Ministério Público atende Pedro Taques e investiga se Éder Moraes facilitou, criminosamente, transferência de R$ 6,1 milhões, dos cofres públicos, à empresa Ortolan

Pedro Taques levanta suas hipóteses: Éder teria assumido compromisso de efetuar o pagamento à Ortolon sem que a Assembleia autorizasse na lei orçamentária e sem que existisse um processo formal de empenho; e outra de que Éder teria efetuado o pagamento sem respaldo na Constituição, o que configuraria crime.

MPE instaura inquérito para apurar denúncias contra Eder

RENATA NEVES
Do DIÁRIO DE CUIABÁ

Com base em representação protocolada pelo senador Pedro Taques (PDT), o Ministério Público Estadual (MPE) instaurou inquérito civil para apurar denúncias de possíveis irregularidades cometidas pelo ex-secretário de Estado de Fazenda Éder Moraes (PR), na aplicação de dinheiro público, tendo como beneficiária a empresa Ortolan Assessoria e Negócios Ltda.

Na representação, o senador afirma que chegaram a suas mãos cópias de supostos ofícios subscritos pelo então secretário de Fazenda encaminhados ao Banco Industrial e Comercial S/A “nos dias 21/12/2009 e 02/03/2010”, informando à instituição financeira que o Estado iria liquidar o montante de R$ 6,1 milhões em nome da empresa.

No entanto, segundo Taques, na base de dados da execução orçamentária do Estado não consta nenhum pagamento e nem mesmo dívidas pendentes do governo com a empresa.

Em relação ao fato, o senador levanta suas hipóteses. Uma de que Éder teria assumido compromisso de efetuar o pagamento sem que a Assembleia Legislativa de Mato Grosso autorizasse na lei orçamentária e sem que existisse um processo formal de empenho; e outra de que o então secretário teria efetuado o pagamento sem respaldo na Constituição, o que configuraria crime.

Embora admita que os fatos narrados pelo senador contém “indícios razoáveis de irregularidades” o promotor Gilberto Gomes ressalta que os mesmos não recomendam ainda adoção de medida judicial.

Taques também protocolou representações no Ministério Público Federal (MPF), Tribunal de Contas do Estado (TCE) e Auditoria Geral do Estado (AGE), solicitando que os órgãos investiguem as informações.

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 187.68.208.176 - Responder

    Eu tenho uma pergunta? Quanto foram os valores dos benefícios fiscais do Mauro Mendes nos últimos dez anos? Tem mais coisas sem respostas mas essa já me satisfaz

  2. - IP 189.59.40.55 - Responder

    sou contra a presença do Èder na campanha do Lúdio, pois ele mais atrapalha do que ajuda. Sua rejeição é muito forte, pois está envolvido em todos os recentes escandalos em MT. O povo tem memória curta, mas nem tanto. De outro lado, o Senador esperar 2 anos e meio para denunciar é no mínimo oportunista esta ação. É MUITA DECEPÇÃO PARA O ELEITOR CUIABANO. VOU ANULAR O MEU VOTO.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

8 + 12 =