Juiz Luiz Fernando Kirche atende João Emanuel e determina retirada de comentário no Facebook sobre a sexualidade do marido de Janaina Riva. Empresário Júlio Neto e jornalista Muvuca insinuaram que genro de Geraldo Riva manteve relações com travesti. Curioso é que Muvuca é conhecido “puxa-saco” de Geraldo Riva

João Emanuel e Janaina Riva tem ganho espaço na política à sombra do deputado Geraldo Riva, pai de Janaina, sogro de João Emanuel e um político que teria sua permanência como um dos principais caciques da política de Mato Grosso ameaçada pelos processos que lhe move o Ministério Público Estadual para apurar rombo financeiro na Assembleia de Mato Grosso

O blogueiro José Marcondes Neto, o Muvuca,  que há anos pontifica na mídia mato-grossense fazendo um intenso lobby em defesa do superprocessado deputado José Geraldo Riva, presidente da Assembléia e cacique do PSD em Mato Grosso, agora se envolveu numa espécie de “briga em família”. Está sendo acusado pela filha de Riva, Janaina Riva e por seu marido, o vereador João Emanuel, que também é do PSD e preside atualmente a Câmara de Cuiabá, de ter se aliado ao filho do deputado federal e ex-governador Júlio Campos, para espalhar boatos sobre a sexualidade do marido de Janaina, sugerindo que João Emanuel é homossexual-,  viado, na linguagem das ruas. Essa é mais uma crise interna no grupo comandado por Geraldo Riva que parece entrar em um processo contínuo de entropia à medida que vai ficando cada vez mais evidente a possibilidade de Geraldo Riva estar vivendo seus últimos momentos como parlamentar estadual, em Mato Grosso, com o avanço do julgamento dos processos que o MPE move contra ele na Justiça. Com o provavel sepultamento da carreira de Riva, quem assumirá o comando? Parece que Muvuca – que já fora escalado para desenvolver campanha de mídia e tentar alvejar o senador Pedro Taques e um dos seus principais apoiadores, o empresário Aldo Locatelli – não concorda com a ascenção de João Emanuel.  Curioso é anotar que o empresário Julio Campos Neto tem um pai, o deputado federal Julio Campos, cacique do DEM, que sempre teve sua sexualidade também muito questionada nos palanques de Mato Grosso. O já falecido ex-deputado federal Gilson de Barros, durante sua atuação como parceiro de Dante de Oliveira nos palanques eleitorais de Mato Grosso, foi um dos que construiu sua carreira detonando com a masculinidade de Julinho.  Um dia historiadores como Alfredo Mota Menezes terão a coragem de documentar esta História. Agora é aguardar pelos desdobramentos. Confira o noticiário. Leia, no final, um dos muitos panegíricos que Muvuca publicou para doirar a pílula em torno de Geraldo Riva. (EC)

 

Júlio Campos Neto (de amarelinho) junto com o pai, o deputado federal Júlio Campos

 

 

Emanuel obtém liminar por “post” sobre sexualidade.
Empresário Júlio Neto e jornalista Muvuca insinuaram que o vereador manteve relações com travesti

LAURA NABUCO
DO MIDIAJUR

O vereador João Emanuel (PSD), presidente da Câmara de Cuiabá, recorreu à Justiça para impedir o empresário Júlio Campos Neto, filho do deputado federal Júlio Campos (DEM), e o jornalista José Marcondes dos Santos, o “Muvuca”, de fazerem qualquer comentário nas redes sociais a respeito de sua sexualidade.

No último dia 4, o juiz Luiz Fernando Voto Kirche, do Sexto Juizado Especial Cível de Cuiabá, deferiu o pedido liminar impetrado pelo parlamentar e ainda estabeleceu multa diária de R$ 1 mil, caso não sejam excluídas as supostas publicações relacionadas “à orientação sexual do reclamante ou qualquer tipo de ofensa jocosa”.

Júlio Neto teria insinuado, em seu perfil no Facebook, que João Emanoel manteve atos libinidonos, ou sexuais, com um travesti, enquanto sua esposa, Janaina Riva, estava em viagem ao exterior. O suposto fato também teria sido explorado pelo jornalista, na mesma rede social, por meio de comentários.

“É visível a existência do fumus boni iuris consistente no direito a imagem e a honra inerente à pessoa, cujo fim, emana da Constituição Federal”

Na ação, o presidente da Câmara requer indenização por danos morais. Ele alega que o empresário e o jornalista “estão tentando passar a imagem de que o requerente (ele) estaria mantendo relação extra conjugal e homossexual”.

João Emanoel sustenta o pleito afirmando que “por ser pessoa pública, está tendo sua imagem fustigada por meio de calúnia e difamação”.

Dano à honra

Ao deferir a liminar, o juiz Kirche afirmou haver verossimilhança entre as alegações do vereador e a documentação (imagens das páginas em que os comentários foram publicados) juntada à inicial do processo.

O magistrado ressaltou ainda “o periculum in mora, consistente nos sérios problemas que o reclamante (João Emanoel) pode sofrer caso tenha que aguardar um provimento judicial definitivo”.

“Ante o exposto, entendo presentes os requisitos para a concessão de provimento acautelatório pleiteado pelo reclamante, uma vez que é visível a existência do fumus boni iuris consistente no direito a imagem e a honra inerente à pessoa, cujo fim, emana da Constituição Federal”, disse o juiz, em trecho da decisão, ressaltando prezar pela liberdade de expressão, desde que tal não infrinja os direitos de outros.

————————

João Emanuel emite nota e diz que foi vítima de “maldade”

O presidente da Câmara de Vereadores de Cuiabá, Joao Emanuel (PSD) emitiu nota se posicionando sobre o episódio em que teve sua sexualidade colocada em xeque pelo filho do deputado federal Júlio Camapos (DEM) e pelo jornalista José Marcondes, conhecido como “Muvuca”. João diz que teve sua moral e honra atacados. Na ocasião ambos acusaram mulher de João, Janaína Riva, de ter flagrado uma relação fora do casamento de J.E.

Confira a nota

“Volto a afirmar que, assim que eu e minha esposa retornamos de viagem aos Estados Unidos, fomos pegos de surpresa com a informação de que se espalhava na internet, devido a uma publicação do Sr. Julio Neto, que minha esposa havia me pego a traindo”, afirmou.

“Fato, na verdade, que nunca aconteceu, uma vez que nunca viajamos separados e que nossa relação é ainda de mais união do que a maioria dos casais. Ressalto ainda que sou casado com uma mulher linda e independente, que não tem motivos para viver um casamento de “mentirinha”. Infelizmente, todos nós estamos sujeitos a comentários maldosos, muitas vezes invejosos, quando nos encontramos em uma fase boa e estável em nossas vidas”, pontuou.

“Assim como eu, muitos são vítimas de calúnias e difamação na internet. Janaina foi uma das pessoas que mais me encorajaram a entrar com essa ação para que sirva de exemplo para aqueles que ferem a vida do próximo sem motivo algum. Faço essa nota com todo meu sentimento pelo fato ocorrido. Uma vez que com tanta preocupações, precisamos perder tempo com práticas desse tipo”, finalizou o presidente da Câmara.

João obteve na semana passada uma liminar que proíbe ambos desafetos a fazer qualquer comentário desta natureza nas redes sociais sobre o casal. O juiz Luiz Fernando Voto Kirche, do Sexto Juizado Especial Cível de Cuiabá, deferiu o pedido liminar impetrado pelo parlamentar e ainda estabeleceu multa diária de R$ 1 mil, caso não sejam excluídas as supostas publicações.

 

fonte MT REPORTER

 

 

—————————

CONFIRA AQUI UM DOS MUITOS ARTIGOS DE MUVUCA EM DEFESA DO SUPERPROCESSADO GERALDO RIVA

José Marcondes Neto, o Muvuca, um blogueiro sempre a serviço de José Geraldo Riva. De repente, ele estaria detonando o genro, escalado como possível sucessor do cacique do PSD

 

A verdade sobre José Riva
José Marcondes Neto (Muvuca)

Diz o ditado: “A primeira impressão, é a que fica”. O deputado José Geraldo Riva foi apresentado à sociedade mato-grossense num contexto conturbado, próximo da Operação Arca de Noé, quando o Ministério Público desbaratou o esquema de poder paralelo comandado pelo ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro. Na ocasião, Riva era o Primeiro Secretário da Assembleia Legislativa de MT, o cargo tinha a prerrogativa de ordenar as despesas da Casa.

Na operação foram apreendidos centenas de cheques, entre eles, constava cheques pagos para fornecedores da AL que, endossados, eram trocados nas factorings cuiabanas. Não só da AL, inúmeros outros fornecedores políticos, empresários, o próprio governo do estado, gente ligada ao judiciário, pessoas comuns, de toda matiz ideológica e social tinham ancoragem em empresas de fomento.

Mas José Riva não era qualquer um, e já dava sinais de que iria ocupar outros cargos de mando. Foi com foco e dedicação que se destacou entre os demais, sendo sondado inclusive para ser candidato ao Senado momentos depois. Com essa ‘ameaça’, aqueles que se interessavam pela vida pública e disputas vindouras, via em Riva um alvo a ser eliminado.

Um levantamento simples, mas talvez inútil em termos de explicação, é demonstrar através dos fatos que os tais mais de cem processos de Riva não passa de uma estratégia arquitetada e muito bem engendrada para aniquilar o homem que ameaçava ser Senador ou futuro Governador.

Para aqueles que se dispõem a fazer o exercício honesto da razão, basta verificar que, o Ministério Público, sob algum questionável viés, desmembrou as notas fiscais referente aos pagamentos efetuados pela Assembleia, abrindo um processo para cada nota fiscal, sendo que, quem as trocou nas factorings foram os empresários e não a AL, que, embora pagos pela instituição, na verdade apenas endossou a empresas fornecedoras a quem devia.

Em outros países, o desmembramento de ações é proibido, mas no Brasil, especialmente em Mato Grosso, tudo é possível fazer, inclusive na justiça. Honestidade houvesse, haveria, sobre o caso, apenas 1 processo Civil e outro Criminal. Mas o feito não seria o mesmo, era preciso dizer que Riva, futuro rival político, fosse demolido em seu nascedouro. Existe mais outros 3 processos contra Riva, muito, mas muito aquém do que a grande maioria dos políticos mato-grossenses e brasileiros respondem. Cerca de 95% dos seus processos, portanto, foram referentes a uma única operação, Arca de Noé, e seu envolvimento era em segundo ou até terceiro plano.

Mas nós estamos no Brasil, em Mato Grosso, e é bem verdade que à partir da redemocratização, a liberdade de expressão permitiu achincalhar políticos, e parece até que as pessoas levam isso como diversão. Embora seja preciso um pouco de discernimento para entender o pano de fundo do que se diz, pois interesses políticos saltam aos olhos e, via de regra, fazem uso dessa liberdade em nome de um ou outro pseudo-salvador.

O MP, neste quesito, entregou a cabeça de José Riva numa bandeja para ser chutada na mídia e redes sociais. Se ele tem culpa, ou não, convenhamos ressaltar a verdade e condená-lo, não por antecipação, mas pelo que de fato cometeu de faltas. Mas neste ponto específico, a questão dos 100 processos não passa de um mito muito bem produzido, arquitetado e profissionalmente alardeado. A verdade precisa ser dita, doa-se seus adversário, mas esta é a realidade.

É incrível, ressalte-se, sua capacidade de suportar as pressões, pancadas, sobrevivendo aos vendavais e mantendo-se firme, de uma maneira nunca antes vista por qualquer político desse estado, tentando vencer o estigma. Acredito, porém, que esta é uma batalha inglória. A esta altura, e com uma remota possibilidade de vir a ser governador, este deputado já foi rasgado ao meio pela opinião pública, ao qual foi apresentado, no esteio de 1997 a 2002, como um vilão. Por isso, acredito que dificilmente atingirá o objetivo.

Picotaram Riva em 20 processos penais e 105 civis, o que era para ser apenas 1 processo civil e outro criminal. E esta senhores, pode ser considerada a mais paradoxal farsa já ocorrida no âmbito político-judiciário de nosso Estado. A pergunta que se faz é, quem seriam os beneficiados com isso, porque teve sim, aqueles que saíram ganhando, e não foi o povo que, catatônico pelas notícias enviesadas, engoliu um comprimido de placebo e contaminou o processo eleitoral com uma discussão onde não se debate o complexo sistema social e sua regulação, e sim a judicialização estigmatizada de um homem.

Para não ficar em meias palavras, um levantamento nosso aponta que todos, exatamente todos estes processos ainda estão em fase de instrução. Existe 4 sentenças no âmbito Civil, duas foram suspensas pelo STJ e outras duas aguardando julgamento de apelação. Outras duas foram suspensas liminarmente. Não há, portanto, nenhuma condenação contra José Geraldo Riva.

Mas mesmo assim, como estratégia midiática daqueles que tremem de medo de enfrentá-lo nas urnas, já tratou de trabalhar pela sua condenação sumária. A primeira impressão, invocada no início deste artigo, foi a que ficou. Lamentável, sob todos os aspectos, sobretudo, no que tange a árdua batalha de um político que já nasceu morto perante a opinião pública.

P.S. Nesta oportunidade aproveito para afirmar, ao contrário do que se pensa, que não faço parte do grupo político de José Riva, por não concordar com determinadas posições, entre elas o acúmulo de poder e fortuna nas mãos de poucos, a ampliação de poder no clã, sua leniência para com os Marajás da AL entre outras coisas. O que, por um lado lhe é interessante, já que o mesmo teme ser visto como alguém que está por trás de mim na guerra travada contra determinado senador. De fato Riva não está por trás, nem ele nem ninguém, luta esta que assumo e suporto as conseqüências de peito aberto.

 

———————

ACESSE PARA ENTENDER O CASO:

http://cacetaocuiabano.blogspot.com.br/2012/11/polemica-cabeluda-em-mato-grosso-filha.html

http://diariodoestado.blogspot.com.br/2012/12/meu-marido-nao-e-gay-parte-iv-site.html

15 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.193.130.225 - Responder

    A Infâmia, o perjurio, são coisas inaceitavéis de qualquer ser humano, e passa ser inegociavél quando são destiladas por dito profissional de imprensa, ou por um homem com poder de perssuadir.
    A Conduta dese dito jornalista muvuca é deploravél ! na sua ensadecida vontade de ser pôlemico, ou contraditório, tem levado esse Senhor a cometer ações tresloucadas na busca por esse espaço. Foi preciso um magistrado recolocar os limites da ofensa, da conduta respeitavél, e dos direitos do livre arbitrío
    Quando esse Senhor pegar um cara que tem o “mesmo tempo dele” e aceitar uma longa briga nuna esfera jurudica , então esse sentira no bolso as asneiras proferidas contra outros.
    O jornalista deve evidenciar, o que é de direito público sendo o salario desse Vereador, suas ações no exercicio da vereança, o zelo, a versão dos recursos públicos, mais não evidenciar sua vida particular, ainda se fosse ! ou é! esse não lhe dá o direito disso essa sua conduta é condenavél.
    Amigo,,, eu tenho 3 filhos fora do casamento,dos meus 6 filhos e já tive envolvido com 8 mulheres simultaneamente, era uma batalha,,, mais isso é ra um problema particular meu.
    Fora isso sou ambidestro falo 3 idiomas, sou polivalente e não tenho ações por ofender nenhuma pessoa, ou coisa assim. Voçe deve andar na lei atendo somente as observações das ações públicas, e no lido da coisa púbica e pertinentes as coisas públicas, sabe porque? no momento que voçe pegar um cara da pá virada, ou do estopim curto, que voçe ofender sua honra ou caluniar, perjuriar com coisas totalmentes impertinentes a que voçe deve cobrir, é muito perigoso! pois para cada ação , há uma reação! este Vereador optou em acionar a justiça, mesmo tendo sua honra pessoal atacada.
    Par que voçe entenda eu conheço muitoa caras com uma diplomacia academica, mais que se atem as coisas públicas, mais no momento que voçe extrapolar esse limite ai esses desçem do coqiero com voçe,e ai fica perigoso, tem gente que é 8 ou 80 ou é muito educado, ou é porra louca.
    Certa vez eu estava num restaurante e uma personagem politico daqui, inclusive meu amigo chegou na mesa de um jornalista , e esse jornalista meio fanfarrão ele chegou na mesa bateu nela e disse na presença da sua namorada, voçe pra mim não é homem , nem pra fuder essa puta gostosa que esta ao seu lado! quer que a foda pra voçe ficar olhando? até porque não sou pançudo igaual a voçe, e tenho penis maior que o seu, ela já me falou isso.da proxima vez que pelo menos lembrar meu nome vou te bater de cinto, e na cara na e frente de quem , e onde voçe estiver. algun dia já te ofendi filho de uma puta? e desferiu um tapa no rosto desse colunista. E não precisava chegar a isso! e porque chegou? porque uma coisa é um jornalista chamar um vereador, um deputado de corrupto, ou imcompentente, u qualquer coisa do genero, outra coisa é eu chamar ele de viado, ou sua filha de uma puta, ou adentrar sua moral , e honra. Isso é inaceitavél até os mais conhecidos e esquentados como o Datena, ou Kajuru, ja disse que não misturam isso. ou não aceita isso.
    E tenho lido o seu Enock, e vejo que tem diferenças com o Riva, ou outros mais, mais são diferenças no lido da coisa nossa, ou públicas, e nisso voçe é amparado na lei! Inclusive vejo que essa diferença quando a parte que voçe cita, ou expoê mais voçe fazendo somente suas ações que são publicas este não deve, e não faz nada, porque é muita diferença eu chegar aqui e dizer assim: O João Emanuel demostra ser um vereador sem zelo com os recursos públicos… outra coisa é eu chegar aqui e dizer o Vereador João Emanuell é homossexual, ou é viado!
    ai não meu! a baixaria tem limites porra! esse Senhor uma hora vai achar um cara com estopim muito curto e ai a cobra fuma.
    Parabens ao magistrado por decidido dessa forma, e estesenhor deve ser advertido sobre até quando seu direito concede, e no limite dele começa o direito do próximo.

    • - IP 177.41.84.6 - Responder

      Fala muito, ninguém lê o seu comentário.

      • - IP 177.203.3.39 - Responder

        Valeu Lucas , esse cara comenta tanto que mais parece um tratado.

  2. - IP 186.213.229.180 - Responder

    Eu pergunto: qual o interesse dos dois reclamados – Júlio Campos Neto e Muvuca Cuiabá – em questionar a sexualidade do nosso eminente vereador e Presidente da Câmara Municipal de Cuiabá, João Emanuel ? Primeiro, que a sexualidade de cada um é um dom inerente à própria personalidade do indivíduo, não se devendo contestá-la a qualquer pretexto, até porque diz respeito somente àquela pessoa. Segundo, porque ao fazê-lo, como no caso em espécie, tem-se a impressão, senão certeza, de que os detratores possuem pretensões outras, nada dignificantes e com o intuito apenas e tão somente de macular a honra, a credibilidade e a integridade moral de uma pessoa, como João Emanuel, que tem-se demonstrado uma pessoa sensata, íntegra e de moral completamente ilibada, imerecedora de ilações que beiram os ilícitos penal e cível, além de outros comandos legais. Aliás, esses indecentes e difamatórios postulados empreendidos pelos reclamados – Júlio Campos Neto e Muvuca Cuiabá – dimensionam perfeitamente o desprezo à democracia e a liberdade de manifestação, exatamente por, ao cultuarem a desídia, a discórdia e agirem com objetivos que nada contribuem para o bem da sociedade, transformando-se apenas em simples, arrogantes e despreziveis “fofoqueiros”, visam somente dilapidar, corroer, indignificar a estatura de um homem de bem, como João Emanuel. Agiu bem, portanto, a Justiça, ao impedir que a baixaria se transforme em noticiário que, ao ofender pessoas, nada contribuem para o engrandecimento e pureza moral de nossa sociedade cuiabana e matogrossense.

    • - IP 177.41.84.6 - Responder

      Fala muito. Não perdi e provavelmente ninguém perderá tempo lendo o seu comentário.

  3. - IP 187.54.112.165 - Responder

    O cara que troca uma loira dessa por um travexo, tem mais é que morrer

  4. - IP 187.69.119.37 - Responder

    GRANDE, COMO ELE ERA GRANDE: É assim que esse combativo, corajoso e sempre polemico militante do jornalismo independente em Mato Grosso, Enock Cavalcante, costuma lembrar dos homens públicos que em vida, prestaram relevantes serviços ao nosso Estado. E um desses é o meu saudoso amigo Gilson de Barros. Daí Enock, porque não posso concordar quando você diz que: “O já falecido ex-deputado federal Gilson de Barros, durante sua atuação como parceiro de Dante de Oliveira nos palanques eleitorais de Mato Grosso, foi um dos que construiu sua carreira detonando com a masculinidade de Julinho”. Isso, em absoluto, não é verdade. Não podemos apequenar a esse tamanho o papel que Gilson e Dante, em um determinado momento histórico, exerceram com maestria. Tanto Gilson como o Dante de Oliveira, na década de setenta e oitenta, se credenciaram e consolidara suas imagens de credibilidade para a opinião publica foi combatendo a ditadura militar, defendendo os sem tetos, os sem terras, os injustiçados os pobres. Eles foram GRANDES, questionado as mazelas sociais e não a masculinidade de quem quer que seja.

  5. - IP 201.2.20.29 - Responder

    Eu acho que o Daniel Cunha Paes, que fez esse comentário acima e ativista…..

    • - IP 177.193.130.225 - Responder

      O Mentecapto se quer tirar a prova? me mostre seu marmitex, que eu traço ele,! aliáis sou perito nisso!
      Sou casado e bem resolvido amigo agora tenho um grande problema sou mulherengo mesmo ! Tenho 7 mulheres fora de meu casamento, sendo que 2 são casadas. e twnho 6 filhos e não transo drogas, e nem viados.
      Sou extremamente contra pessoas que detratam, caluniadores, ou que acusamv sem sem terem provas.
      Faça um desafio me apresente seu marmitex, pode ser que não de valor ou não goste!
      O resto é comigo…
      Tem outra o bicha enrustida, sou contra a pratica da viadagem, ao ponto que se voçe me disser que é um viado! jão não quero mais seu marmitex…
      E outra coisa coicidencia tive uma mulher casada com corno, que chamava Maria Dinah como essa me dava gostoso, ai ela largou do seu marido porque achava que o rafinha seu filo, era meu filho.
      ´voçe Dinah?

  6. - IP 189.31.23.208 - Responder

    Quero mais é que seja mesmo , mas se for ou não , MT ganhará se esse cidadão , seu sogro, sua filha , seus cachorros , gatos , patos , escravos da fazenda e tudo mais de ruim que vem dessa gente desaparecer.

  7. - IP 201.3.35.120 - Responder

    Eu entendo que é irrelevante um discussão sobre a sexualidade de quem quer que seja, num momento em que há um grande movimento, de ordem mundial, contra a exclusão social de qualquer ser humano…homo ou heterossexual lebrdade é para isso, poder optar…. importante é a pessoa ser feliz…com pessoas felizes há menos violencia, mais paz no mundo, dignidade, fraternidade… enfim, a vida, que é um sopro…fica muito melhor.

  8. - IP 186.252.46.18 - Responder

    É deputado riva acho melhor você orientar mais seu genro e sua filia, pois jogando coisas imitmas na Midia!!? Se noção mesmo pois publicou no site da capital a baixaria e depois ainda faz uma nota!!? Pra que tanta explicação!!? Se não heim só pela foto e com essa camisetinha xadrez azul celeste com certeza brilha mais que uma estrela!!

  9. - IP 177.41.90.7 - Responder

    Hummm… faz a sombrancelha?
    Sei não – mas acho que tá tudo explicado!

  10. - IP 177.193.143.77 - Responder

    Essa foto é recente? O Riva tá paracendo um sapo, mas a sua filhinha……..

  11. - IP 177.65.147.57 - Responder

    ONDE HÁ FUMAÇA. HÁ FOGO.
    ELES SE CONHECEM.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

13 − oito =