(65) 99638-6107

CUIABÁ

É bem Mato Grosso

263 ANOS: A histórica cidade de Vila Bela da Santíssima Trindade merece parabéns pela data. Merece mais: merece a presença da União e do Estado. Merece programa de regularização fundiária, de geração de empregos e para atrair investidores. O Brasil e Mato Grosso precisam resgatar a dívida moral, social e administrativa com o povo vilabelense

Publicados

É bem Mato Grosso

 
 
O governo federal sabe da existência do vácuo do Estado em Vila Bela 
Jornal Diário de Cuiabá
 
Feliz, entoando a poesia musical do conjunto Aurora do Quariterê, dançando o chorado com a sensualidade de suas filhas afrodescendentes, ao ritmo do tambor cultuando a congada, no altar celebrando o glorioso São Benedito e brindando a vida com o afrodisíaco Canjinjin. Assim, na quinta-feira, 19, com o lendário rio Guaporé que passa ficando ao seu lado, a vila negra e bela comemorou 263 de fundação.
Parabéns Vila Bela da Santíssima Trindade. Parabéns pela data e principalmente por seu desempenho histórico assegurando na fronteira Oeste a presença da nacionalidade brasileira, numa região de quase absoluta falta do Estado, situação essa que se arrasta há muito tempo e que a cada dia ganha contornos de abandono proposital em desrespeito ao princípio federativo e pela apatia institucional de Mato Grosso.
Vila Bela, distante 530 quilômetros de Cuiabá, foi a primeira capital mato-grossense. Carrega o título de primeira cidade planejada para sede de governo no Brasil, situação essa que foi copiada com a fundação de Belo Horizonte, Goiânia, Brasília e Palmas. Predominantemente sua população é negra, porque os negros foram deixados naquela localidade quando os senhores brancos que exerciam o poder em sua amplitude e respondiam pelo clero, se transferiram para Cuiabá, há mais de um século, com a mudança da capital.
Mesmo sendo sede de um município na fronteira com a Bolívia Vila Bela não tem Receita Federal nem delegacia da Policia Federal. A ausência dessas instituições afeta não somente aquele município, mas o Brasil, pois na linha imaginária que separa os dois países o crime transnacional age à luz do dia. Para o país vizinho são levados produtos do comércio formiguinha mato-grossense e da indústria nacional, e veículos roubados e furtados. No sentido contrário entra a cocaína e seus derivados, além de armas e munições.
O governo federal sabe da existência do vácuo do Estado em Vila Bela, mas finge desconhecê-lo. Até mesmo a presença do Exército naquele município é simbólica, com efetivos do 2º Batalhão de Fronteira aquartelado em Cáceres. O governo estadual aceita sem reclamar a transferência da fiscalização policial naquela região para o Grupo Especial de Fronteira (Gefron), que recebe recursos da União.
Um clima de insegurança agrária desestabiliza a economia rural de Vila Bela, que mesmo assim tem um rebanho bovino com quase um milhão de cabeças. ONGs transnacionais reivindicam áreas para aldeamento de uma etnia dita boliviana. A criação de territórios indígenas na fronteira fragilizaria a segurança nacional e seria um fator a mais para manter o vazio demográfico naquela área onde o medo é companhia constante dos moradores, que ficam expostos às quadrilhas dos barões das drogas.
A histórica Vila Bela merece parabéns pela data. Merece mais: merece a presença da União e do Estado. Merece programa de regularização fundiária, de geração de empregos e para atrair investidores. O Brasil e Mato Grosso precisam resgatar a dívida moral, social e administrativa com o povo vilabelense.
NE – Editorial deste domingo, 22 de março de 2015 do Jornal Diário de Cuiabá e disponível na versão eletrônica daquele matutino em www.diariodecuiaba.com.br
Leia Também:  DOMINGOS SÁVIO GARCIA: Um encontro para animar a militância e não para esconder o PT!
COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

É bem Mato Grosso

Governo vai investir R$ 12,5 milhões na manutenção das rodovias da Região Oeste

Publicados

em


Durante viagem a região Oeste, o governador Mauro Mendes e o secretário de Infraestrutura e Logística, Marcelo de Oliveira, assinaram o contrato para realização de serviços de conservação corretiva e preventiva na malha rodoviária da região. Serão investidos R$ 12.509.351,85, em recursos originários do programa Mais MT, para a execução dos serviços durante um prazo de 24 meses.

Os municípios que serão beneficiados são Cáceres, Curvelândia, Lambari D’Oeste, Rio Branco, Salto do Céu, Araputanga, Figueirópolis D’Oeste, Glória d’Oeste, Indiavaí, Jauru, Mirassol D’Oeste, Porto Esperidião, Reserva do Cabaçal, São José dos Quatro Marcos, Conquista D’Oeste, Pontes e Lacerda, Vale de São Domingos e Vila Bela da Santíssima Trindade.

Entre os serviços previstos no contrato estão a recomposição de aterro, remoção de barreira, execução de contenção, reparo de meio fio, limpeza de bueiro, instalação de placas, reparos em pontes, entre outros, em mais de 350 km de rodovias pavimentadas e mais de mil quilômetros de rodovias não pavimentadas.

A Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra-MT) realizou um pregão eletrônico para contratação de empresas para manutenção e conservação da malha rodoviária de todo o estado. Na última segunda-feira (29.11), foi publicada a homologação do resultado em 7 dos 11 lotes. O valor total a ser investido pela Sinfra-MT em todo o Estado é de R$ 93.539.262,78.

Leia Também:  JORNALISTA ANDRÉ SINGER: O lulismo estava nas cordas desde a quinta-feira, 27 de novembro de 2014, em que a presidente reeleita anunciou que havia decidido entregar a condução da economia do país ao projeto austericida que condenara na campanha eleitoral. Um ano e meio depois, na aurora desta quinta-feira (12), o exausto lutador caiu. Ao afastar Dilma Rousseff da Presidência por 55 a 22 votos, o Senado encerrou talvez uma das lutas mais dramáticas da história democrática brasileira. Com a traumática derrubada do lulismo, interrompe-se mais uma vez a tentativa — no fundo a mesma de Getúlio Vargas — de integrar os pobres por meio de uma extensa conciliação de classe. Venceu de novo a forte resistência nacional a qualquer tipo de mudança verdadeiramente civilizatória. Mesmo a mais moderada e conciliadora. (LEIA CRÍTICA DE VALTER POMAR AO ARTIGO)

De acordo com o secretário Marcelo de Oliveira, o objetivo da contratação é garantir uma maior durabilidade das rodovias da malha estadual. “As rodovias são essenciais para o transporte de cargas e pessoas e nós precisamos viabilizar alternativas para melhorar a condição das estradas. O Governo tem a obrigação de zelar pelo patrimônio público e é isso que a gestão Mauro Mendes está fazendo”.

Região Oeste

Nesta sexta-feira (03) o governador Mauro Mendes e sua comitiva percorreram municípios da região oeste. Foram vistoriadas obras de infraestrutura, escolas e anunciados investimentos de R$ 173 milhões.

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA