio e Gilmar Mendes

A capital mineira Belo Horizonte também registrou protestos. Vestidos de branco, os manifestantes se reuniram na Praça da Liberdade com faixas e cartazes solicitando mais vacinas, cobrando ações mais rigorosas no controle da pandemia de covid-19 e também portando bandeiras de partidos políticos de oposição. Os atos foram dissipados por volta de 13h.

Em São Paulo, manifestantes se encontraram na região do Museu de Arte de São Paulo (Masp) para participar dos protestos contra o governo federal. O ato, convocado principalmente pelo Movimento Brasil Livre (MBL) e o Movimento Vem Pra Rua, pede o impeachment do presidente da República, Jair Bolsonaro.

Os manifestantes se concentram entre o prédio do Masp e a sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Até o momento, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) de São Paulo não informou a quantidade de participantes.

De acordo com a Polícia Militar, a situação é de tranquilidade na Avenida Paulista. O policiamento no local conta com dois mil policiais militares, 700 viaturas, 50 cavalos, dez cães, dois helicópteros, seis drones, seis veículos blindados, além do monitoramento remoto com câmeras operacionais da PM.

Leia Também:  Lúdio Cabral apresenta emendas ao PLDO para garantir RGA dos servidores e isenção de aposentados

*Com colaboração dos repórteres Vladimir Platonow e Bruno Bocchini.

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

O melhor detergente é a luz do sol

Governo do Estado lamenta morte do mestre de capoeira e da cultura mato-grossense Jarbas Sokolowski

Publicados

em

 

O Governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT), lamenta a perda do mestre de capoeira Jarbas Sokolowski, que faleceu neste domingo (26.09), aos 51 anos, em Sorriso (MT).

Mestre Jarbas, como é conhecido, chegou a Mato Grosso em 2005, e desde então contribuiu fortemente para o fortalecimento da cultura e do esporte mato-grossenses por meio da capoeira.

Sua trajetória é marcada por inúmeros feitos em prol da preservação e da difusão da arte capoeirista em todo o Estado. Além de conquistar os primeiros títulos nacionais de capoeira representando Mato Grosso, mestre Jarbas resgatou grupos folclóricos de puxada-de-rede, maculelê, berimbaladas, apresentações teatrais e espetáculos de capoeira.

Jarbas atuou como Conselheiro de Estado de Cultura, presidente da Federação Mato-grossense de Capoeira, vice-presidente da Confederação Brasileira de Capoeira e membro do Departamento da International Capoeira Association (ICA). Também foi o primeiro representante do Estado premiado com a maior honraria para mestres de capoeira do planeta, o Prêmio Berimbau de Ouro, recebido em março de 2016, em Salvador (BA).

Leia Também:  O GURU DE PEDRO TAQUES: População elegeu Pedro Taques acreditando que novo governador traria ideias próprias para gerir o Estado de Mato Grosso. Mas, qual! Propostas estão saindo de uma consultoria de Minas Gerais, revela Itamar Perenha. Primeiro resultado desses planos traçados pelo tecnocrata Vicente Falconi, nós vimos no "enxugamento das secretarias" que provocou protesto até de Antero de Barros, um ex-político progressista e militante da esquerda, em seus tempos de juventude, hoje transformado em marqueteiro bem remunerado a serviço da direita em nosso Estado. Que outras trapalhadas virão por aí?

Atualmente, Jarbas exercia o cargo de diretor do Departamento de Cultura da Secretaria Municipal de Educação e Cultura de Sorriso (Semec) e está sendo homenageado como mestre da cultura mato-grossense em projeto selecionado no edital da Secel-MT.

Representando toda a equipe da Secretaria Estadual, o secretário Beto Dois a Um expressa sua gratidão ao importante trabalho realizado por Mestre Jarbas, que fez dele uma personalidade da capoeira reconhecida dentro e fora do Brasil.

“Foi um choque receber essa triste notícia da morte de Mestre Jarbas. Nessa semana anterior ele ainda esteve na Secel protocolando projetos, conversando conosco e carregando tantos planos para a cultura de Sorriso e do Estado.  Sem dúvida, é uma grande perda para família, amigos e todos nós. Nosso consolo é saber que sua trajetória e contribuição não serão esquecidas, pois ficarão na história por meio do projeto aprovado no edital Conexão Mestres da Cultura, no qual tive a honra de dar um depoimento recentemente”, lamenta Beto.

A equipe da Secel externa ainda sentimentos de pesar e de solidariedade à família e amigos do Mestre Jarbas.

Leia Também:  EDUARDO MAHON: Nada impede que os poderes públicos abracem os grafiteiros. E financiem a atividade. Aliás, frente à verdadeira brutalidade ocorrida nas obras públicas, tudo recomenda a arte. O que não pode acontecer é confundi-los com vândalos. A pior depredação ao patrimônio público é o desvio de verba em esquemas organizados de corrupção, lavagem de dinheiro, sonegação fiscal e formação de quadrilha. Os grafiteiros estão reagindo, a sociedade vê no grafite essa reação tatuada no sentimento autêntico de frustração e de indignação.
Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA