Juíza Selma Rosane Santos Arruda, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, nega suspeição e continua responsável por inquéritos contra José Geraldo Riva.  Riva, o político mais processado por corrupção em toda a história de Mato Grosso, é acusado pelo Ministério Público de desviar até R$ 62 milhões dos cofres do Legislativo por meio de fraude na aquisição de material gráfico. Riva segue tentando afastar a juiza Selma Arruda do julgamento deste caso (Riva é réu de outras tantas ações já tendo sido caracterizado por jornais como O Globo como o maior ficha suja do Brasil). LEIA EXCEÇÃO DE SUSPEIÇÃO APRESENTADA POR RIVA, DECISÃO DA JUÍZA SELMA E OUTROS DOCS.

Juíza Selma Arruda indefere exceção de suspeição levantada por José Geraldo Riva contra ela by Enock Cavalcanti

José Geraldo Riva pede que juíza Selma Rosane Santos Arruda declare-se suspeita para julgá-lo by Enock Cavalcanti

Riva Assume Compromissos Para o Uso de Tornozeleira Eletrônica by Enock Cavalcanti

Juíza Selma Arruda cumpre decisão do STF e manda soltar José Geraldo Riva by Enock Cavalcanti

Selma Rosane Santos Arruda, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, e o ex-deputado José Geraldo Riva que luta para afastar a magistrada do julgamento do caso que Já o levou à prisão, de onde saiu por causa de empate na votação de ministros do STF

Selma Rosane Santos Arruda, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, e o ex-deputado José Geraldo Riva que luta para afastar a magistrada do julgamento do inquérito conduzido pelo MPE-MT que já o levou à prisão, de onde saiu por causa de empate na votação de ministros do STF

Juíza nega suspeição e continua responsável por inquéritos contra José Riva

A juíza Selma Rosane Santos Arruda, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, rejeitou o pedido da defesa do ex-deputado estadual de Mato Grosso José Riva (PSD) para que se afastasse dos processos em que ele é réu por “flagrante impossibilidade das persecuções penais serem conduzidas com a imparcialidade exigida pelo devido processo legal”.

Ela negou a alegação de suspeição no dia 22 de julho e disse que não existe por parte dela qualquer inimizade em relação a Riva ou desobediência a decisão de instâncias judiciais superiores.

De acordo com a defesa do político, feita pelos advogados Rodrigo de Mudrovitsch, George Andrade Alves e Felipe Fernandes de Carvalho, do Mudrovitsch Advogados, a juíza não tem as condições necessárias para conduzir de forma imparcial e objetiva a ação penal pela qual responde Riva e deveria ser “imediatamente” declarada suspeita para a condução da persecução penal.

Uma das alegações dos advogados é que ela passou por cima de uma decisão do Supremo Tribunal Federal por discordar dela. A 2ª Turma do STF havia concedido Habeas Corpus para Riva responder a um inquérito em liberdade, e a juíza, depois do HC, mandou prendê-lo de novo.

Eles dizem também que ela “possui não apenas sólida relação de inimizade” com Riva, como “também sentimento de repulsa reiterada por sua pessoa”. Os defensores relatam uma série de situações em que a juíza demonstrou comportamento que não é adequado ao exercício da magistratura.

As ações citadas pelos advogados são referentes às operações Imperador e Ventríloquo. Riva é acusado de desviar verba do Legislativo de Mato Grosso por meio de contratos fraudulentos.

COM INFORMAÇÕES DO CONSULTOR JURÍDICO

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

treze + 4 =