MIRANDA MUNIZ: Em contraposição a uma receita amarga para “equilibrar as contas”, o movimento sindical indica à Presidenta Dilma 4 medidas: 1) instituição do Imposto sobre Grandes Fortunas; 2) taxação das remessas de lucros e dividendos ao exterior (que, de quebra, contribuiria em muito para o controle do déficit externo em contas correntes); 3) revisão das desonerações (sobretudo em ramos controlados por multinacionais, que com a renúncia fiscal ampliaram seus lucros e, ao mesmo tempo, as remessas às matrizes) e 4) redução dos juros (que originam o déficit público).

Miranda Muniz

Miranda Muniz

Retirar direitos? Nem que a vaca tussa!

por Miranda Muniz

Sem consulta ou discussão como o movimento sindical e sob o argumento de “equilibrar as contas públicas” e “combater fraudes”, a presidenta Dilma editou duas Medidas Provisórias (MP 664 e 665) que prejudicam a população de baixa renda e, em particular, os trabalhadores. Senão vejamos…

O direito ao seguro desemprego passa a ser garantido apenas ao desempregado que tiver trabalhado, com carteira assinada, 18 meses nos últimos 24 meses. A regra atual exigi-se 6 meses!

O abono salarial (concedido ao trabalhador inscrito no PIS/PASEP e que ganha até 2 salário mínimos) no valor de 1 salário mínimo para quem tenha trabalhado pelo menos 1 mês no ano anterior, na nova regra reduz para ½ salário, para quem tenha trabalhado 6 meses no ano anterior, e o valor de 1 salário fica restrito para quem trabalhou os 12 meses.
Já a pensão por morte só será segurada se o titular tiver pago 24 contribuições e tiver 2 anos de casamento ou união estável, exceto se a morte foi por acidente de trabalho. O valor passa a ser de apenas 50% do rendimento, mais 10% para cada dependente, até o limite de 5. A duração da pensão deixa de ser vitalícia e passa a ser de acordo com a expectativa da sobrevida do companheiro ou companheira beneficiado, ficando nos períodos de 3, 6, 9, 12, 15 anos, e vitalícia, caso a expectativa de vida for inferior a 35 anos.

Outra importante mudança diz respeito ao auxílio doença. O valor a ser pago deixa de ser pelo valor que o trabalhador recebia no momento do acidente ou da data em que adquiriu a doença profissional, e passa a ser a média das últimas 12 contribuições. Além disso, a perícia deixa de ser feita exclusivamente pelo INSS, e também pode ser realizada por empresas privadas ou órgãos públicos.

Também estabelece uma “carência” de 3 anos para o pescador inscrito no Registro Geral de Pescador (RGP) ter direito ao seguro defeso (durante a proibição da pesca em virtude da piracema), sendo que pela regra atual não há carência.

Com esses “ajustes”, ou melhor, torniquetes, o Governo fala em economizar cerca de 18 bilhões. Uma grande incoerência, pois só com a atual política de desoneração deixa-se de arrecadar 200 bilhões. Se regulamentado, o Imposto sobre as Grandes Fortunas, previsto na Constituição, geraria uma arrecadação superior a 20 bilhões, provenientes de menos de mil milionários que tem patrimônio superior a 150 milhões de reais. Isso sem dizer que, pelos cálculos do “sonegômetro”, o Brasil deixa de arrecadar 500 bilhões em virtude da sonegação de impostos pelos grandes capitalistas.

Em contraposição a esse receita amarga para “equilibrar as contas”, o movimento sindical indica à Presidenta 4 medidas: 1) instituição do Imposto sobre Grandes Fortunas; 2) taxação das remessas de lucros e dividendos ao exterior (que, de quebra, contribuiria em muito para o controle do déficit externo em contas correntes); 3) revisão das desonerações (sobretudo em ramos controlados por multinacionais, que com a renúncia fiscal ampliaram seus lucros e, ao mesmo tempo, as remessas às matrizes) e 4) redução dos juros (que originam o déficit público).

O movimento sindical também é contrário à proposta de abrir a Caixa Econômica para capital privado, por entender que essa medida fragiliza essa importante empresa.

É bom lembrar que a Caixa jogou papel decisivo na redução dos impactos da crise financeira, iniciada em 2008. Atuou de maneira anticíclica, com redução de juros e do spread, enquanto os bancos privados fizeram justamente o contrário, provocando a retração de crédito.

Para contrapor a tais medidas, as centrais sindicais CUT, CTB, Nova Central, Força Sindical, UGT e CSB, realizaram manifestações nas principais cidades brasileiras no último dia 28 e pretendem organizar um Grande Ato no dia 26 de fevereiro (São Paulo ou Brasília).

Sensível à pressão do movimento sindical unificado, o Governo já abriu diálogo, realizando uma reunião com as centrais no dia 19 de janeiro, e, dando continuidade no diálogo, já agendou uma segunda reunião para o dia 3 de fevereiro.

Por mais empregos, por mais direitos e contra qualquer retrocesso!

Miranda Muniz é agrônomo, bacharel em direito, oficial de justiça avaliador federal, dirigente da CTB-MT (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil) e do PCdoB-MT

4 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.132.247.211 - Responder

    E a Petrobras como explicar?

  2. - IP 177.7.77.73 - Responder

    Simples de se explicar. A corrupção, intrínsica ao sistema capitalista, presente em toda a formação econômica do Estado brasileiro, chegou, finalmente, às páginas policiais por determinação do governo que chefia a Polícia Federal. Estão presos os proprietários e representantes das maiores construtoras do País… isso é um grande começo porque mostra quem são os corruptores.

    • - IP 177.221.96.140 - Responder

      Se é a Presidente Dilma que mandou, então como explicar que tenha demorado tanto, e pior ainda porque não afastou ainda a Graça Foster, mesmo depois que ela foi descoberta ao transferir os seus bens para o nome dos filhos?????

  3. - IP 177.41.93.252 - Responder

    Ladrôes,isto sim é o que são ,quebraram uma empresa que era o orgulho do Brasil.E com a Dilminha guerrilheira na presidência do Conselho.Uma vergonha,se nos Estados Unidos ou em algum país civilizado estivessem,já estariam TODOS há muito tempo presos,com certeza!

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezenove − 11 =