NEM JESUS CRISTO FOI POUPADO EM MEIO AOS CORTES: Depois de oito anos seguidos de encenação, Governo do Estado quebra tradição e suspende encenação da “Paixão de Cristo” que impulsionava a Cultura e o Turismo, atraindo público de até 10 mil pessoas.

Murilo Rosa foi o Cristo, no ano passado

Murilo Rosa foi o Cristo, no ano passado

 

Governo do Estado suspende encenação da “Paixão de Cristo”

Para o diretor da peça, Flávio Ferreira, a explicação foi a falta de recursos

JOÃO BOSQUO
DIÁRIO DE CUIABÁ

O espetáculo épico “Auto da Paixão de Cristo”, na antevéspera de completar uma década, não será apresentado este ano, em Cuiabá. Na verdade, o Auto, além da apresentação do espetáculo a céu aberto, era um projeto que envolvia diversos setores do Governo do Estado, principalmente na questão social.

Acontecia, paralelamente a exposições de artesanatos, que atraiam artesões de diversos municípios de Mato Grosso, ligadas às ações do governo, além de um parque voltado para as crianças e uma praça de alimentação para atender o enorme público que diariamente visitava o evento, que antecedia a Semana Santa.

Antecedia é bom que se diga, pois este ano, de 2015, o “Auto da Paixão de Cristo” não será encenado. O diretor do mega espectáculo teatral, Flávio Ferreira, do Cena 11, disse que chegou a ser procurado por emissários do Governo de Mato Grosso, curiosos para saber como era a estrutura do evento, mas, segundo ele, a exiguidade do tempo e, principalmente, a falta de recursos não possibilitam a realização do evento.

O diretor narra que o espetáculo “Auto da Paixão de Cristo” teve oito edições consecutivas e já figurava como o segundo maior espetáculo do gênero do Brasil. O primeiro, todos sabem, é o “Paixão de Cristo” de Nova Jerusalém, Pernambuco.

Este ano seria a 9ª edição e, de certa forma, já estava se firmando no calendário turístico de Mato Grosso, mas será interrompido. A ação cultural com temática religiosa costuma reunir, todos os anos, duas centenas de atores, produtores e técnicos que se dedicavam a criação, ensaios e realização da peça.

Fora o artista convidado – geralmente um grande nome nacional, sendo que ano passado foi Murilo Rosa -, os demais todos eram atores locais, como Carlão dos Bonecos, que fazia o Caifás, o sumo sacerdote que, conforme consta lá nos Evangelhos de Mateus e João, condenou Jesus de Nazaré. O diretor Flávio Ferreira destaca que a maioria dos demais atores, figurantes com pequenas participações, era formada por participantes de algum programa social do Governo do Estado, como catadores de lixo.

O diretor explica que essas pessoas não eram pegas à laço e colocadas na peça. Não. Passavam por um processo de treinamento, ensaios, educação vocal, enfim, por diversas oficinas, como forma de resgate da dignidade humana.

Ano passado, o “Auto da Paixão de Cristo” foi apresentado no Sesi Papa, na Morada do Ouro, e, segundo se noticiou, na estreia, 8 de abril, aniversário de Cuiabá, o público foi de 10 mil pessoas.

Procurados pela reportagem, tanto a Setas quanto a Secretaria de Cultura ficaram de se pronunciar posteriormente sobre a decisão.

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.10.10.119 - Responder

    Pedro Taques primeiro abandonou o companheiro e amigo Zeca Viana… agora faz banquete com a oposição (sem Zeca)… Esse beiço dado ao companheiro Jesus é apenas mais um ato dessa escalada… falam, a boca pequena, que foi visto, sorrateiro, falando com Barrabás e Judas Iscariotes. E o pior: Seu governo ainda não começou.,.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

11 − 4 =