JOSÉ ORLANDO MURARO: A falência do Poder Público em Mato Grosso, aplastado por inúmeras denúncias de corrupção, prisões e confrontos entre promotores Federais, promotores estaduais, juízes acusados de vendas de sentenças, deputados e vereadores, já se faz sentir no sistema prisional, da forma mais cruel e autoritária, resultando em mortes nada esclarecidas de presos e presas no Presídio Paschoal Ramos e no Presídio feminino Ana Maria do Couto.

Juiz Jefferson Schneider recebe denuncia contra Éder Morais, Vivaldo et alli by Enock Cavalcanti

Juiz Jefferson Schneider acaba com sigilo no inquérito da Operação Ararath by Enock Cavalcanti

JOSE ORLANDO MURARO SILVA é advogado radicado em Chapada dos Guimarães, Mato Grosso

JOSE ORLANDO MURARO SILVA é advogado radicado em Chapada dos Guimarães, Mato Grosso

Os reflexos cruéis da falência ética e moral das autoridades públicas de Mato Grosso

POR JOSÉ ORLANDO MURARO

A falência do Poder Público em Mato Grosso, aplastado por inúmeras denúncias de corrupção, prisões e confrontos entre promotores Federais, promotores estaduais, juízes acusados de vendas de sentenças, deputados e vereadores, já se faz sentir no sistema prisional, da forma mais cruel e autoritária, resultando em mortes nada esclarecidas de presos e presas no Presídio Paschoal Ramos e no Presídio feminino Ana Maria do Couto.

Nesta semana, na madrugada de segunda-feira, às 4 horas, os agentes penitenciários retiraram as cerca de 300 presas das celas, e as juntaram na quadra, naquele frio desgraçado. As presas ficaram até as 19:45 hs de segunda feira no tempo, no frio e na fina garoa que caiu naquela tarde. Quando foram empurradas de volta às celas, descobriram que os agentes penitenciários haviam retirados tudo de dentro dos cubículos, e mais uma noite de frio, sem qualquer tipo de cobertas. Notícias dão conta que uma presa, Aparecida Rodrigues morreu CARBONIZADA, mas nada saiu na imprensa.

No Presídio central, o Paschoal Ramos, na madrugada de quinta-feira, à 1 h da madrugada o preso Cleibson Souza Santos, de 25 anos, começou a passar mal. Estava diagnosticado com tuberculose. Às 2 da madrugada começou a vomitar sangue. Com o pampeiro dos presos do Raio 3, os agentes penitenciários apareceram, com toda a brutalidade usual. Usaram o spray de pimenta com o doente sufocado pelo próprio sangue. Retiraram o preso e o deixaram jogado no chão, e barraram a entrada do SAMU no presídio. O preso foi a óbito e a pancadaria foi geral, com uso de spray de pimenta em cubículos fechados e superlotados .

A falência ética e moral do Poder Público em Mato Grosso, com os desdobramentos da Operação Ararath, faz se sentir em todos os níveis da administração pública. Hospitais e prontos-socorros no abandono, servidores vagando pelos corredores, sem ter a quem prestar contas…. e dane-se a população….

A única instituição que ainda não sentiu os reflexos da bandalheira, até o momento, foi a Polícia Militar, que se mantém íntegra, baseada na disciplina e hierarquia que são as bases da corporação.

Mas, na ponta do sistema público, a coisa vai de mal a pior. E tende a piorar mais ainda, como efeito colateral das denúncias contra as denominadas autoridades do Estado de Mato Grosso.

E no sistema prisional, a coisa toda atinge nuances de sadismo, beirando a criminalidade . O sistema toda entrou em falência. Na janta já estão servindo cachorro-quente, eis que o Governo do Estado não tem honrado com o pagamento das empresas fornecedoras.

Os agentes prisionais dão vazão à toda a violência contra aqueles que estão sob a “proteção “do Poder Público. Sabem que as mortes que DIARIAMENTE estão acontecendo nos dois presídios não serão investigadas. No caos em que se encontra a Administração Estadual, podem matar, torturar e aprontar o que quiserem: nada lhes acontecerá. As autoridades do Estado são tão criminosas como qualquer ladrão de galinha….

Não sou advogado criminalista. Sou agrarista. Mas já estive preso, em uma época em que “liberdade é uma palavra/ que se escreve nos muros/ nas noites escuras do meu País”. ( Thiago Mello). As noites eram longas e muito doloridas…

Lutamos tanto por uma Constituição democrática, por liberdades e direitos. Lembro-me de ver pela televisão, o deputado Ulisses Guimarães, alquebrado pela idade, levantar aquele livrinho verde-amarelo e dizer ”- Está promulgada a Constituição Cidadã deste País”.

A falência ética e moral dos administradores do Estado de Mato Grosso está tendo reflexos perversos em todo o sistema público. E deve piorar, muito. Até quando?

Jose Orlando Muraro Silva é advogado em Mato Grosso

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.193.133.96 - Responder

    parabens ao doutor muraro pelo seu olhar humano direcionado aos presidios, em um momento em que toda a nossa sociedade está boquiaberta com o nivel de degradação a que chegaram os poderes constituidos neste estado. até o pessoal do mp, pelo que se vê, achou um jeito de meter a mão

Deixe uma resposta para silvia maria    ( cancelar resposta )

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezoito − 18 =