Mauro Lara e Renato Santana, 1ºs candidatos na disputa pela Prefeitura de Cuiabá

Renato Santana, da Rede, e Mauro Lara, do PSOL

Renato Santana, da Rede, e Mauro Lara, do PSOL

No sábado,23, despontaram os primeiros dois candidatos à Prefeitura de Cuiabá. O procurador Mauro Lara, pelo PSOL e Renato Santana, pela Rede Sustentabilidade. Dois candidatos escolhidos para a disputa da Prefeitura por partidos pequenos, em convenções pequenas, mas que alardeiam grandes sonhos.

O procurador Mauro fala em transformar a política de Mato Grosso confiando básicamente em um possível e surpreendente apoio popular. Ele que teve mais de 80 mil votos para deputado federal em 2014, acredita que depois de tantas tentativas chegou a hora dele ir para o segundo turno. A convenção do PSOL, realizada na oca da UFMT, reuniu pouco mais de 50 pessoas. Tanto que, na convenção da Rede, uma das dirigentes da representação local do partido da Marina em Cuiabá, comemorou: “Com menos de um ano de legalização, já temos aqui, em nossa convenção, mais gente do que na convenção do PSOL, que é um partido bem mais velho.” Segundo ela, 88 pessoas passaram pela convenção da Rede.

O discurso do procurador é basicamente um discurso de desnudamento das promessas não cumpridas pelo atual prefeito do PSB, o empresário Mauro Mendes. Ele e seus candidatos a vereadores se mostram tantalizados pelo carisma que a candidatura do PSOL teria granjeado, ao longo dos anos. E dizendo confiar no povo, anunciam que vão governar com o povo, sem se preocupar em articular coligações com outras administrações, quando não seja para melhor o tempo de veiculação da propaganda partidária via televisão.

Na Rede, o que se comemora é o fato do partido estar vivo e participando da campanha pela primeira vez. O pessoal da Rede repete um pouco o discurso do PSOL no que se refere à autoreferencia, como se bastasse existir para ser diferente. O historiador Renato Santana e seus parceiros de convenção, insistiram o tempo inteiro na hipótese de que estão trazendo para a política de Mato Grosso uma renovação que passa por uma campanha sustentada basicamente pela militância, pelo boca a boca, sem preocupação de correr atrás do dinheiro que, rotineiramente, sustenta a campanha dos partidos maiores, ao longos dos anos. Eles também acreditam que o programa para o governo que pretendem implementar em Cuiabá será construido durante a caminhada eleitoral pelos bairros.

Tanto o procurador como o historiador não estão certos de que terão direito a participar dos debates eleitorais na televisão o que, para eles, que terão tempo muito reduzido no horário da propaganda obrigatória, seria fundamental para serem enxergados pelo grosso da população, a tal massona que acaba indo atrás do marketing político mais impactante.

Categorias:Jogo do Poder

5 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 179.216.217.46 - Responder

    Isso aí é tudo linha auxiliar do PT.

    • - IP 191.129.28.157 - Responder

      Velho, você não larga essa bobagem de linha auxiliar não? PQP, toda matéria que fala sobre o candidato do PSOL há um comentário seu (pelo menos parece que se trata da mesma pessoa, que se intitula “Indignado”) repetindo esse mesmo jargão, que já fora utilizado pelo Aécio Neves. Não sei se você posta esse comentário imbecil só para zoar ou não. De uma forma ou de outra, vê-se que se trata de um retardado, politicamente falando.

  2. - IP 179.216.217.46 - Responder

    Alinha auxiliar do PT está ficando nevorsa.

    • - IP 179.10.219.231 - Responder

      Não se esconda, retardado!

  3. - IP 177.41.87.149 - Responder

    O cara é da linha auxiliar e ainda chama os outros de retardado.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

3 + 16 =