PREFEITURA SANEAMENTO

SEMPRE ELES: Júlio e Jayme são réus na Justiça Federal

A AGU aponta, em ação de fevereiro deste ano, que durante o governo Júlio Campos, Mato Grosso repassou 59 mil hectares para três “laranjas”. Na sequência, as terras foram transferidas para a empresa que tem o ex-governador como sócio.O MPF acionou Jayme Campos pleiteando a devolução de R$ 866 mil gastos com asfalto de má qualidade, quando ele chefiou o Executivo várzea-grandense.

Justiça aciona Jayme e Júlio

Jacques Gosch
FOLHA DO ESTADO

Os irmãos Jayme e Júlio Campos, ambos do DEM, estão respondendo na Justiça por atos cometidos durante suas respectivas passagens pela prefeitura de Várzea Grande e governo de Mato Grosso. O Ministério Público Federal (MPF) acionou o senador Jayme Campos na Justiça Federal pleiteando a devolução de R$ 866 mil gastos com asfalto, supostamente de má qualidade, quando ele chefiou o Executivo várzea-grandense. Seu irmão mais velho, o deputado federal Júlio Campos é alvo de ação da Advocacia-Geral da União (AGU) que busca anular os títulos de propriedade de três fazendas que teriam sido “pegos” de forma irregular quando o parlamentar governou o Estado, entre 1983 e 1986.

Além de Jayme Campos – marido da candidata a prefeita de Várzea Grande Lucimar Sacre Campos (DEM) –, os ex secretários de Finanças e Obras, respectivamente, Juarez Toledo Pizza e Luis Celso Morais de Oliveira, também foram acionados pelo MPF. Segundo a ação, que foi acatada na última semana, após dois recursos em Brasília, os gestores lesaram o patrimônio público em R$ 866mil.

As investigações do MPF apontam que as irregularidades ocorreram tanto no processo licitatório, quanto na execução das obras. A ação é assinada pela procuradora da República, Vanessa Cristhina Marconi Zago Ribeiro Scarmagnani, que baseou seus argumentos num relatório técnico da Controladoria Geral da União.

PROPRIEDADES

As áreas rurais, que Júlio Campos supostamente “pegou” estão localizadas no Parque Nacional do Juruena – unidade de preservação ambiental localizada na divisa entre Mato Grosso e Amazonas – teriam sido adquiridas através defraude quando ocupou o cargo de governador.

“LARANJAS”

A AGU aponta, em ação datada de fevereiro deste ano, que durante o governo Júlio Campos, Mato Grosso repassou 59 mil hectares para três “laranjas”. Na sequência, as terras foram transferidas para a empresa Mineração Santa Sílvia Ltda, que tem o ex-governador como sócio-proprietário.

Conforme a AGU, a concessão das áreas públicas não levou não respeitou a Constituição Federal. A lei que vigorava na época determinava que qualquer transferência de imóveis superior a três mil hectares só poderia acontecer mediante autorização do Senado, procedimento que não foi utilizado na época. O deputado Júlio Campos, por sua vez, busca na Justiça ser indenizado pelo Governo Federal pelades apropriação de áreas pertencentes a empresas que ele é sócio. Entretanto, a AGU afirma que a cobrança não tem fundamento legal.

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.59.69.195 - Responder

    Pena que tudo isso demore tanto a vir às claras. Mas certamente virão mais coisas ainda. J. Veríssimo, aquele que ficou biliardário só com o lucro dos bolicho do Velhote, também usou uns laranjas para repassar terras públicas. E depois comrpou por ninharia. Aguardem…

  2. - IP 201.24.174.239 - Responder

    Enock…vc é o único que respeito nesta internet…por enquanto…

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

5 × três =