(65) 99638-6107

CUIABÁ

Lei e ordem

Ex-deputado condenado pela Lava Jato ganha liberdade condicional

Publicados

Lei e ordem

A Justiça do Rio de Janeiro concedeu liberdade condicional ao ex-deputado estadual Edson Albertassi. Preso em 2017, na Operação Cadeia Velha, um desdobramento da Lava Jato, Albertassi estava em prisão domiciliar desde abril de 2020, por conta da pandemia de covid-19.

Em seu despacho, o juiz Marcelo Rubioli, da Vara de Execuções Penais, determina que o ex-parlamentar se apresente à Justiça a cada dois meses, para assinar boletim de frequência e manter atualizadas informações como endereço e suas atividades.

Edson Albertassi foi condenado a 13 anos de prisão por corrupção passiva e organização criminosa. Na mesma época, também foram presos dois ex-presidentes da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj): Jorge Picciani e Paulo Melo.

As investigações da Lava Jato apontaram a existência de um esquema de corrupção envolvendo a aprovação de projetos na Alerj em troca de propinas.

Edição: Lílian Beraldo

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Se depender dos promotores Célio Fúrio, Roberto Turin e Sérgio Silva da Costa, a transação "escandalosa e criminosa" que teria garantido ao jornalista e ex-deputado Sérgio Ricardo ocupar a vaga de Alencar Soares no Tribunal de Contas de Mato Grosso não ficará impune. Promotores ingressaram com ação na Justiça pedindo o imediato afastamento de Sérgio de suas funções. Para posar hoje de conselheiro, fiscal das contas públicas, Sérgio Ricardo teria pago R$ 4 milhões a Alencar Soares. LEIA AÇÃO
Propaganda

Lei e ordem

TSE assina acordo com Parlasul para observação das eleições

Publicados

em

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Edson Fachin, assinou hoje (1º) um acordo com o Parlamento do Mercosul (Parlasul) para autorizar a participação da entidade na função de observadora das eleições de outubro. É o primeiro acordo de observação para o pleito de 2022. 

Conforme os termos do documento, representantes do Parlasul vão observar o cumprimento das normas eleitorais, das etapas do processo eleitoral e a imparcialidade na organização da eleição. 

O presidente do tribunal, ministro Edson Fachin, disse que o acordo vai garantir aos representantes do Parlasul total independência para visitar os centros de votação, analisar mecanismos de totalização dos votos e liberdade de reunião com autoridades e servidores da Justiça Eleitoral.     

“Abrir as portas da Justiça Eleitoral brasileira para nossos parceiros estrangeiros simboliza nosso compromisso com transparência, com visibilidade, com integridade e com eficiência do processo eleitoral. Não há regime democrático sem instituições que prestem contas e que sejam auditáveis e esse engajamento deve alcançar também a comunidade internacional”, afirmou. 

Leia Também:  Ministro do STF prorroga inquérito sobre live do presidente

O presidente do Parlasul, Tomás Enrique Bittar Navarro, destacou que o Parlasul é um órgão autônomo e independente de representação da população do Mercosul e defende a democracia, a liberdade e a paz na região. 

Navarro informou que, ao final do trabalho de observação, a entidade fará um relatório para contribuir para o processo eleitoral brasileiro. 

“Entre as responsabilidades, se define [no acordo] que o TSE prestará à missão internacional toda a colaboração necessária para o cumprimento de seu mandato. Os integrantes da missão poderão circular por todo o país e terão livre acesso a todos os partidos políticos, candidatos, funcionários do TSE e organizações com fins políticos”, disse. 

Outras entidades também foram convidadas para atuar como observadoras das eleições, entre elas, a Organização dos Estados Americanos (OEA), a Rede Eleitoral da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), a Rede Mundial de Justiça Eleitoral, a Fundação Internacional para Sistemas Eleitorais (Ifes) e a União Interamericana de Organismos Eleitorais (Uniore). Os acordos com as entidades serão os próximos a serem assinados. 

A participação de observadores internacionais nas eleições já foi utilizada em outras eleições no país. Em 2020, uma missão da OEA acompanhou a realização do pleito municipal. 

Leia Também:  ALEXANDRE APRÁ: Juiz Paulo Brescovici interpela ex-prefeito Mauro Mendes e quer explicações sobre acusações

Além de deputados e senadores brasileiros, o Parlasul também é composto por parlamentares da Argentina, Uruguai e Paraguai. 

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Justiça

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA