(65) 99638-6107

CUIABÁ

Lei e ordem

Juiz Anderson Candiotto, de Diamantino (MT), condena Bayer a pagar R$ 700 mil por danos morais aos produtores Paulo Rossdeutscher e Sônio Blauth devido à ineficácia do inseticida Stratego, contra pragas de lavoura da soja.“Em verdade, o efeito que tal produto deveria ter causado à lavoura, destroçando a ferrugem asiática, ele acabou fazendo na vida dos autores e dos seus familiares, ao dizimar sua vida financeira e causar estragos de ordem patrimonial, emocional e profissional" – disse Candiotto. LEIA A DECISÃO

Publicados

Lei e ordem

Anderson Candiotto condena Bayer a pagar R$ 700 mil por ineficácia do Stratego by Enock Cavalcanti


Anderson-candiotto-juiz-mt que condenou a Bayer em Diamantino MT
Bayer terá de pagar R$ 700 mil de danos morais 
 
A Bayer Cropscience terá de pagar R$ 700 mil de danos morais a dois produtores rurais mato-grossenses (metade para cada um) devido à ineficácia do inseticida Stratego 250 EC contra um tipo de praga que se alastrou na lavoura dos sojicultores.
Além disso, a multinacional terá que pagar os lucros cessantes aos fazendeiros que correspondem ao preço de mercado de 15.700,26 sacas de soja em abril de 2004 no município de Diamantino. A decisão é do juiz Anderson Candiotto.
O agrotóxico é produzido pela Bayer para o combate à ferrugem asiática e promete resultados satisfatórios. Ocorre que o produto frustrou as expectativas dos produtores, que mesmo tendo feito a correta aplicação colheram 28,61 sacas por hectare em vez de 55. A perda total foi de 19.370,26 sacas.
“Em verdade, o efeito que tal produto deveria ter causado à lavoura, destroçando a ferrugem asiática, ele acabou fazendo na vida dos autores e dos seus familiares, ao dizimar sua vida financeira e causar estragos de ordem patrimonial, emocional e profissional, de modo que, de fato, verifica-se que o STRATEGO causou um estrafego!”, diz trecho da decisão.
Ao usar o jargão estrafego, o juiz visa retratar a dimensão dos prejuízos causados à saúde financeira dos respectivos trabalhadores. O termo significa fazer em pedaços, estraçalhar e estrangular.
FONTE TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MT

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Tribunal de Justiça de MT segue voto do desembargador Carlos Alberto da Rocha e manda PT nacional pagar R$ 1 milhão da dívida contraída com o publicitário Rodrigo Piovezan, da Beta Video, durante a campanha de Alexandre César em 2004

Propaganda
2 Comentários

2 Comments

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Lei e ordem

Justiça mantém presa filha acusada de aplicar golpe na mãe milionária

Publicados

em

A Justiça do Rio de Janeiro manteve a prisão temporária de Sabine Coll Boghici, acusada de aplicar um golpe milionário, de mais de R$ 720 milhões, na própria mãe de 82 anos, viúva do colecionador de arte Jean Boghici.   

Na decisão, a juíza Ariadne Villela Lopes, da Central de Custódia de Benfica, em audiência realizada hoje (12) escreveu “que a prisão é válida e não há notícia nos autos acerca de alteração da decisão que determinou a expedição do mandado, sendo vedado ao juízo da Central de Audiência reavaliar o mérito da decisão que decretou a prisão”.  

Outras prisões

Os outros três presos são da mesma família, Rosa Stanesco Nicolau e Jacqueline Stanesco Gouveia – que se apresentavam como videntes – e o filho de Rosa, Gabriel Nicolau Traslavina Hafliger, também passaram por audiências de custódia distintas nesta sexta-feira e também tiveram suas prisões mantidas.  

Durante a audiência, a defesa de Rosa Stanesco informou que está reunindo documentação para reivindicar a revogação da prisão temporária.

Leia Também:  RUMO AO LULA LIVRE - Nem a inquisição executou antes do trânsito em julgado, diz Rosa Weber. LEIA VOTOS

Já defesa de Jacqueline requereu a revogação da prisão, alegando que nada de ilícito foi encontrado com a custodiada e que seu vínculo com os demais presos na operação também não foi comprovado. O pedido foi indeferido pela juíza Mariana Tavares Shu, que esteve à frente da audiência.   

Crime

Policiais civis da Delegacia Especial de Atendimento à Pessoa da Terceira Idade (Deapti) do Rio de Janeiro deflagraram, na quarta-feira (10), a Operação Sol Poente para desarticular uma quadrilha acusada de roubar mais de R$ 720 milhões de uma idosa de 82 anos, entre obras de arte de artistas renomados, joias e transferências bancárias.

As investigações indicaram que o golpe articulado pela filha da vítima começou a ser aplicado em janeiro de 2020, quando a idosa, viúva de um colecionador de arte e marchand, saía de uma agência bancária, em Copacabana, na zona sul da cidade.

De acordo com a Polícia Civil, a senhora foi abordada por uma mulher que se apresentou como vidente e dizia que sua filha estaria doente com expectativa de morte em breve.

Leia Também:  Enquanto Janaina passeia pela Bolívia, procurador Pedro Pouchain pede cassação da deputada do MDB. LEIA DOCS

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC Justiça

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA