MIGUEL DO ROSÁRIO, DE O CAFEZINHO, GARANTE QUE 2013 FOI ANO DE GRANDES DERROTAS: “Agora, ao final do ano, quando o Senado teria a oportunidade de introduzir pautas progressistas na reforma do Código Penal, o relator Pedro Taques, o mesmo Pedro Taques que tanto elogiou a rebelião das ruas – sobretudo quando enxergou nelas um sopro de oposição popular – agora lhes passa uma sórdida rasteira, ao eliminar os poucos avanços que havia no texto. Taques removeu os avanços em relação ao aborto e às drogas”

Pedro Taques, senador da República pelo PDT de Mato Grosso e o blogueiro Miguel do Rosário, titular do blogue O Cafezinha

Pedro Taques, senador da República pelo PDT de Mato Grosso e o blogueiro Miguel do Rosário, titular do blogue O Cafezinha

2013, o ano das grandes derrotas

Enviado por  – O CAFEZINHO

Retrospectiva de um ano ultracansado

 

http://www.ocafezinho.com/2013/12/23/2013-o-ano-das-grandes-derrotas/

O ano de 2013 foi curioso para o Brasil. Todos saíram derrotados. A Globo perdeu audiência e foi pega sonegando imposto. O PT viu seus melhores quadros serem presos, um deles (justamente aquele mais traumatizado por quatro anos de tortura na ditadura) foi novamente preso e torturado – desta vez, psicologicamente, de forma ainda mais sádica e cruel, por sete ou oito anos. Genoíno sempre repete para os amigos que a tortura moral inflingida pela mídia é muito pior do que a tortura física da ditadura; porque vai direto na sua alma.

Os blogs também perderam. Ficaram imprensados entre um governo assustado e a loucura revolucionária (?) das ruas.

As ruas… As ruas também perderam. Depois de mostrar seus enormes pés, as ruas não conseguiram revelar uma cabeça. A lógica do espetáculo rapidamente prevaleceu. Tornou-se uma diversão de final de tarde. Os jovens na rua sem saber porque estavam na rua. Os policiais, também perdidos. E o helicóptero da Globo sobrevoando e tentando vender audiência. Ao final, incêndios, quebra quebra e audiência em alta da Globonews.

A própria Mídia Ninja, que alça os píncaros da fama e ganha ares de ferramenta revolucionária, termina desempenhando o melancólico papel de parasita do caos (ela só ganha audiência se há quebra-quebra, violências e fogo). E o Fora do Eixo, entidade por trás da Mídia Ninja, se tornou saco de pancadas de coxinhas virtuais.

A imprensa perdeu muito. As ruas foram agressivas contra as mídias tradicionais. Jornalistas eram quase linchados em meio à turba de coxinhas enfurecidos. Quer dizer, nem só coxinhas. Houve cenas épicas, como a de um sujeito que flagrou o repórter da Globo forjando um protesto contra a Dilma. O repórter pediu para uma senhora segurar uma plaqueta contra a presidente. Um homem (um sindicalista) viu a cena e protestou contra aquela fraude sem vergonha, na cara de todo mundo. Foi um boca a boca memorável, que encerrou com o repórter saindo de fininho, sob uma saraivada de xingamentos e cantorias anti-mídia. Tudo filmado por um celular.

Aliás, as manifestações de rua tiveram um caráter anti-mídia que a própria mídia, naturalmente, até hoje trata de esconder com unhas e dentes. A Globo pediu desculpas envergonhadas por ter dado “apoio editorial” à ditadura…

Houve protestos de todo o tipo. Foi algo tão grande que é difícil enxergar de perto. Ouvi muita gente caçoar do Arnaldo Jabor, que logo após as primeiras manifestações declarou que os garotos nas ruas não valiam nem 20 centavos. Dias depois, ele muda totalmente de ideia e começa a tecer loas aos protestos.

Bem, eu não critiquei o Jabor por mudar de ideia. Bem aventurados os capazes de mudar, diria o profeta. O problema está na razão pela qual mudamos, que nem sempre é louvável.

Eu mesmo me portei igual ao Arnaldo Jabor, só que às avessas. Quando ele criticou, eu elogiei. Quando ele passou a elogiar, eu passei a criticar.

Porque aconteceu uma coisa sinistra, que os coxinhas e os black blocs não perceberam. Em questão de dias, a mídia se adaptou à nova realidade e iniciou uma estratégia de manipulação que chegou facilmente às ruas. Se a pauta dos protestos era difusa, a Globo oferecia a solução para todos os seus problemas. O foco é a corrupção, foi o título de um post de Merval Pereira no auge dos protestos. A mídia também conseguiu transformar a PEC 37, que regulamentava o poder de investigação do Ministério Público, em alvo dos manifestantes. A PEC 33, que impunha limites ao STF, sumiu do mapa.

Com certeza, entre as primeiras e as últimas manifestações, houve reunião emergencial de barões da imprensa e caciques de oposição, provavelmente em alguma sala de luxo no instituto millenium. Eles tomaram decisões rápidas, o que é a grande vantagem de centros de comando enxutos, unificados e com orçamento infinito. Não estou falando da cúpula do partido comunista chinês, mas do grupinho de endinheirados que domina a mídia brasileira. Duas ou três famílias de banqueiros, três ou quatro famílias donas das principais infra-estruturas de mídia no país, e pronto, tem-se um bloco de poder avassalador. O STF é o mais fácil de dominar, porque são poucos, mas o neocoronelismo midiático que vivemos alcança todos os setores, com ênfase nas classes A e B, onde figura a elite do serviço público e das empresas privadas.

As ruas, os coxinhas e os black blocs também perderam. O Congresso se aproveitou da confusão das pautas e não adotou nenhuma delas. Os black blocs, depois de usados pela mídia, foram descartados.

E agora, ao final do ano, quando o Senado teria a oportunidade de introduzir pautas progressistas na reforma do Código Penal, o relator Pedro Tacques, o mesmo Pedro Tacques que tanto elogiou a rebelião das ruas – sobretudo quando enxergou nelas um sopro de oposição popular – agora lhes passa uma sórdida rasteira, ao eliminar os poucos avanços que havia no texto. Tacques removeu os avanços em relação ao aborto e às drogas.

A democracia perdeu feio em 2013. Perdeu nas manifestações, quando reprimiu com violência, primeiro; e perdeu quando deixou a coisa rolar frouxa demais, em seguida. Perdeu com o avanço do STF sobre o Legislativo. Perdeu com o bloqueio absoluto imposto pela grande imprensa ao debate sobre a democratização da mídia.

Dilma perdeu. A barbada de 2014 não é mais tão certa. Há variáveis mais complexas e instáveis em ação. Sua aprovação encerra o ano vinte ou mais pontos abaixo do que tinha em seu início.

A oposição perdeu. Aécio Neves conseguiu a incrível proeza de figurar como um príncipe na mídia e… cair nas pesquisas. Campos fez algo ainda mais extraordinário: uniu-se a uma campeã eleitoral, que entrou em seu partido e passou a lhe apoiar publicamente e… perdeu intenções de voto (aumentou na primeira pesquisa após sua união com Marina, mas começou a cair em seguida).

O trensalão, o helicóptero do pó, a máfia fiscal da prefeitura paulistana, a coisa de repente ficou feia, em termos “éticos”, para a oposição. Seu discurso de vestais ficou ainda mais ridículo e falso do que sempre foi.

Eu também perdi algumas coisas este ano. A virgindade processual, por exemplo. Agora sou um processado por Ali Kamel, o todo-poderoso diretor de jornalismo das Organizações Globo, e se perder terei que lhe pagar R$ 41 mil.

Em novembro, sofri meio que um bullying político por parte de simpatizantes de black blocs, reunidos num auditório na UFRJ. Me puseram na mesa na condição de blogueiro famoso e “criminalizado”, por causa do processo do Kamel. A meu lado, os parlamentares Jandira Feghali e Jean Wyllys; um advogado da OAB; Mario Mugusto Jakobskind, presidente da Comissão de Defesa da Liberdade de Imprensa e Direitos Humanos da ABI (Associação Brasileira de Imprensa); e um professor que havia passado uns dias num presídio após a polícia lhe prender por varrer a frente da Câmara dos Vereadores.

Eu suspeitei que estava em terreno minado. Afinal, o que já dei de pancada verbal em black bloc e coxinhas, não tá no gibi. Eu sou a favor da violência: verbal. E contra violência física. Os black blocs são o contrário: são a favor da violência física, mas contra a violência verbal: ninguém pode criticá-los.

Todos falaram, inclusive eu, e ao final uma moça se ergueu para me fazer uma pergunta, pegou um bloco e passou a ler um trecho de um post meu de meses atrás.

Eu respondi da forma que pude. Houve um início de gritaria, com minhas amigas me defendendo e outras pessoas me atacando. Até que o Jakobskind pegou o microfone e determinou: “temos que cerrar fileiras em torno desse rapaz (eu), porque ele está enfrentando o maior império de todos!” Jakobskind é um jornalista íntegro e portanto anti-global, até porque ele está lutando para evitar que o candidato da Globo vença as próximas eleições da ABI.

Esse é o tipo de enrascada previsível para um blogueiro de opiniões polêmicas. Só lamento não ter dado uma resposta clara e firme à moça, porque ela atacou abaixo da cintura: ela conseguiu catar, como quem cata uma pulga, o erro mais grave que cometi, não no conteúdo, mas na forma como eu expressei uma ideia. Mas ela podia ter pego mil outros exemplos. Se há política e confronto, haverá sempre algum radical, à esquerda ou à direita, que não concorda com minhas ideias: e pode ser que ele esteja certo, e eu errado. Eu escrevo diariamente, tanta coisa, e me envolvo em linhas de pensamento sobre as quais preciso meditar com o máximo de urgência. Posso errar, portanto. Eu errei num post em que narro um episódio no dia 11 de julho, em que algumas amigas minhas se sentiram intimidadas e agredidas por black blocs. Ao final do post, eu cometo um sério deslize, ao encerrar o post com uma frase deliberadamente vulgar: “se eu vir um mascarado na minha frente sou capaz de lhe dar um murro”.

É chato. Tantos posts intelectualizados, citando latim e teorias políticas, e a pessoa cata uma frase vulgar e brutal presente num post escrito com o fígado.

Repito, sou a favor da violência verbal. Acho que a violência verbal integra esse universo maior a que alguns chamam liberdade de expressão. Este é um assunto, aliás, no qual sou absolutamente liberal. Tenho que ser, porque sem liberdade, eu serei o primeiro a me lascar, visto que, por mais que eu procure ser cuidadoso, não tenho controle total sobre meu (mau) humor e meu sarcasmo. A literatura é um vale tudo, e literatura de ficção e literatura política às vezes partilham dos mesmos anseios em termos de iconoclastia, subversão e criatividade sintática.

O ano termina, portanto, com um aspecto terrivelmente cansado, como se não tivesse transcorrido apenas um ano, mas uma década. Tenho a impressão, por isso mesmo, de que todos estão exaustos. Eu me flagrei cometendo errinhos bestas de sintaxe ou lógica em posts recentes. Esses feriados de Natal e Ano Novo serão providenciais para mim. O recesso dos poderes públicos nos dão um pouco de paz por alguns dias. Esperemos que a mídia também sossegue. O ano de 2014 promete ser tão ou mais intenso do que este. Copa do Mundo, eleições, além dos momentos finais, talvez os mais encarniçados, do debate sobre a Ação Penal 470. O calor eleitoral reviverá o tema e os esforços canhestros de setores do governo que pretendem “virar a página” darão com os burros n’água. Na verdade, é provável que os marketeiros se mantenham no terreno das platitudes estéticas. O trabalho pesado, a desconstrução sistemática das mentiras diárias da mídia, a luta para não deixar que as injustiças da Ação Penal 470 se consolidem como “fato consumado”, ficará sob responsabilidade, como sempre, de blogueiros duros, processados, destemidos e incansáveis. A diferença é a própria luta de classes, e a dicotomia entre o capital e o trabalho, tanto que, em reunião política no Barão de Itararé, discutimos como seria negativo para o Brasil se Dilma obtivesse uma fria e calculista vitória eleitoral, feita por marketeiros, ao invés de uma apaixonada e libertadora vitória política, conduzida por intelectuais, militantes e blogueiros.

Ao menos não estamos mais totalmente sozinhos. Vários agentes políticos estão se preparando para um embate mais polarizado no ano que vem, e todos que não estarão com a Globo, estarão com a gente. Da minha parte, construí relações com vários parlamentares, representantes de movimentos sociais e sindicatos, e mesmo com jornalistas da grande imprensa. No ano que vem, estreitaremos laços com mais gente; esta é a vantagem de um ano eleitoral. Em ano eleitoral, a mídia perde o monopólio da conspiração política. Em ano eleitoral, todos viram conspiradores. Todos fazem reuniões com todo mundo. O vamos conversar de Aécio Neves é o clichê de todos os candidatos, e isso é muito bom.

Num ano em que quase todos os agentes políticos, à esquerda, à direita, na situação e na oposição, na mídia, nas ruas, nos blogs, saíram derrotados, talvez um só tenha sido vencedor. O povo? O Fluminense?

Vou descansar por uns dias. Tentarei voltar para mais um post antes da virada do ano, mas desde logo lhes desejo um feriado tranquilo e votos de um novo ano cheio de realizações, saúde e felicidade.

PS: Não esqueçam de ajudar o blogueiro a iniciar 2014 com força! Faça uma assinatura, compre nossos livros (que serão expedidos em março para os compradores), adquira títulos do blog!

basquiat

Basquiat

6 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.1.234.233 - Responder

    Considerando que a maioria da população brasileira reconhecidamente é CONTRA o aborto, o senador Pedro Taques não tinha mesmo autoridade para introduzir no novo código penal uma mudança tão grande, como a aprovação do Lei do Aborto.
    Taques até que tentou incluir a aprovação do Aborto no Novo Código Penal, mas acabou tendo que recuar tamanha foi a pressão que sofreu, seja do povo, seja de seus colegas do Congresso.
    Aliás, eu tenho certeza de que se Taques tivesse focado os pontos que reconhecidamente são consenso para dar agilidade ao Poder Judiciário, como o fim dos intermináveis recursos, por exemplo, se ele não tivesse insistido tanto em incluir na reforma temas assim tão polêmicos ou mesmo contrários ao pensamento da maioria, como a aprovação do Aborto, a sonhada reforma do Código Penal já teria saído aprovado muito antes.
    Só agora, no final do ano, na véspera de sua saída do Senado para se candidatar ao governo de MT, é que sai de sua gaveta em Brasília a sonhada Reforma do Código Penal.
    Assim, o senador Pedro Taques, antes de cumprir sua histórica promessa de campanha de promover a reforma do Código Penal, sai para se candidatar ao Governo do Estado, deixando nas pessoas que o elegeram a sensação de que ele usou seu cargo de senador como trampolim político para satisfazer sua cobiça pelo poder.
    Será que dá para confiar e votar novamente em alguém que não cumpriu sua promessa de campanha?
    Ou é melhor eleger para governar nosso Estado alguém que reconhecidamente seja um bom administrador? Deixando que Taques, não eleito, volte ao Senado, para lá finalmente cumprir sua promessa de campanha?

  2. - IP 201.88.96.209 - Responder

    Na minha simples concepção liberar as DROGAS só é bom para o traficante, que vai escancarar de uma vez e os preguiçosos ou participes do tráfico da máquina estatal (governantes e funcionários) que dariam uma de “Pilatos” lavando as mãos. Depois que inventaram a morfina essa estória de maconha faz bem para pessoas em estado de convalescença é o “O” (essa parte final foi posta para não receber retruques nesse argumento).

    • - IP 187.69.74.244 - Responder

      Prezado Wellington, quando se fala em “liberar” as drogas esse tema não é tratado com essa superficialidade, ou seja, simplesmente liberar. A questão é mais complexa e séria do que se imagina, trata-se, na realidade, de LEGALIZAR, ou seja, regulamentar a produção e a venda das drogas, com a incidência de controle e, inclusive, de tributos… existem estudos sérios e consistentes que apontam que a legalização de algumas drogas (e não simplesmente a liberação), que não cabe aqui nesse espaço esmiuçar, diminuiria a violência que cerca o tráfico (homicídios, roubos, furtos, lavagem de dinheiro, etc), além de tirar do sistema penal o usuário, o que, por si só, já reduziria muito a criminalidade periférica ao tráfico…

  3. - IP 179.246.59.15 - Responder

    E quantos as milhares de mortes causadas pelo alcool e nicotina. Inclusos os fumantes passivos e vitimas de motorista bêbados e as famosas brigas de bar, vamos proibir cerveja e cigarro também? Ah, caso não saiba morfina também é uma droga, e altamente viciante, em especial a veteranos de guerra nos EUA. Usar ou não drogas, inclusive as licitas, é e sempre sera uma opção pessoal.

    • - IP 201.88.96.209 - Responder

      Esse é o ponto me diga em que vai melhor essa toda congruência com a liberação de mais drogas? Ou simplesmente vai aumentar os homicídios culposos? Não existe nada de positivo na liberação das drogas! Países que a liberaram como Portugal estão correndo atrás dos pontos negativos gerados (visto a graduação a pior para a sociedade) e já proibiram o tráfico (novamente), ou seja DROGA ESTOU FORA!

  4. - IP 179.225.84.215 - Responder

    O que ocorre é que liberando ou não isso não afeta diretamente o consumo, um dia desses saiu um estudo que o consumo diário no Brasil de todos os tipos de drogas ilícitas alcança as 50 toneladas, diário! O uso de drogas no Brasil na prática já esta praticamente descriminalizado, e me parece um contra senso muito grande o tráfico ser um dos piores crimes capitulados no código. Assim como você sou contra o uso de drogas, inclusive as licitas, mas não acredito que o Direito Penal seja resposta para isso. Tome como exemplo ps EUA, país mais rico e protegido do mundo e ainda assim maior consumidor de drogas ilicitas, lembrando que lá tráfico da até prisão perpétua. Acredito que o caminho seja conscientização e reabilitação para os que desejem largar o vício, porque no final essa decisão é sempre de cunho pessoal, assim como é para um viciado em alcool ou nicotina abandonar sua utilização.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezessete − dezessete =