(65) 99638-6107

CUIABÁ

Lei e ordem

STF atende à OAB e acaba com doações de empresas para partidos e campanhas. Ministro Gilmar Mendes, que em sessão anterior mostrou-se favorável a manter dinheiro dos empresários na política, já derrotado, pediu vista do processo, interrompendo votação – que está 6 a 1 – e retardando proclamação do resultado. LEIA VOTO DERROTADO DE TEORI ZAVASCKI E VEJA TODA SESSÃO EM VIDEO

Publicados

Lei e ordem

Teori Zavascki vota favoravelmente a doações de empresas by Enock Cavalcanti


Marcos Coelho, advogado e presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil

Marcos Coelho, advogado e presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil


DEMOCRACIA PLENA
STF acaba com doações de empresas para partidos políticos
Por Elton Bezerra
O Supremo Tribunal Federal decidiu, nesta quarta-feira (2/4), que as doações de empresas para partidos políticos e campanhas eleitorais são inconstitucionais. Ao retomar o julgamento, os ministros Marco Aurélio e Ricardo Lewandowski alinharam-se à corrente defendida pelo relator, Luiz Fux, o presidente da corte, Joaquim Barbosa, e os ministros Luis Roberto Barroso e Dias Toffoli, formando uma maioria de 6 votos. Único a votar pela validade das doações de empresas, o ministro Teori Zavascki apresentou seu voto-vista também nesta quarta-feira e abriu a divergência.
O ministro Gilmar Mendes, que na sessão do ano passado mostrou-se favorável ao financiamento empresarial, pediu vista do processo. Assim, o resultado final será conhecido apenas posteriormente, pois ainda faltam quatro votos. Além de Gilmar Mendes, não votaram Rosa Weber, Cármen Lúcia e Celso de Mello. A corte ainda terá de decidir a partir de quando a proibição ficará valendo.
Proposta pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, a Ação Direta de Inconstitucionalidade contesta dispositivos da Lei das Eleições e da Lei dos Partidos Políticos. Além da declaração de inconstitucionalidade, a entidade pede a modulação dos efeitos da decisão para que o Congresso sane as lacunas decorrentes de eventual decisão favorável e também a fixação de um valor máximo de contribuição por pessoa.
Em seu voto, o ministro Marco Aurélio considerou que as contribuições financeiras das empresas barram o exercício de uma democracia plena no país. “Não vivemos uma democracia autêntica mas uma plutocracia, um sistema político no qual o poder é exercido pelo grupo mais rico”, afirmou o ministro, que fez críticas duras ao modelo atual. “O sistema político mostra-se carente de transparência, dependente do dinheiro privado, vazio de ideologia partidária e marcado por um processo eleitoral injusto e corrompido”.
O ministro Ricardo Lewandowski considerou em seu voto o princípio anglo-saxão um homem um voto para derrubar as doações de empresas. “O financiamento privado desatende a determinação expressa do artigo 14, parágrafo 9º, da Constituição, segundo o qual o legislador tem o dever de proteger a normalidade e legitimidade das eleições contra a influência do poder econômico”, afirmou o ministro.
Vencido, o ministro Teori Zavascki também fez críticas ao sistema, mas disse não ver inconstitucionalidade na doação de empresas. “Tanto as doações de pessoas jurídicas e pessoas naturais serão incompatíveis com a constituição se abusivas”, afirmou Zavascki, ao apresentar seu voto-vista. “É preciso ter cuidado para não atribuir a inconstitucionalidade das normas ao seu sistemático descumprimento”, disse o ministro.
Ele questionou o argumento que defende que as empresas não podem doar por não exercerem a cidadania, já que não votam. “A Constituição não faz nem implicitamente essa relação necessária entre capacidade para votar e habilitação para contribuir, até porque há muitas pessoas naturais sem habilitação para votar e nem por isso estão proibidas de contribuir financeiramente para partidos e campanhas”.
———
CONFIRA, NO VIDEO, DEBATES QUE MARCARAM A VOTAÇÃO

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  JANIO DE FREITAS SE ESPANTA - O que dizer da inclusão do dado inverídico, supõe-se que por falta de exame na acusação do relator, ministro Joaquim Barbosa, no julgamento do Mensalão?

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Lei e ordem

Justiça determina que União desloque efetivo para comunidade Yanomami

Publicados

em


A Justiça Federal determinou que a União mantenha efetivo armado, de forma permanente, na comunidade Palimiú, na Terra Indígena Yanomami no estado de Roraima, para evitar novos conflitos e garantir a segurança de seus integrantes.

