(65) 99638-6107

CUIABÁ

Lei e ordem

Justiça suspende assembleia que é parte de privatização da Eletrobras

Publicados

Lei e ordem

O Plantão Judiciário do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro suspendeu a Assembleia Geral de Debenturistas de Furnas, prevista para ser realizada na manhã de hoje (11h). Na reunião, seria discutida a autorização prévia dos titulares da primeira emissão de debêntures de Furnas, decorrente do aumento de capital de Madeira Energia S.A.

Segundo a Eletrobras, a autorização é condição para a realização da oferta pública global de ações da companhia.

Em nota, a Eletrobras informou que está buscando, junto com Furnas, reverter as duas decisões da Justiça que suspenderam a assembleia de debenturistas.

De acordo com o cronograma previsto no processo de privatização, as ações devem começar a ser negociadas na B3 (a antiga Bolsa de Valores de São Paulo), no dia 13 de junho.

Edição: Maria Claudia

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  STF mantém prazo de inelegibilidade da Lei da Ficha Limpa
Propaganda

Lei e ordem

Nunes Marques restabelece direitos políticos de José Roberto Arruda

Publicados

em

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Nunes Marques restabeleceu hoje (5) os direitos políticos do ex-governador do Distrito Federal (DF) José Roberto Arruda. Com a decisão, que é provisória, Arruda poderá se candidatar às eleições de outubro. Ele deve disputar uma cadeira de deputado federal pelo DF. 

A decisão do ministro foi motivada por um recurso da defesa para suspender as condenações proferidas contra o ex-governador por improbidade administrativa até decisão definitiva do STF, que está julgando a questão da constitucionalidade das alterações na Lei de Improbidade Administrativa. 

Os advogados alegaram que o prazo para registro das candidaturas está próximo e não há previsão para término do julgamento, que foi iniciado nesta semana. 

As condenações do ex-governador são decorrentes da Operação Caixa de Pandora, deflagrada em novembro de 2009 contra um esquema de corrupção envolvendo compra de votos na Câmara Legislativa do Distrito Federal e o suposto pagamento de vantagens ao ex-governador.

Até o momento, não há condenação definitiva (transitada em julgado) contra nenhum dos alvos da Caixa de Pandora, que chegou ter cerca de 50 réus, entre políticos, empresários e operadores.

Leia Também:  Depois de denúncia do jornalista Jean Campos, promotor Roberto Turin investiga contratação da gráfica Defanti durante a gestão de Blairo Maggi

Matéria alterada às 21h34 para adequação na manchete.

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC Justiça

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA