Juiz de Sinop, acusado de vender sentença, pode ser afastado

Paulo Martini é juiz na comarca de Sinop, MT

MPE pede afastamento de juiz; Cury analisa
Antonielle Costa

O Ministério Público Estadual (MPE) de Mato Grosso ingressou com um pedido de afastamento do juiz Paulo Martin (foto)i, de Sinop (Norte do Estado). O requerimento foi protocolado na Ação Penal que o magistrado responde no Tribunal de Justiça, por suposta prática de venda de sentenças. O caso está sob relatoria do desembargador Tadeu Cury, que nos próximos dias deve decidir se aceita ou não o afastamento.

De acordo com uma fonte do Mato Grosso Notícias, o pedido se deu após a presidente da subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Sinop, Soraide Castro, denunciar que recebeu flores junto com um bilhete supostamente assinado por Martini, com ameaças veladas. A representante da OAB vinha se posicionando contra as atitudes do juiz e em favor dos advogados.

Martini foi denunciado pelo MPE, por corrupção passiva e a denúncia foi acatada por unanimidade em janeiro do ano passado pelo TJ. Desde então, ele tenta protelar o julgamento do caso, com vários recursos – protocolados inclusive no Superior Tribunal de Justiça (STJ), mas nunca foram acatados.

Segundo a denúncia, em 9 de janeiro de 2004, o juiz teria solicitado ao advogado C S L (patrono da ação de busca e apreensão n.º 01/2004), um trator da marca CBT no valor aproximado de R$ 30 mil para conceder a liminar no referido feito processual. O pedido fora feito no interior de seu gabinete, utilizando de sua função de juiz titular.

Logo após a publicação da decisão do recebimento da denúncia, Martini a questionou por meio de embargos de declaração, que por sua vez foi negado.

Em seguida, a defesa do magistrado entrou com novo recurso solicitando a anulação do recebimento da denúncia, alegando que a decisão do TJ não teria analisado as teses defensivas quanto à ausência de justa causa para a deflagração da ação penal, bem como que não teria fundamentado devidamente o recebimento.

O pedido foi negado e a defesa interpôs um novo recurso (agravo de instrumento) no TJ, que também foi negado. Em seguida ingressou com a medida cautelar no STJ, visando atribuir efeito suspensivo ao recurso, tendo novamente o pedido negado pelo ministro Jorge Mussi.

Contra a decisão do ministro, a defesa ingressou com novo recurso (agravo de instrumento), que por sua vez foi negado pela Quinta Turma do STJ.

A interposição dos recursos tem retardado o andamento da ação penal.

FONTE MATO GROSSO NOTICIAS

Categorias:Cidadania

3 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 201.15.103.178 - Responder

    É FÁCIL, É SÓ NÃO DAR EFEITO SUSPENSIVO AOS AGRAVOS. INCRÍVEL É QUE OS FATOS CONSTANTES DA MATÉRIA SE DERAM, INICIALMENTE HÁ QUASI UMA DÉCADA E O TJ-MT AINDA NÃO INSTRUIU O PROCESSO ADMINISTRATIVO. SERÁ QUE DESSA FORMA PODE SE AFIRMAR TRATAR-SE DE CORPORATIVISMO? SERÁ?, OU É TÃO SOMENTE RESPEITO AO DEVIDO PROCESSO LEGAL. SERÁ?. O QUE SERÁ?. OS ENTENDIDOS E SÁBIOS SABEM. SE FOR VERDADE QUE EM 2004 O MAGISTRADO EM COMENTO VENDEU SENTENÇA, QUE DIRÁ NOS DIAS ATUAIS. O CNJ ESTÁ A POSTOS PARA AGIR, AINDA QUE TARDIAMENTE. QUE JUSTIÇA SEJA FEITA. “QUEM VIVER VERÁ”.

  2. - IP 177.17.202.120 - Responder

    Esse juiz é o maior caso de venda de sentença descarada do Brasil… até os cachorros de Sinop sabem disso… Mas infelizmente o TJMT não fica muito atrás, por isso o processo não anda…

  3. - IP 189.74.77.154 - Responder

    E os processos no MT não andam nas mãos de qualquer juíz. A justiça do MT está devagar quase parando…

Deixe uma resposta para Henrique Mattos    ( cancelar resposta )

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

cinco + treze =