JOSÉ ANTONIO LEMOS: A maior vitória da semana foi do glorioso Corpo de Bombeiros de Mato Grosso por sua imediata e eficaz presença no incêndio no subsolo da Arena Pantanal, sexta-feira passada à tarde, que poderia ter se propagado de forma grave. A participação dos Bombeiros de Mato Grosso foi noticiada, mas ainda não suficientemente exaltada pela presteza e competência de sua ação.

O urbanista José Antonio Lemos exalta a ação dos Bombeiros - atualmente comandados em Mato Grosso pelo coronel BM Aderson José Barbosa - diante do incêndio que ameaçou a estrutura da Arena Pantanal.  "O sinistro foi melhor que um teste programado de segurança e serviu para mostrar que ao menos nessa área a Copa do Pantanal está em mãos muito boas e preparadas" - escreve Lemos

O urbanista José Antonio Lemos exalta a ação dos Bombeiros – atualmente comandados em Mato Grosso pelo coronel BM Aderson José Barbosa – diante do incêndio que ameaçou a estrutura da Arena Pantanal. “O sinistro foi melhor que um teste programado de segurança e serviu para mostrar que ao menos nessa área a Copa do Pantanal está em mãos muito boas e preparadas” – escreve Lemos

Bombeiros, bom-senso e Luverdense

por JOSÉ ANTONIO LEMOS

 

Apesar de tudo a Copa do Pantanal avança superando as imensas dificuldades do grande desafio, tanto as dificuldades normais de uma empreitada como essa, como aquelas que parecem plantadas por interesses que até hoje não aceitam Cuiabá como uma das sedes da Copa 2014. Na construção da Copa e de seu grande legado, Cuiabá e Mato Grosso vencem um leão por dia e, mesmo assim, nesta semana saiu a lista das primeiras 12 obras a serem inauguradas até novembro, obras significativas e necessárias que não seriam viabilizadas nem em décadas, tais como os viadutos do Despraiado e da UFMT, a duplicação da ponte Mário Andreazza ou a ponte do São Gonçalo, entre as outras.

Mas a maior vitória da semana foi do glorioso Corpo de Bombeiros de Mato Grosso por sua imediata e eficaz presença no incêndio no subsolo da Arena Pantanal, sexta-feira passada à tarde, que poderia ter se propagado de forma grave caso não fosse combatido de forma quase instantânea. De estranhar no início do sinistro as centenas de comentários de leitores felizes nos sites nacionais, alguns daqui, festejando o incêndio como o ponto final da Copa em Cuiabá, uma legítima pretensão mato-grossense e cuiabana, como seria de qualquer outra cidade brasileira. Mas logo apareceram nossos bombeiros e a brigada de incêndio da obra debelando rápido o fogo, num show de competência técnica. Moro perto da Arena e ainda naquela tarde passei por lá e não vi sequer sinal de fumaça. Não sou de me deter em coisas negativas, mas esse fogo me deixou com uma pulga atrás da orelha.

A participação dos Bombeiros de Mato Grosso foi noticiada, mas ainda não suficientemente exaltada pela presteza e competência de sua ação. O sinistro foi melhor que um teste programado de segurança e serviu para mostrar que ao menos nessa área a Copa do Pantanal está em mãos muito boas e preparadas. Sou do tempo em que em um chamado emergencial como esse o normal era – a contragosto da corporação – encontrar os caminhões estragados ou sem combustível, sem pneus, telefone cortado e coisas desse tipo. Muita gente por aí achava que isso ia acontecer, mas aconteceu o contrário. Na Alemanha teria sido melhor, dirá alguém. Mas, aqui no Brasil duvido que todas essas cidades proclamadas mais merecedoras da Copa do que Cuiabá disponham de um serviço com tal confiabilidade nessa área, demonstrando a que ponto de qualidade pode chegar o serviço público, justamente homenageado ontem no Dia do Servidor Público. Que a Copa seja também uma oportunidade concreta de aprimoramento e promoção da importante e sofrida figura do Servidor Público em nossa cidade e nosso país.

Outro viva! Desta vez à vitória do bom-senso no episódio das cadeiras da Arena, uma armadilha grosseira montada através da comparação entre preços de 2 produtos de qualidades diferentes. De novo Mato Grosso surpreende resgatando o bom-senso, raramente presente nas decisões públicas em nosso país, ao revalidar o resultado da primeira licitação. Seria um absurdo por causa de uma falácia colocar em risco a mais compacta, mais barata e ainda assim a mais bela e premiada de todas as arenas da Copa, a 2 meses do prazo acertado com a FIFA como condição para a realização da Copa do Pantanal.

Por fim, mas não menos importante, viva o Luverdense pela vitória de domingo contra o Caxias ascendendo à série C do campeonato brasileiro e recolocando o futebol de Mato Grosso na elite do mais querido esporte no Brasil, posição relevante para um estado que conquistou e vem construindo com muito empenho a Copa do Pantanal.

*JOSÉ ANTONIO LEMOS DOS SANTOS, arquiteto e urbanista, é professor universitário

Categorias:Beleza Pura

3 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.59.54.91 - Responder

    Que artiguinho mais xôxo e inócuo.Pelo amor de Deus só escrevam quando estiverem inspirados.Elogiar bombeiros apagando fogo em ISOPOR; é demais!

  2. - IP 177.193.164.168 - Responder

    muito bem lembrado. o trabalho desenvolvido pelo corpo de bombeiros, em mato grosso, é um trabalho exemplar e deve mesmo ser ressaltado. não é à toa que é instituição mais respeitada e aplaudida pela população. deveria ter sua estrutura ampliada em todo o mato grosso. alguém precisa alertar o governador silval para esta urgente necessidade.

  3. - IP 189.10.99.202 - Responder

    Realmente faz muitos anos que não temos um representante na série B, o último foi a exatos 20 anos (1993), quando o Galinho da Serra (BARRA DO GARÇAS FUTEBOL CLUBE) conseguiu o acesso, disputando o certame nacional até 1996, quando abandonou a competição devido ao fraco futebol matogrossense, principalmente proveniente da gestão pífia frente a FMF, que diga-se de passagem, se perpetua até os dias atuais; Aliás, é bom lembrar que em 1993 a exemplo de 2013 nada mudou e, que tanto o B.G.F.C quanto o L.E.C só subiram por conta de seus presidentes, no primeiro o saudoso “OSVALDO SOLER” e no LEC o Helmuth, ambos tirando do suor pra fazer futebol em MT. É lamentável, pois série B requer muito mais estrutura e planejamento e, se o L.E.C não for ajudado, o Helmuth não conseguirá manter nosso reprsentante por muito tempo na 2.ª Divisão, tanto é que equipes tradicionais tem despencado constantemente nas séries B, C e D;

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

4 × três =