Ministro do STJ, Benedito Gonçalves manda PF buscar obras de arte, jóias e salas secretas em operação contra Witzel. LEIA DECISÃO

Gonçalves, do STJ

Permissões e instruções detalhadas constam do despacho do ministro do Superior Tribunal de Justiça que autorizou a Operação Placebo

Na decisão que autorizou a Operação Placebo, instaurada nesta terça-feira (26) pela Polícia Federal para apurar desvio de dinheiro público no governo do Rio de Janeiro, sob gestão de Wilson Witzel (PSC), o ministro do Superior Tribunal de Justiça Benedito Gonçalves autorizou a apreensão de “obras de arte de elevado valor ou objetos de luxo, sem comprovada aquisição com recursos lícitos”.
Em casos de corrupção, quadros e joias são usadas para lavar o dinheiro desviado. Na ordem de apreensão, o ministro determinou que tais objetos sejam guardados pela PF em ambiente seguro e depois em museu “até eventual alienação”.
Em outro trecho do despacho, Benedito Gonçalves também autorizou que os policiais verificassem, durante as buscas, a “existência de eventuais cômodos secretos ou salas reservadas” nos endereços dos investigados.
“A providência também deve ser autorizada em compartimentos outros descobertos no curso da diligência, em salas/cômodos/unidades habitacionais, no mesmo prédio, contíguos ou não, independente de nova ordem”, escreveu o ministro, na decisão.
O escritório de advocacia da primeira-dama, Helena Witzel, e o Palácio das Laranjeiras, residência oficial do governador estavam entre os endereços investigados.

FONTE REVISTA FORUM

Ministro Benedito Gonçalves… by Enock Cavalcanti on Scribd

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

20 − 12 =