Campanha Coronavirus

MARIO SERGIO CONTI: A luz da poesia de Bertolt Brecht em tempos obscurantistas

Brecht e Conti

A luz da poesia de Bertolt Brecht em tempos obscurantistas

Em artigo no jornal Folha de S. Paulo, o jornalista Mario Sergio Conti analisa o livro Bertolt Brecht – Poesia, lançado recentemente. “Um livraço de poesia traduzida traz Brecht para a atualidade nacional”, afirma.

Segundo ele, Com 300 novas traduções, é a maior coletânea da poesia de Brecht publicada em português.

A obra foi traduzida e lançada pelo poeta e designer gráfico André Vallias, como selo da Editora Perspectiva. De acordo com o site Tapera taperá, é a “mais abrangente reunião da obra poética de Bertolt Brecht em português”. “O livro não é só uma coleção muito representativa de sua poesia, mas incorpora dados biográficos, fragmentos de diários e anotações, vários dos quais documentos inéditos entre nós, inter-relacionados com a poesia e mediados por fotos e imagens em articulada montagem conceitual”, afirma.

O texto também afirma que, “certamente, esta coletânea vem muito a propósito em um momento da história em que voltamos a presenciar, horrorizados, a ameaça de retrocessos culturais e de autoritarismos de viés conservador e obscurantista”. “A poesia-crítica de Brecht, sem propriamente situar-se no âmago das poéticas pautadas pelo experimentalismo, tem, no entanto, alto nível de escrita e singularidade”, destaca.

Leia a íntegra do artigo de Mario Sergio Conti:

_________

Um livraço de poesia traduzida traz Brecht para a atualidade nacional

Bertolt Brecht Poesia’ é um evento maior num ano horrendo para a arte e a cultura

POR MARIO SERGIO CONTI

Um. “Bertolt Brecht – Poesia” (Perspectiva, 583 págs.) é um evento maior num ano horrendo para a arte e a cultura, assediadas que estão no Brasil pela imbecilidade reacionária. Com 300 novas traduções, é a maior coletânea da poesia de Brecht publicada em português.

Contra o conformismo, o poeta faz uma conclamação que cai como luva nesse Brasil no qual o poder ataca aqueles que trabalham, bota fogo na Amazônia e não faz nada quando centenas de tartarugas morrem intoxicadas por petróleo no litoral:

Não se deixem seduzir

ao trabalho e à servidão!

Por que o medo? Vocês vão

se extinguir com a bicharada

e depois não tem mais nada.”

Para Brecht a poesia expressa tudo que está vivo, limpo ou sujo. Ele canta até a latrina, para ele um “lugar plácido em que a gente se recosta/ tendo em cima estrelas e debaixo, bosta”. O poeta não admite meio termo; o sujeito deve ser frio ou quente porque o isentão é um conivente:

Morno nem a pau!

Branco ou preto –

Cinza me faz mal!”

Ilustração de mulher de costas vestindo biquini preto. Ela está segurando um celular e é possível ver um pedaço do horizonte que está no fundo na tela. A paisagem do fundo é composta por um céu ensolarado, montanhas e o mar com manchas pretas que são cortadas da imagem que aparece no aparelho dela.

Aqui e ali, pode-se discordar de soluções encontradas por André Vallias. Mas suas traduções reproduzem a dicção desabusada de Brecht e estão repletas de lampejos. Além do quê, a edição é bilíngue, o que permite o cotejo imediato com o original,  impresso na página ao lado.

Há mais. A introdução alentada, os trechos de diários e as notas acompanham passo a passo a trágica trajetória de um poeta perseguido pelo fascismo —mas que, quando Walter Benjamin perguntou por que ele não se refugiava na União Soviética, respondeu: “Eu sou comunista, não idiota”.

A antologia, em suma, é superior a “The Collected Poems of Bertolt Brecht”, publicado na Inglaterra e nos Estados Unidos por Tom Kuhn e David Constantine. Outra vez, André Vallias, ele mesmo poeta, tradutor da ótima coletânea “Heine, hein?”, enriquece nossa cultura literária.

Dois. Como se trata de um poeta marxista, é forçoso empregar a expressão certa: o desenvolvimento das forças produtivas —no caso, tecnológicas— fez com que parte das notas de Vallias exista só na internet, num site com a adenda digital (complemento digital ao livro físico).

De fato, talvez fosse inviável imprimir todo “Bertolt Brecht – Poesia” em papel. Mas é chato lê-lo com um laptop ou um celular ao lado, tendo de ir do papel ao apetrecho eletrônico, e vice-versa. Depois de ler outros livros assim, tomara que o hábito vença o desconforto.

Três. Ficou para a adenda digital uma curiosidade sobre Brecht e o Brasil. O caso era conhecido, mas Vallias o expande. Semanas antes de morrer, em 1956, o poeta recebeu em Berlim a visita de um velho amigo, Willy Keller, ator e diretor que em 1935 se refugiara no Brasil.

Keller lhe levou uma antologia de poemas brasileiros que traduzira para o alemão. Tinha muito interesse em saber o que o velho amigo achava de Drummond, presente na antologia, para ele uma “voz irmã” da de Brecht. O poeta leu o livro e logo no dia seguinte o comentou com Keller.

Para frustração de Keller, Brecht não disse uma palavra sobre Drummond. Em compensação, retrabalhou o poema “Lirismo”, de Domingos Carvalho da Silva —autor menor da mofada geração de 45, nascido em Portugal e que com nove anos se radicou no Brasil.

A versão de Brecht é mais vivaz e sonora que o original de Carvalho da Silva e a tradução de Keller. Ela entrou nas obras completas do poeta alemão como se fosse de sua autoria. Na coletânea de Kuhn e Constantine, porém, a referência a Carvalho da Silva aparece numa nota.

Quatro. Na apresentação do livro, Augusto de Campos escreve que “a poesia-crítica de Brecht, sem propriamente situar-se no âmago das poéticas pautadas pelo experimentalismo, tem um alto nível de escrita e singularidade. Não só merece como precisa ser reconsiderada”.

O inventor e ponta de lança da poesia concreta chama a atenção para as urgências e para os perigos postos pelo presente brasileiro; para a necessidade de combinar engajamento com alta densidade formal.

Do alto de seus 88 anos, Augusto de Campos escreve: “Volta a ser necessário ouvir as vozes contestatárias que realimentem o anseio de liberdade e de lucidez do ser humano, e os poemas de Brecht não afagam nem perdoam a injustiça, a hipocrisia e a indiferença”.

___________

MARIO SERGIO CONTI é Jornalista, é autor de “Notícias do Planalto”.

 

FONTE VERMELHO E FOLHA DE S PAULO

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

treze − 3 =