Lucro do Bradesco, de 8,5 bi, não favorece bancários e clientes

Sindicatos têm apontado que os lucros dos banqueiros não refletem em boas condições de trabalho para os bancários. A política adotada pelos bancos também não tem beneficiado os clientes, pois queda na taxa Selic não é repassada.

Nos primeiros nove meses do ano, o Bradesco registrou o quarto maior lucro contábil da história entre os bancos de capital aberto brasileiro. De janeiro a setembro de 2012, a instituição financeira alcançou lucro de R$ 8,48 bilhões. O dado divulgado nesta segunda-feira (22) revela também lucro praticamente estável na análise do terceiro trimestre, quando o banco teve lucro de R$ 2,893 bilhões.

Na comparação com os balanços anteriores, no período de janeiro a setembro, o maior lucro para o setor foi do Itaú, quando em 2011, ganhou R$ 10,94 bilhões. Apesar dos altos lucros, as representações sindicais têm apontado que os valores não refletem em melhorias nas condições de trabalho.

Durante a 14ª Conferência Nacional dos Bancários, a categoria aprovou a pauta de reivindicações para este ano. Entre as principais exigências estão o reajuste salarial de 10,25%; piso de R$ 2,4 mil; fim da terceirização e da rotatividade; mais contratações e mais segurança nas agências e postos de atendimento; e o fim das metas abusivas.

A política adotada pelos bancos também não tem beneficiado os clientes. Após o anúncio de corte de 0,25% na taxa Selic, realizado no dia 10 outubro, a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) destacou que a tendência de cortes “precisa contagiar os juros praticados pelos bancos, cujas reduções alardeadas têm sido insuficientes para expandir e baratear o crédito para pessoas físicas e jurídicas”.

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

17 − 10 =