NO COLO DO ADVERSÁRIO: Comando nacional do PSDB coloca Nilson Leitão contra a parede. Maurício Magalhães estranha que Leitão fale em discutir candidatura própria e encaminhar sua pretensão de disputar o Governo do Estado junto à agremiação tucana, ao mesmo tempo que assume como coordenador da candidatura do ex-procurador da República Pedro Taques

Maurício Magalhães insiste na tese de candidatura própria do PSDB. Namoro entre Nilson Leitão e Pedro Taques, todavia, já está avançado e já teve até troca de afagos em público

Maurício Magalhães insiste na tese de candidatura própria do PSDB. Namoro entre Nilson Leitão e Pedro Taques, todavia, já está avançado e já teve até troca de afagos em público

Nacional do PSDB quer explicação de Leitão sobre apoio a Taques

O deputado federal Nilson Leitão (PSDB) foi cobrado nacionalmente por uma ala de militantes que exigem uma candidatura de Maurício Magalhães ao Governo do Estado

PABLO RODRIGO
HIPERNOTICIAS
O clima deve esquentar nos próximos dias dentro do ninho tucano em Mato Grosso. Isso porque o presidente estadual do PSDB, deputado federal Nilson Leitão (PSDB), foi cobrado nacionalmente por uma ala de militantes que exigem uma candidatura própria dos tucanos no Estado através do advogado e ex-secretário de Estado, Maurício Magalhães.

Os militantes protocolaram um pedido de explicações junto à direção nacional questionando a postura de Leitão. “Esse ofício enviado para a direção nacional foi assinado por um grupo de militantes históricos que deseja que o partido tenha candidatura própria para voltarmos a ter influência no Estado. O curioso é que o pedido foi feito, a direção diz que vai discutir e até agora nada. Parecem que estão ignorando um pedido de um militante que sempre trabalhou em prol do partido”, disse Maurício.

Magalhães ainda lembrou que a sua disposição em colocar o seu nome para o pleito eleitoral foi para atender uma resolução nacional do PSDB que propõe que o partido construa o maior número possível de candidatura próprias nos Estados para fortalecer a candidatura presidencial do senador Aécio Neves (PSDB/MG).

“A minha candidatura é para atender um pedido nacional. Para construirmos um palanque forte para o Aécio no Estado. Para continuarmos vencendo aqui como sempre ocorreu. Agora, em vez de a direção discutir, tentar viabilizar esse projeto, simplesmente me ignora, e o pior, vão construir a candidatura do Pedro Taques (PDT) sem saber se teremos ou não vaga na majoritária. E o nosso presidente é um dos coordenadores da campanha já. Alguma coisa está errada”, argumentou Magalhães.

Antes do carnaval, Leitão se reuniu com Magalhães em Brasília na presença de alguns membros da cúpula tucana que via com bons olhos uma candidatura própria do PSDB em Mato Grosso.
Diante da situação, Leitão garantiu que iria colocar o nome do seu correligionário em pauta na semana seguinte, mas na última quarta-feira (5), Leitão se tornou um dos coordenadores da candidatura de Taques que será lançada ainda este mês.

A situação levou a ala de militantes ligado à Magalhães protocolar esse pedido de explicações à direção nacional.

Caso a candidatura de Magalhães se confirme, a formação de um terceiro bloco poderá esvaziar a candidatura do senador Pedro Taques (PDT), do Movimento Mato Grosso Muito Mais (PDT-PSB-PPS e PV). Tanto o PSDB, quanto o DEM, o PTB e o Solidariedade (SDD) já começaram uma discussão visando a uma composição nas chapas proporcionais para este ano.

Categorias:Jogo do Poder

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezoito − 5 =