A Polícia Federal informou que uma equipe de policiais está no local desde ontem (13) cumprindo a decisão, junto a integrantes do Exército e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

O pedido foi feito pelo Ministério Público Federal (MPF) na quarta-feira (12), na Ação Civil Pública ajuizada no ano passado, na qual pediu a total desintrusão de garimpeiros na região. Segundo o MPF, o objetivo é zelar pela segurança da população local e defender possíveis novos ataques por parte de garimpeiros. A decisão e os autos do processo estão sob sigilo.

Na decisão, expedida ontem (13) pela Justiça, foi estabelecido prazo de 24 horas para que a União informasse e comprovasse nos autos o envio de tropa para a comunidade, sob pena de multa. Também foi determinada à Fundação Nacional do Índio (Funai) que auxiliasse as forças de segurança no contato com os indígenas e no gerenciamento das relações interculturais.

Leia Também:  DOCUMENTO HISTÓRICO: Veja aqui, a coletiva de Perri, Vidal e Sebastião Moraes, no dia da posse. "Com PJE implantado, não vamos precisar mais de tantos servidores nas escrivanias", disse Perri

A Funai informou que acompanha, junto às autoridades policiais, a apuração de conflito e que também presta apoio às forças de segurança no local para evitar conflitos e mantém diálogo permanente com a comunidade. “Cumpre ressaltar que o órgão vem mantendo equipes de forma ininterrupta dentro da Terra Indígena, por meio de suas Bases de Proteção Etnoambiental (BAPEs)”, diz a nota.

Histórico

A comunidade Palimiú, localizada no território Yanomami em Roraima, foi alvo de ataque de garimpeiros com armas de fogo na segunda-feira (10). De acordo com informações da Associação Yanomami Hutukara, ao menos cinco pessoas ficaram feridas, sendo quatro garimpeiros e um indígena.

Um relatório assinado por Elayne Rodrigues Maciel, coordenadora da Frente de Proteção Etnoambiental Yanomami e Ye’kuana da Funai, aponta que os indígenas revidaram o ataque e que “não foi possível colher maiores informações sobre o fato, contudo é possível afirmar que este não foi o primeiro conflito naquela região e os indígenas temem novos ataques”.

A Hutukara denunciou que esse é o terceiro ataque em 2021. Na região de Palimiú, as lideranças indígenas já haviam denunciado em abril outro tiroteio por parte de garimpeiros, após a interceptação pelos indígenas de uma carga de quase 990 litros de combustível. Em fevereiro de 2021, a associação chegou a denunciar um conflito na aldeia Helepi, também na região do Rio Uraricoera, envolvendo grupos de garimpeiros armados.

Leia Também:  MPF APRESENTA RELATÓRIO FINAL DA FORÇA TAREFA DA OPERAÇÃO ARARATH: Após dois anos de duração, a força-tarefa do Ministério Público Federal que atuou na Operação Ararath encerrou suas atividades com mais de 17 denúncias e destinação de parte dos recursos recuperados a programas sociais. A operação apurou crimes contra o sistema financeiro nacional e lavagem de dinheiro em Mato Grosso. Nessa terça-feira, 3 de maio, o relatório final do trabalho realizado pela FT foi lido pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, na sessão do Conselho Superior do MPF. A operação indisponibilizou quase meio bilhão de reais durante os 18 meses de trabalho, sendo que parte desse valor vai ser empregada em projeto educacional. Além dos valores indisponibilizados por decisões judiciais, o empresário Gércio Mendonça Junior, que firmou colaboração premiada, já restituiu R$ 8 milhões. Até dezembro de 2016, o colaborador deverá devolver mais R$ 4 milhões. A primeira ação penal proposta pelo grupo resultou na sentença do ex-secretário-chefe da Casa Civil de Mato Grosso Éder Moraes e do ex-superintendente do Bic Banco Luis Carlos Cuzziol, condenados a 69 e 31 anos de reclusão respectivamente. A operação também resultou na instauração de 56 procedimentos extrajudiciais, como rastreamento de bens, apuração de atos de improbidade administrativa e infrações penais.Coordenou a força-tarefa o procurador regional da República Gustavo Velloso. Atuaram no grupo os procuradores Denise Slhessarenko, Ronaldo Queiroz e Vanessa Scarmagnani, da Procuradoria em Mato Grosso, e Rodrigo Prado, da Procuradoria em Minas Gerais

Policiais federais também foram alvo de disparos no local, na terça-feira (11), quando estiveram na comunidade para apurar o ataque dos garimpeiros. No momento em que a equipe estava prestes a embarcar de volta a Boa Vista, uma embarcação de garimpeiros passou no Rio Uraricoera efetuando os disparos. A equipe se abrigou e respondeu a agressão. Não houve registro de atingidos de nenhum dos lados.

Edição: Fernando Fraga

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA