FOLHA DE S.PAULO: Ministério Público de Minas Gerais volta a acionar gestão de Aécio Neves, como governador, por fraude na Saúde. Assinada pelos promotores Josely Pontes, João Medeiros Neto e Eduardo Nepomuceno, ação pede devolução aos cofres públicos de R$ 1,3 bilhão. LEIA A AÇÃO

Aécio com Fernando Henrique Cardoso: tucanos em tensão, na véspera da decisão eleitoral

Aécio com Fernando Henrique Cardoso: tucanos em tensão, na véspera da decisão eleitoral

Promotoria aciona Estado de MG por suposta fraude na saúde sob Aécio


PAULO PEIXOTO
DE BELO HORIZONTE
LUCAS FERRAZ
ENVIADO ESPECIAL A BELO HORIZONTE
FOLHA DE S.PAULO

O Ministério Público de Minas Gerais ajuizou nesta sexta-feira (17) uma ação contra o governo do Estado por suposta fraude orçamentária nos gastos com saúde durante a gestão do presidenciável tucano Aécio Neves (2003-2010).

Assinada por três promotores, a peça pede o ressarcimento aos cofres públicos de cerca de R$ 1,3 bilhão que, segundo a Promotoria, foi “maquiado” pelo governo Aécio e a estatal de saneamento Copasa para que o Estado atingisse o mínimo constitucional (12% da receita) dos gastos em saúde.

A Promotoria pede o “ressarcimento ao Fundo Estadual de Saúde do montante computado e não investido”. Ou seja, o Ministério Público afirma que o governo mineiro contabilizou os gastos sem efetivamente realizá-los.

É a segunda ação contra o governo mineiro pelo mesmo motivo. O assunto tem sido explorado na campanha presidencial pela rival de Aécio, Dilma Rousseff (PT).

Em outra ação que já tramita na Justiça, o Estado é réu por “maquiar”, segundo a ação, cerca de R$ 4,3 bilhões que deveriam ter sido investidos na saúde entre 2003 e 2008.

Dilma, na campanha, tem usado o valor de cerca de R$ 7,7 bilhões –montante que inclui os anos de 2010 e 2011.

A promotora Josely Ramos, responsável pela área da saúde, propôs também, em 2010, uma ação de improbidade administrativa contra Aécio.

Segundo a investigação, entre os anos de 2003 e 2008, mais de 50% dos investimentos da saúde provinham de ações da Copasa.

Prestações de contas do Estado afirmavam que o governo havia transferido dinheiro à entidade para aplicá-lo em ações de saneamento.

Auditoria realizada nas contas da Copasa, contudo, mostrou que a entidade não recebeu recursos do Estado para investir em saúde. A própria estatal reconheceu que a verba não foi transferida, segundo a ação.

Da mesma maneira, o Estado também teria confirmado que os valores a que se refere o Ministério Público são provenientes da própria atividade operacional da Copasa.

Sem analisar o mérito, contudo, o procurador-geral da Justiça, André Bittencourt, arquivou a ação de improbidade contra Aécio em janeiro deste ano por entender que Josely não poderia processar um governador, papel que caberia somente a ele.

Josely argumenta que, quando propôs a ação, no segundo semestre de 2010, Aécio já havia deixado o governo. Ela recorre da decisão.

Campanha Aécio Neves

OUTRO LADO

O governo de Minas nega haver irregularidade. Diz que, naqueles anos, ainda não havia sido regulamentada a emenda constitucional que define os percentuais de investimento no setor.

Por causa disso, o Executivo mineiro chegou a fazer um acordo com o TCE (Tribunal de Contas do Estado de Minas) de aplicação crescente e progressiva até atingir o percentual de 12%.

O Estado também afirma que, durante o governo Aécio, todas as suas contas foram aprovadas, mesmo argumento apresentado pelo presidenciável do PSDB.

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.65.146.3 - Responder

    tá dificil de ler esses documentos, enock, mas de qualquer forma é o MP que acusa, logo os tucanos devem ficar espertos.

  2. - IP 187.53.0.253 - Responder

    Além de não aprender a fazer a cama ainda aprendeu esse mau custume de retirar indevidamente as coisas dos cofres públicos. Vai levar umas chineladas esse menino sem berço!

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

15 + 6 =