NOTÍCIAS DA GREVE: A greve da Cultura, apoiada também pelo cult-revisor Caio Mattoso, mostra sua importância: o patrão do Diário de Cuiabá, Gustavo Capilé, mesmo falando que vive crise sem fim, assumiu compromisso para a regularização do pagamento dos salários na redação do Jornal. Jonas Josino brilhou na reunião.

braços cruzados maquinas paradas na pagina do enock2Abaixo reproduzo a nota do Sindicato dos Jornalistas Profissionais que sistematiza um primeiro e ralo acordo da categoria com o patrão do sempre semi-falido Diário de Cuiabá. Adianto que a falência do Diário de Cuiabá não me interessa, por isso também é que eu fui pra lá, tocar a Cultura, nesse início de ano.

Sim, eu estava no Diário quando ele enfrentou sua primeira grande crise, à medida que o então governador Dante de Oliveira resolvera simplesmente extinguir o jornal, com o corte das verbas publicitárias do governo do Estado para o jornal. Eu fiz parte daquela resistência de então, ao lado dos Capilés, e estou em outra trincheira porque a conjuntura é outra, outra a condição de miserabilidade que se abate sobre o jornal e seus funcionários.

O Sindicato, em sua nota, não anota. Mas a greve da Cultura, apoiada também pelo cult-revisor Caio Mattoso, mostra sua importância fundamental: o patrão do Diário de Cuiabá, Gustavo Capilé, mesmo falando que vive crise sem fim, assumiu de assumir compromisso para a regularização do pagamento dos salários na redação do Jornal. Jonas Josino, editor de Esportes a não sei quantos anos, um dos membros da velha guarda do Diário, brilhou na reunião.

Vejam só: o Jonas não foi muito incentivado a falar. Ah, como eu gostaria que o Sindjor e seus representantes tivessem valorizado mais a presença do Jonas Josino na reunião. Seria importante que o Jonas Josino falasse mais porque são anos e anos de história dentro do jornal, conhecendo cada um dos momentos de glória e padecimento que já marcaram o jornal, através desses 40 anos de história. Sim, com mais de 20 anos de casa, o Jonas Josino sabe das coisas.

O compromisso do Gustavo é pagar o salário de outubro nesta quarta, dia 11 de novembro, e assumir um calendário de pagamento e regularização daí por diante. Está tudo relatado na nota do Sindjor.

A Editoria de Cultura só volta depois do pagamento. Foi o que falei, sem ouvir a Beatriz Saturnino, o João Bosquo, para vocês verem que também posso ser concentrado.

Mas acho que, nesse momento, além da regularização salarial no Diário, trata-se de reconstruir o próprio Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso. Então, deixe-me falar tudo que penso para que vocês tirem suas conclusões.

Esse é uma categoria muito, muito dividida e pelo furor do tonton macoute Rodivaldo Ribeiro contra mim, expresso nas tintas do Facebook, vocês já podem ver que chegamos bem longe em matéria de sectarismo. Mas é tão bom poder enfrentar de peito aberto o preconceito.

Mas há muitas coisas a realizar, evidentemente. Se tivermos pernas, um grande ato em solidariedade ao Lorival Fernandes, com a participação dos artistas que já se dispuseram. E começar a pensar no Sindicato que teremos daqui para a frente.

 

 

Sindjor/MT acerta com direção do DC agenda de pagamento de salários atrasados de jornalistas

Negociação aconteceu entre Sindjor, gestão do Diário de Cuiabá
e editores do veículo; Foto: Mary Juruna

A Diretoria do Sindicato dos Jornalistas de Mato Grosso (Sindjor/MT) reuniu-se nesta segunda-feira (9/11) com o diretor de Redação do jornal Diário de Cuiabá, Gustavo Oliveira, e acertou com ele o pagamento de salários em atraso e regularização definitiva da folha de pessoal. O diretor aceitou assinar um acordo para regularização dos salários. A primeira etapa do acordo, que versa sobre os salários de outubro, novembro e sobre o 13º integral será assinada amanhã (10/11).

Os diretores do Sindjor-MT solicitaram comprovantes de pagamentos dos últimos anos do salário dos jornalistas e requereram que o jornal passe a pagar uma folha integral do mês correspondente e os restante do salário a receber mais atrasado (considerando que no veículo comumente se paga parte do salário).
A forma de regularizar os atrasados (até setembro de 2015) será firmada em reunião já previamente agendada para segunda-feira (16/11), entre a diretoria do Sindjor e o Gustavo, com previsão de início de pagamento em 2016.
Antecipadamente, o diretor da publicação se comprometeu a pagar até esta quarta-feira (11/11 – 7º dia útil do mês) o salário integral referente ao mês de outubro a todos os profissionais de Imprensa do periódico e administrativos, com exceção dos editores. Aos editores, o gestor se comprometeu a pagar parte do salário de outubro (de forma linear) também até quarta-feira (11/11) e o restante até 25/11. Oliveira não soube dizer, durante a reunião, o percentual desta primeira parte, mas que informaria amanhã (10/11), quando será firmado o primeiro acordo entre o Sindjor e o Diário de Cuiabá: o de romper com os atrasos e pagar regularmente este fim de 2015.
Os diretores solicitaram um prazo menor para quitar outubro com os editores, para o dia 20. Mas, o diretor Gustavo Oliveira afirmou que “é impossível regularizar o salário de todos os jornalistas da redação ao mesmo tempo, o que gostaria de fazer”.
A ideia da diretoria do Sindjor/MT é que o jornal consiga sair da situação de eterno devedor de profissionais, alguns dos quais com 5 meses de salários atrasados. Ao longo dos últimos anos, o jornal tem atrasado sistematicamente os salários e pago uma parte pequena deles, quando os jornalistas já estão em situação de não ter dinheiro para sobreviver, como para sua própria alimentação e locomoção. De acordo com informações dos empregados, o jornal também deve depósitos do INSS descontados da folha de pagamento.
A presidente Priscila Mendes reiterou que o jornal “precisa regularizar a folha de pagamento e que a intenção do sindicato é que o Diário de Cuiabá normalize os salários, para sair da situação cíclica
de atrasos salariais”.
Gustavo ouviu dos diretores que a jornada dos jornalistas do Diário de Cuiabá é “degradante, desumano e até trabalho análogo a escravo, porque eles trabalham e não recebem”.
Na próxima quinta-feira (12/11), a diretoria do Sindjor-MT reúne-se com a direção do jornal Folha do Estado, que também tem salários atrasados.
Participaram da reunião os diretores Priscila Mendes, Jonas da Silva, Mary Juruna, Aline Romio e os editores Enock Cavalcanti e Jonas Jozino, respectivamente do DC Ilustrado (Cultura) e Esportes.
Diretoria Colegiada – Sindjor/MT

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

cinco × 3 =