JORNALISTA LEANDRO FORTES: “É necessário criar uma alternativa à mídia que aí está, porque senão não conseguiremos realmente nos comunicar com quem precisa da informação verdadeira e não da informação mentirosa que é disseminada pela mídia tradicional. A mídia tem um discurso único, um pensamento único muito ligado à direita brasileira que faz a defesa básica de dois grandes pilares da elite nacional que é o grande capital rentista e o latifúndio. O que nós queremos é uma comunicação popular, uma comunicação voltada para os interesses populares”

Leandro Fortes discorreu sobre o fenômeno das redes sociais, em seminário promovido pelo PT no Hotel Fazenda Mato Grosso. Fotos Hegla Oleiniczak

Leandro Fortes discorreu sobre o fenômeno das redes sociais, em seminário promovido pelo PT no Hotel Fazenda Mato Grosso. Fotos Hegla Oleiniczak

Leandro Fortes, jornalista, blogueiro, professor universitário na área da Comunicação, passou por Cuiabá em junho. Fortes, que já foi um dos principais repórteres da revista CArtaCapital, esteve em Cuiabá para conversar com militantes do PT sobre o fenômeno das redes sociais. Ele veio como um dos responsáveis, atualmente, pela edição de tudo que o Partido dos Trabalhadores e a presidenta Dilma divulgam na internet. Na ocasião, conversou com a PAGINA DO E, entrevista que, devido a problemas técnicos, só divulgo agora. Fortes deu uns pitacos sobre a experiência que vem desenvolvendo ao lado do vice-presidente do PT, Alberto Cantalice, rodando por mais de 12 capitais brasileiras, incentivando uma intervenção melhor articulada da militância petista nesse espaço de comunicação revolucionário que é a grande rede mundial de computadores.

PAGINA DO E – Qual a mensagem que você está trazendo hoje aqui, para Cuiabá, para Mato Grosso?

LEANDRO FORTES – A mensagem primordial é a de que nós temos que nos preparar para trabalhar em comunicação em rede, porque nós chegamos a um ponto tal no domínio da comunicação no Brasil que, praticamente, não há mais espaços públicos pra debate dentro da mídia tradicional. Então, nós temos que criar a nossa própria mídia, criar a nossa comunicação em rede. É necessário criar uma alternativa à mídia que aí está, porque senão nós não conseguiremos realmente nos comunicar com quem precisa da informação verdadeira, da informação que não é manipulada e não é a informação mentirosa que é disseminada pela mídia tradicional.

PAGINA DO E – Eu, Enock Cavalcanti, que tenho esse blogue aqui em Mato Grosso e sei da força que a internet representa, às vezes eu fico meio angustiado porque eu acho que há poucos blogueiros, aqui e pelo Brasil afora. Mato Grosso tem um fenômeno, é um Estado que tem muitos sites, muita presença do jornalismo na internet, mas a opinião ainda é uma coisa rara. A gente vai, por exemplo, em Brasília, é constata o domínio do Correio Brasiliense em termos até de internet, tem pouca coisa nova aparecendo por lá, que fuja do controle da grande mídia. O que você acha? Como mudar essa situação?

LEANDRO FORTES – O domínio na internet é muito relativo, o fato das grandes empresas de mídia terem feito a transposição da sua narrativa pra internet, não significa que eles tenham dominado o ambiente. Na verdade esse ambiente hoje é o ambiente das redes sociais, os blogues estão cada vez mais agregados nas redes sociais. O que nós temos que fazer pra estimular essa comunicação é fazer essa comunicação cada vez mais disseminada, é você demonstrar pras pessoas que é mais importante hoje elas se colocarem em rede do que ficarem frequentando apenas o que a mídia fala. A mídia tem um discurso único, um pensamento único muito ligado à direita brasileira que faz a defesa básica de dois grandes pilares da elite nacional que é o grande capital rentista e o latifúndio e esses dois pilares não nos interessam. O que nós queremos é uma comunicação popular, uma comunicação voltada para os interesses populares. Por isso que os blogues, assim como as redes sociais, tem que se transformar, no nosso campo, numa grande central de argumentos, um lugar onde as pessoas frequentam pra ter uma informação verdadeira e que possam compreender aquilo que tá sendo feito de forma manipulada do outro lado. Quando elas começarem a ter essa percepção, aí sim elas vão ter a capacidade de fazer parte dessa comunicação. Mas isso é uma construção, uma construção que leva tempo e dá trabalho. Cada blogue tem a sua função comunicativa, os blogues detonaram de certa forma a intermediação exclusiva que havia da mídia com o público, hoje nós temos essa interferência, quanto mais profissional for essa interferência, melhor vai ser na comunicação.

Confira, no vídeo, a íntegra da conversa de Enock Cavalcanti com Leandro Fortes.

Leandro Fortes conversa com Enock Cavalcanti, em sua visita a Cuiabá. Ele já fez seminários sobre as redes sociais em mais de 12 capitais brasileiras

Leandro Fortes conversa com Enock Cavalcanti, em sua visita a Cuiabá. Ele já fez seminários sobre as redes sociais em mais de 12 capitais brasileiras

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.41.91.148 - Responder

    Que opinião isenta,sensata,desprovida de tendências.Enock,vce se superou desta vez,uma entrevista sentado na praça,só faltou o chopinho do PT.Se é que não teve!

  2. - IP 189.87.159.130 - Responder

    Esse discurso me faz lembrar os tempos de militância no movimento estudantil, antes da queda da URSS, da derrubada do muro de berlim e da falência do regime cubano e do totalitarismo socialista em geral, é quase como uma viagem no tempo. Os problemas nossos de cada dia são outros, mas alguns insistem em ministrar os mesmos remédios que comprovadamente são ineficientes.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

três + 15 =