PREFEITURA SANEAMENTO

MÁRIO MARQUES, NO PÁGINA ÚNICA: Conselho Regional de Medicina realizou, entre 17 de junho a 7 de julho, fiscalizações no Pronto-Socorro de Cuiabá e constatou, mais uma vez, a precariedade do atendimento médico aos pobres e aos filhos dos pobres. Os problemas recorrentes são a superlotação; falta de insumos; problemas estruturais; e número de funcionários insuficientes.”Praticamente todos corredores estão ocupados com pacientes. Hoje o Pronto-Socorro é uma unidade de saúde essencial para a população de todo o estado, mas totalmente sucateada e que precisa urgentemente de uma gestão competente antes que a saúde pública em Mato Grosso entre em colapso”, destaca o presidente do CRM, Gabriel Felsky

 

O problema é antigo.  Só que o tempo passa e a dor do povo só faz se agravar

O problema é antigo. Só que o tempo passa e a dor do povo só faz se agravar

RAIO X da saúde pública de Cuiabá aponta sucateamento do setor em decorrência de causas já identificadas

Por Mário Marques de Almeida com informações do CRM

 PAGINA ÚNICA

 

O colapso no atendimento médico e hospitalar gratuito para a população de Cuiabá não é de agora e remonta a outras gestões, tendo apenas se agravado com o decorrer do tempo sem que medidas drásticas fossem tomadas para equacionar ou quando nada, minimizar o problema. Trata-se um quadro complexo decorrente da falência do sistema de saúde pública no país e que pode ser e é grave na Capital mato-grossense, mas não pior que em outras cidades localizadas, a exemplo de Cuiabá, fora do eixo dos centros brasileiros mais desenvolvidos.

 

As causas são as mesmas: superlotação e falta de leitos, de insumos e de servidores para atender as pessoas, procedentes não apenas da Capital, mas de outras cidades de Mato Grosso, de Rondônia e da região fronteiriça com a Bolívia para buscar socorros na precária rede de saúde pública cuiabana, notadamente no Pronto Socorro Municipal.

 

Na grande maioria dos municípios mato-grossenses o serviço de saúde consiste em colocar pacientes enfermos ou acidentados em ambulâncias e mandar despejá-los na porta do PSM da Capital ou abrigá-los, enquanto não são atendidos, em casas de apoio mantidas por parlamentares com base eleitoral no interior ou por prefeituras que custeiam o aluguel desses imóveis transformados em espécie de “embaixadas” de desvalidos.

 

No tocante ao fluxo de pessoas do município de Cuiabá que aportam ao PSM e nas demais unidades da rede municipal, a maioria do casos diagnosticados se referem às diversas viroses que atacam a população, com destaque para os segmentos sociais mais pobres.  Outra causa que tem contribuído para o congestionamento dos serviços, em especial os de urgência e emergência, é ocasionada por acidentes no trânsito, na maior parte envolvendo motociclistas – o que encarece os custos com saúde pública porque exige atendimento do setor de ortopedia. geralmente mais caro.

 

Constatando, mais uma vez, essa realidade o Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso realizou entre os dias 17 de junho a 07 de julho fiscalizações no Pronto-Socorro Municipal de Cuiabá e constatou, mais uma vez, a precariedade do atendimento médico a população da Capital. Os problemas recorrentes são a superlotação; falta de insumos; problemas estruturais; e número de funcionários insuficientes.

 

O relatório aponta que na Sala Vermelha, onde são recebidos os casos de urgência e emergência e deveria abrigar oito pacientes, foram encontradas cerca de 20 pessoas aguardando o andamento do atendimento ou transferência para uma unidade de terapia intensiva (UTI).

 

“Praticamente todos os corredores estão ocupados com pacientes. Na Sala de Trauma são pelo menos mais 30 pacientes internados. Hoje o Pronto-Socorro é uma unidade de saúde essencial para a população de todo o estado, mas totalmente sucateada e que precisa urgentemente de uma gestão competente antes que a saúde pública em Mato Grosso entre em colapso”, destacou o presidente do CRM-MT, Gabriel Felsky dos Anjos.

 

A vistoria do dia 07 de julho foi feita por uma equipe de conselheiros do CRM-MT e acompanhada pelo promotor público Sergio Silva da Costa, que verificou as condições do Pronto-Socorro de Cuiabá.

 

“É um campo de guerra, sem estrutura e sem pessoal suficiente para um atendimento de qualidade aos pacientes. Esta vistoria vai servir como ferramenta para que o Ministério Público possa exigir que o gestor cumpra a sua obrigação. O Governo do Estado também tem obrigação em aportar recursos para o Pronto-Socorro, pois grande parte dos internados são oriundos do interior”, afirmou.

 

Foi verificado ainda que não há material para atendimento de urgência pediátrica; o setor de infectologia não tem isolamento e climatização adequados; uma sala de cirurgia está interditada; não há material de anestesia para atender todas as salas de cirurgia; a esterilização de materiais não é feita adequadamente.

 

Durante a visita, os representantes do CRM-MT e do Ministério Público conheceram as futuras instalações da Ala Pediátrica e do setor de Isolamento. Contudo, as obras estão atrasadas e não havia nenhuma equipe da construtora contratada trabalhando.

 

“Nada do que consta nesse relatório é novidade. Contudo, o Conselho tem o dever de fiscalizar e cobrar dos gestores competentes soluções para os problemas. Tem o projeto de um novo Pronto-Socorro, mas para daqui dois anos. Enquanto isso, a população não pode continuar a ser penalizada e receber um atendimento precário e sem dignidade, assim como o médico não pode continuar a trabalhar nessas condições”, pontuou Gabriel Felsky.

 

O relatório de fiscalização será encaminhado para o Ministério Público Estadual e Secretarias Estadual e Municipal de Saúde.

 

Presidente do CRM, Gabriel Felsky

Presidente do CRM, Gabriel Felsky

 

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 187.113.47.97 - Responder

    O nosso prefeito se acha o melhor do Brasil,no entanto nós cuiabanos continuamos com a cidade suja,praças destruidas ,não varridas ,transito sem semáforos, novos e instalados nos pontos de conflito ,enfim nada que demonstre um cuidado urbanístico com a cidade.Vejam por exemplo a Praça do Chopaõ,uma vergonha, e os canteiros centrais das avenidas de Cuiabá,principalmente a Lavapés,observem a sujeira permanente,FALTA de gestão e amor a nossa cidade.Pensamos que vinha algo diferente.Mudou para continuar como está ,suja e mal cuidada,AÍ DE TI MINHA CIDADE VERDE!(PELO AMOR DE DEUS MANDEM RETIRAR AS DEFENSAS SUJAS E MAL COLOCADAS ENTRE OS CANTEIROS DA AV. LAVAPÉS!)

  2. - IP 177.64.243.192 - Responder

    Deus me defenda cair nesse pronto socorro .Wilson Santos e Galindo deveriam ter vergonha na cara com aquelas propagandas sobre a reforma do PS

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezoito + um =