(65) 99638-6107

CUIABÁ

Lei e ordem

Chacina de Osasco: 10 testemunhas são ouvidas em 2º dia de julgamento

Publicados

Lei e ordem


O segundo dia de julgamento do caso das chacinas de Osasco e de Barueri encerrou por volta das 17h20 de hoje (23) após o depoimento de dez testemunhas. A previsão inicial é de que o julgamento dure cinco dias. Ao final de todo o processo, os sete jurados sorteados para o caso vão julgar se o ex-policial militar Victor Cristilder dos Santos e o guarda civil municipal Sérgio Manhanhã têm participação nas 17 mortes ocorridas nas chacinas de Osasco e de Barueri, no dia 13 de agosto de 2015.

Os dois réus já foram condenados no primeiro julgamento do caso, mas eles recorreram da decisão e solicitaram novo júri, que está ocorrendo agora. 

O segundo dia de julgamento teve início por volta das 10h30 da manhã de hoje, com os depoimentos das testemunhas de acusação. Ao contrário de ontem, os dois réus não puderam acompanhar os depoimentos das quatro testemunhas de acusação ouvidas hoje. Entre elas estavam vítimas da chacina. Os dois réus só voltaram ao plenário quando as testemunhas de defesa começaram a dar seus testemunhos. Ontem (22), seis testemunhas foram ouvidas .

Leia Também:  Riva esperneia no STJ mas perdeu mais uma, em Brasilia. Seus bens continuam bloqueados, por determinação do Superior Tribunal de Justiça, para serem usados, mais adiante, quem sabe, para repor parte do dinheiro que ele é acusado de ter desviado dos cofres da Assembleia Legislativa de Mato Grosso

Tanto a defesa dos réus quanto a acusação, formada pelo Ministério Público e a Defensoria Pública, requisitaram 24 testemunhas durante o julgamento. Até este momento foram ouvidas 16 pessoas. Amanhã (24), o julgamento prossegue com o depoimento de mais oito testemunhas e, provavelmente, com o interrogatório dos dois réus. Só então, acontecem as argumentações da acusação e da defesa, antes dos jurados se reunirem para decidir se condenam ou não os dois réus.

A acusação

As 17 mortes, conforme o Ministério Público, teriam sido uma vingança pelos assassinatos de um policial militar e de um guarda civil, ocorridos dias antes. De acordo com a acusação, os agentes de segurança se reuniram e decidiram fazer uma chacina para vingar as mortes.

Para a acusação, o policial Cristilder, como é mais conhecido, teria combinado com o guarda municipal sobre o início do horário da chacina por meio de mensagens no celular. Além disso, ele teria dirigido um dos carros utilizados na chacina e feito disparos com armas de fogo contra as vítimas. Ele foi acusado por oito mortes e também por tentativa de homicídio.

Leia Também:  Ministério Público Estadual, através da promotora Ana Cristina Bardusco, denuncia Silval, Pedro Nadaf, Marcel Cursi e todo grupo acusado de fraudar concessão de incentivos fiscais do Prodeic em Mato Grosso. LEIA ÍNTEGRA DA DENUNCIA

Histórico

No primeiro julgamento do caso, ocorrido em setembro de 2017, Manhanhã e outros dois ex-policiais militares, Fabrício Emmanuel Eleutério e Thiago Barbosa Henklain, foram condenados pelo crime.

Eleutério foi condenado à pena de 255 anos, 7 meses e 10 dias de prisão. Já Henklain recebeu sentença de 247 anos, 7 meses e 10 dias. O guarda-civil Sérgio Manhanhã foi condenado a 100 anos e 10 meses.

Os dois policiais foram acusados de terem disparado contra as vítimas e respondiam por todas as mortes e tentativas de assassinato. O guarda-civil, segundo a acusação, teria atuado para desviar viaturas dos locais onde os crimes ocorreriam e foi denunciado por 11 mortes.

Já Cristilder foi julgado à parte, em março de 2018. Ele foi acusado por oito mortes e também por tentativa de homicídio. O tribunal do júri condenou o ex-policial a 119 anos, 4 meses e 4 dias em reclusão em regime inicialmente fechado.

Edição: Aline Leal

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Lei e ordem

Juiz nega pedido de prisão de acusado de hackear autoridades

Publicados

em


O juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal de Brasília, negou hoje (25) pedido de prisão de Walter Delgatti, um dos investigados pela invasão dos celulares de diversas autoridades, entre as quais, o ex-juiz Sergio Moro e procuradores da Operacão Lava Jato.

No entanto, o magistrado alertou que a prisão poderá ser decretada caso Delgatti continue a dar entrevistas à imprensa. A prisão foi pedida na semana passada pelo Ministério Público Federal (MPF) após o investigado conceder entrevista a um site na internet. Segundo os procuradores, Delgatti violou a privacidade e o sigilo das pessoas que foram citadas.

Ao analisar o caso, durante audiência nesta tarde, o juiz Ricardo Leite reconheceu que Delgatti estava burlando suas decisões anteriores que impediram a concessão de entrevistas e o acesso à internet, mas não decretou a prisão.

Leite disse que o investigado não pode divulgar o conteúdo das mensagens a que teve acesso ao participar do hackeamento das autoridades. “Ele extrapolou essa questão, falando das mensagens que foram invadidas. Não fica bem e viola o bem jurídico da intimidade, essa questão de dar publicidade”, afirmou.

Leia Também:  Juiz Matheus Borges, de S,Paulo, absolve camelôs por entender que sociedade tolera pirataria. LEIA DECISÃO

A defesa disse que Walter Delgatti não descumpriu nenhuma das cautelares impostas anteriormente pelo juiz e que o acesso à internet foi feito pelo próprio advogado. “As entrevistas não violaram nenhum bem jurídico. O acesso à rede mundial de computadores não foi feito pelo Walter”, declarou a defesa.

Delgatti Neto e outros acusados foram presos na Operação Spoofing, da Polícia Federal, deflagrada em 2019. A investigação apurou a invasão de celulares de autoridades. Segundo as investigações, os acusados invadiram os aparelhos por meio de uma brecha no aplicativo de mensagens Telegram.

Em setembro do ano passado, o juiz Ricardo Leite revogou a prisão dos acusados e a converteu em medidas cautelares, como uso de tornozeleira eletrônica e a “proibição absoluta de acessar endereços eletrônicos pela internet – inclusive com a utilização de smartphones –, redes sociais, aplicativos de mensagens”.
 

Edição: Nádia Franco

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CATEGORIA

CATEGORIA

CATEGORIA

CATEGORIA

MAIS LIDAS DA SEMANA