Manchetes deveriam destacar que decisão do ministro Og Fernandes, do STJ, não mexeu na matéria de fundo do acordão do TJ-MT e mantém de pé decisão da desembargadora Maria Erotides e da 3ª Câmara Cível sobre “CONDUTA ALTAMENTE REPUGNANTE” de Riva. Na verdade, OG, o ministro-jornalista, só tornou de direito o que Riva já vinha sendo de fato, graças à subserviência do deputado Romoaldo Jr: presidente dos caititus da Assembleia. Mas os jornais amigos e jornalistas amestrados sonham mesmo é com o que entendo que não virá: o registro da candidatura a governador do parlamentar mais processado por corrupção de MT. LEIA DECISÃO DO OG E ACORDÃO DO TJ

Og Fernandes, do STJ, autoriza volta de Riva à presidência da Assembleia de Mato Grosso by Enock Cavalcanti

Acordão da 3ª Câmara Civel do TJMT que condenou Riva et alli por improbidade e cassou seus direitos polític… by Enock Cavalcanti

Maria Erotides, desembargadora do TJ-MT, José Geraldo Riva, deputado estadual em Mato Grosso e Og Fernandes, jornalista e ministro do Superior Tribunal de Justiça

Maria Erotides, desembargadora do TJ-MT, José Geraldo Riva, deputado estadual em Mato Grosso e Og Fernandes, jornalista e ministro do Superior Tribunal de Justiça

A Justiça brasileira parece que não prega prego sem estopa. Enquanto o procurador geral da República, Rodrigo Janot, encaminha ao TSE parecer contrário ao registro da candidatura de Riva ao Governo de Mato Grosso, o ministro-jornalista Geraldo Og Nicéas Marques Fernandes, em decisão monocrática resolveu reconduzir o deputado José Geraldo Riva ao cargo de presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso.

Eu avalio que foi uma decisão redundante do ministro-jornalista, já que o presidente de direito da AL, deputado Romualdo Junior prefere ser, de fato, e antes de qualquer coisa, um caititu político de Riva – e jamais assumiu plenamente a presidência do Legislativo cuiabano desde que Riva fora afastado pela decisão da Terceira Câmara Civel do Tribunal de Justiça de Mato Grosso.

Para ser presidente de fato da Assembleia, Riva nem precisa da Justiça, pois conta com seus caititus sempre fiéis e sempre respeitosos para com seu grande mestre e senhor político.

Mas é claro que os jornais amigos e os jornalistas amestrados já estão trombeteando por aí que essa decisão monocrática é como que um prenúncio de que o TSE estaria por derrubar a decisão do TRE daqui que vetou a candidatura de Riva com base na Lei da Ficha Limpa e decidindo que Riva é ficha suja.

Menos, jornais amigos e jornalistas amestrados, menos.

Mesmo por que a decisão do ministro-jornalista só derruba uma decisões firmadas no Tribunal de Justiça de Mato Grosso afastando Riva da presidência da casa legislativa.

Deve-se considerar, acima de tudo, que o voto da desembargadora Maria Erotides com relação aos mal feitos de Riva (em parceria com Bosaipo, Silval, Fabris, Romoaldo e outros menos votados), como fora denunciado pelo Ministério Público Estadual e, mais particularmente pelos promotores Roberto Turin e Célio Fúrio continua de pé. Continua valendo. O voto da desembargadora Maria Erotides – que descreve detalhadamente e condena a conduta “ALTAMENTE REPUGNANTE” de Riva e Bosaipo, “porquanto a improbidade emanou de Deputados Estaduais, que no exercício da democracia representativa, afastaram-se dos princípios norteadores do Estado Democrático de Direito na tentativa de subverter a vontade do povo em prol de interesse particular’ -, continua, portanto, dando base para a afirmação de que Riva é ‘ficha suja’ e, portanto, não pode ser candidato, conforme votou, em Mato Grosso, o juiz eleitoral e relator do pedido de impugnação formulado pelo MPF e pelo PDT, o juiz Agamenon Moreno.

Ainda não foi dessa vez que a enorme banca de advogados contratada por Riva conseguiu desconstruir aquela decisão primorosa do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, recorrendo a um desses tecnicismo que os advogados de políticos fichas sujas tanto gostam tanto de recorrer.

Será que recorrendo a um tecnicismo desses, os advogados de Riva conseguirão, algum dia,desqualificar a longa e bem embasada decisão da Terceira Câmara Civel do nosso TJ-MT que, acolhendo voto da desembargadora Maria Erotides, mostrou que o deputado José Geraldo Riva (em parceria com Bosaipo e outros 20 e tantos cúmplices denunciados pelo Ministério Público, é bom que se lembre) desviou vultosos recursos públicos dos contribuintes, lançando mão da emissão de dezenas de cheques em favor de empresas criadas para servir de sangradouro do dinheiro público, sob a capa da prestação de serviços de publicidade que nunca existiram?

Eu espero que não. Eu confio na Justiça. Eu acredito que denúncia com provas tão robustas como as apresentadas pelo Ministério Público Estadual e um acordão tão criteriosamente estudado como foi o acordão da Terceira Câmara Civel, onde atuam os desembargadores Maria Erotides, Maria Aparecida e Sebastião Farias, não haverá de tombar inválido diante de um tecnicismo de última hora, sacado por dos advogados desse deputado que o Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso, por unanimidade condenou como ficha suja.

A decisão monocrática do ministro Og Fernandes há de passar à História como um ponto fora da curva. Para contrapor esse meu argumento, só mesmo o meu saudoso amigo Paulo Faria, lá da minha juventude em Nova Iguaçu que, sempre que eu alinhava uma tese que esposava como verdadeira, ele me ironizava: só se não for, não é, Enock?

5 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 201.22.172.15 - Responder

    Caro Enock, gostaria de saber qual é essa sua fixacão no nosso nobre
    Deputado Riva.Voçe sempre o criticando gratuitamente…….!
    Só pode estar faltando ”algo”,para que eu possa entender de fato
    o motivo dessas suas matérias,maquiavélicas………….!
    Afinal,lembre-se sempre que vc, é um mero jornalista polemico,ou melhor dizendo
    blogueiro……………!

  2. - IP 200.103.86.167 - Responder

    Enock, pare de verbalmente agredir os Magistrados que não rezam pela sua cartilha e Endeusar os que sim, isso diminui seu jornalismo. Se me lembro bem, um de seus ídolos na Magistratura até bem pouco tempo era o Julier, que convenhamos, não teve uma boa saída da Toga!

  3. - IP 177.41.90.238 - Responder

    Parabéns Enock pela Matéria, sempre esclarecedora e um conteúdo realista!

  4. - IP 177.41.93.67 - Responder

    LAPADA, LAPADA, LAPADA! ESSA MATÉRIA NÃO VIROU NOTÍCIA. POR QUE SERÁ?

    MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO GARANTE QUE RIVA CONTINUA AFASTADO DA PRESIDENCIA DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA – Apesar da decisão cautelar que suspendeu seu afastamento da presidência da Assembleia Legislativa, o deputado estadual José Riva (PSD) continua impedido de reassumir seu posto à frente da Casa de Leis. A informação de que o deputado Riva já pode reassumir a presidência da Assembleia Legislativa não é verdade. Ele está afastado por quatro decisões já confirmadas pelo Tribunal de Justiça. São quatro processos distintos. Seus advogados conseguiram suspender apenas o afastamento de uma das decisões. Outras três o mantêm afastado

    • - IP 177.201.97.126 - Responder

      Do alto de seus conhecimentos jurídicos, Ceará bate o martelo e decide em definitivo a controvérsia.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dez + 10 =