(65) 99638-6107

CUIABÁ

Direito e Torto

OS DOCUMENTOS DA DELAÇÃO DE PEDRO BARUSCO: É impressionante que um sujeito que passou a vida inteira roubando possa agora posar de heroi da mídia, ficar livre, leve e solto, após delatar, sem provas, um partido político. LEIA NA INTEGRA

Publicados

Direito e Torto

Pedro Barusco e João Vaccari. A queimação contra o PT, claro, resultou em mais um panfleto da Editora Abril

Pedro Barusco e João Vaccari. A queimação contra o PT, claro, resultou em mais um panfleto da Editora Abril

Os documentos da delação de Pedro Barusco

7 de fevereiro de 2015 | Miguel do Rosário, no Tijolaço
fotoded82b017164b06b65cc
Organizei, para o leitor, os documentos que contêm a íntegra da delação premiada de Pedro Barusco.
O primeiro documento traz detalhes sobre as cláusulas legais do entendimento entre o Ministério Público e o réu.

Documentos da Delação Premiada de Pedro Barusco – Parte 1 Cláusulas by Enock Cavalcanti


A advogada é a onipresente Beatriz Catta Preta. A mesma que negociou acordos semelhantes para Paulo Roberto Costa e para Julio Camargo. Pode não ser nada, mas não é um bom sinal, porque sinaliza uma ação “combinada”.
O segundo documento traz todas as provas apresentadas pelo réu: tabelas, notebook, folhas com anotações.

Documentos da Delação Premiada de Pedro Barusco – Parte 2 – Auto de Apreensão by Enock Cavalcanti


O terceiro documento passa a ser numerado, é o Termo de Colaboração número 1. É aí que vem as tabelas, entre elas, as que trazem siglas e seus significados, segundo Barusco.

Documentos da Delação Premiada de Pedro Barusco – Parte 3 – Depoimento UM by Enock Cavalcanti


São bem estranhas.
1) My Way refere-se à música de Frank Sinatra, My Way. Corresponde a Renato Duque, ex-diretor de serviços da Petrobrás.
2) Mars corresponde a marshal (marechal em inglês): é usada para João Ferraz. Não explica o porque do nome.
3) Sab é Sabrina, e refere-se a ele mesmo, Pedro Barusco, que tinha uma namorada com esse nome.
4) MZP é Muzamba, e refere-se a Eduardo Musa. Não explica o porque do nome.
5) Por fim, a sigla que provocou a bomba na imprensa: MOCH, de mochila, que correspondia, segundo Barusco, ao tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, porque ele sempre andava de mochila.
Daí seguem os Termos de Colaboração 2,3,4,5,6 e 7.

Leia Também:  Justiça mantém prisão preventiva de Jairinho e Monique Medeiros

Documentos da Delação Premiada de Pedro Barusco – Parte 4 – Depoimento DOIS by Enock Cavalcanti

Documentos da Delação Premiada de Pedro Barusco – Parte 5 – Depoimento TRES by Enock Cavalcanti

Documentos da Delação Premiada de Pedro Barusco – Parte 6 – Depoimento QUATRO by Enock Cavalcanti

Documentos da Delação Premiada de Pedro Barusco – Parte 7 – Depoimento 5 by Enock Cavalcanti

Documentos da Delação Premiada de Pedro Barusco – Parte 8 – Depoimento 6 by Enock Cavalcanti

Documentos da Delação Premiada de Pedro Barusco – Parte 9 – Depoimento 7 by Enock Cavalcanti


No Termo 3, ao final da página 6 e começo da 7, encontra-se a “estimativa” de Pedro Barusco para o total das propinas recebidas por Vaccari:
ScreenHunter_5515 Feb. 07 10.06
 
 
A coisa é bem absurda, porque o PT seria o único partido do mundo a organizar, quase que abertamente, propinas para o partido político enquanto partido. Uma espécie de “apropriação revolucionária”.
Digo quase que abertamente porque Barusco diz, com toda a desenvoltura, que Vaccari recebia “em nome do PT”. Repete isso várias vezes em seu depoimento, como que instigado pelos interrogadores.
Em geral, propinas são destinadas para o enriquecimento ilícito do corrupto, como era o caso de todos os valores denunciados por Barusco, inclusive, e principalmente, para ele mesmo.
Essa é a corrupção “do bem”, uma corrupção privada, conforme explicou um colunista da Globo. A corrupção do PT é “do mal” justamente porque se destina a um partido.
Mas aí não é preciso provas. Basta um delator.
Barusco afirma não saber como o pagamento era feito a Vaccari, nem apresentou nenhuma prova, nenhum documento que contenha qualquer transferência, no exterior ou no Brasil.
Para todas as outras propinas, o réu dá detalhes, sobretudo para as pagas a Renato Duque, seu superior. Barusco diz que recebia propinas em nome de Duque no exterior, e o pagava em cash, dentro da empresa, de 30 a 50 mil por mês.
No termo 3, à página 4, Barusco faz ainda uma revelação intrigante:
 
ScreenHunter_5516 Feb. 07 10.19
Quer dizer, antes das regras que impõem conteúdo nacional, havia, segundo Barusco, uma espécie de “cartel”, e que “toda a iniciativa no mercado nacional era repelida”.
Isso se dá, evidentemente, antes dos governos Lula, que introduziu as regras para conteúdo nacional assim que assumiu. É interessante porque sinaliza duas coisas gravíssimas: 1) o pagamento de propinas de um cartel, para agentes públicos, 2) com objetivo de paralisar o desenvolvimento de qualquer tecnologia nacional.
Outro trecho do depoimento de Barusco que não mereceu destaque nos 20 minutos que o Jornal Nacional dedicou ao assunto fala das origens da corrupção na Petrobrás. Está no Termo 3, à página 2:
1997
 
Observe bem o que diz Barusco: “(…) o pagamento das propinas também perdurou por longos anos, enquanto o declarante ocupou o cargo de Gerente de Tecnologia de Instalações entre 1995 a 2003.”
É impressionante que um sujeito que passou a vida inteira roubando possa agora posar de heroi da mídia, ficar livre, leve e solto, após delatar, sem provas, um partido político.

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
7 Comentários

7 Comments

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Direito e Torto

Magistrados faturam alto no TJ-MT e Ong fala em “corrupção institucionalizada”

Publicados

em

Por

Luis Ferreira, Carlos Alberto e Maria Helena, da cúpula do TJ MT

A reportagem que o jornal O Estado de S.Paulo publica hoje, 20 de janeiro de 2021, sobre o Tribunal de Justiça de Mato Grosso, é o famoso tapa na cara dos cidadãos, eleitores e contribuintes deste Estado.

A revelação do jornalão paulista é que temos um time de 30 desembargadores (em breve serão eleitos mais 9) que vivem à tripa forra, curtindo ganhos astronômicos, às custas dos cofres públicos, sustentados por uma população que, em sua maioria é pobre, semialfabetizada, submetida a uma pobreza constrangedora.

A denúncia vem de São Paulo porque aqui os chamados órgãos de controle parece que fazem ouvidos de mercador para as possíveis patifarias praticadas pelos magistrados, em seu ambiente de trabalho.

Reproduzi a reportagem do Estadão em meu Facebook, e o jornalista Enzo Corazolla veio lá de Alto Paraíso com seu comentário ácido: “O pior é a venda de sentenças, prática habitual. Se gritar pega ladrão…”

Benza Deus. Além dos ganhos nababescos, pelas tabelas oficiais, ainda teríamos um inacreditável ganho por fora que, apesar de muito aventado, não se consegue, com o rolar dos anos, se reprimir.

Espanto. Perplexidade. Raiva. Parece que o patrimonialismo do Estado brasileiro é inescapável, está sempre desabando sobre e nós, e nos cobrando sangue, suor e lágrimas.

Para reforçar os temores do veterano jornalista Corazolla, representantes da Ong Transparência Brasil, ouvidos pelos repórteres do Estadão, cogitam que uma “corrupção institucionalizada” grassaria entre os espertalhões e espertalhonas togadas que atuariam no nosso Tribunal de Justiça.

Como botar em pratos limpos tudo isso, se a Justiça é sempre tão temina, sempre tão inalcançavel?! Os controles de controle, vejam só, não controlam porra nenhuma e, aqui mesmo em Mato Grosso, e nos mesmos espaços de midia nacional, as doutas autoridades do Ministério Público de Mato Grosso já foram deduradas e denunciadas por também engordarem seus ganhos e suas propriedades, com toda sorte de privilégios. Em plena pandemia, que segue matando com destaque os pobres e os filhos dos pobres, promotores e procuradores se divertem com verbas extras para usufluirem da I-phones e seguros de saúde às custas do erário, sempre dilapidado de forma cruel.

Reproduzo, aqui, a matéria do Estadão. E divulgo uma lista com os pretensos ganhos dos desembargadores, em dezembros, que circula pelas redes sociais. E aguardemos novos desdobramentos.

 
LEIA A REPORTAGEM DO JORNAL O ESTADO DE S PAULO: Desembargadores de MT têm extra de até R$ 274 mil – Política – Estadão (estadao.com.br)
 
 

Leia Também:  Turin quer PGR apoiando mais efetivamente os promotores

Lista Com Pretenso Faturamento de Desembargadores Do TJ MT Em Dezembro de 2020 by Enock Cavalcanti on Scribd

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA