(65) 99638-6107

CUIABÁ

Direito e Torto

TRAIR E COÇAR, É SÓ COMEÇAR: Nilson Leitão afirma que, nas reuniões dos partidos de Oposição, atualmente composta pelo PDT, PSDB, DEM, PPS, PV e PSB, e praticamente fechada com o SDD, nunca houve discussão no sentido de trazer o PR ao grupo. O próprio Pedro Taques, segundo Leitão, não comenta tal hipótese. Os irmãos democratas, Jayme e Júlio Campos também têm criticado duramente o PR, dizendo que os republicanos 'almoçam com a base e jantam com a oposição'.

Publicados

Direito e Torto

A iniciativa do prefeito Mauro Mendes de atrair o PR - que já controlou 7 secretarias diferentes no governo de Silval Barbosa - pode contaminar a chapa de Oposição, na avaliação do líder do PSDB em Mato Grosso, deputado Nilson Leitão

A iniciativa do prefeito Mauro Mendes de atrair o PR – que já controlou 7 secretarias diferentes no governo de Silval Barbosa – pode contaminar a chapa de Oposição, na avaliação do líder do PSDB em Mato Grosso, deputado Nilson Leitão


OPOSIÇÃO

Ter PR é vontade isolada de Mendes, afirma Leitão

Lis Ramalho, repórter do Gazeta Digital

 

Os partidos de oposição ao governo de Mato Grosso não estão contentes com a possível aproximação do PR ao grupo. A maior crítica gira em torno do fato de os republicanos serem da base governista, tendo 7 Secretarias na gestão Silval Barbosa (PMDB). Democratas e tucanos, aliados do pré-candidato ao Palácio Paiaguás, senador Pedro Taques (PDT), criticam a aproximação, ressaltando que a iniciativa é fruto de uma vontade isolada do prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes (PSB).
O presidente regional do PSDB, deputado federal Nilson Leitão, disse que desde fevereiro o socialista vem mantendo os diálogos com os deputados estaduais e o presidente do PR, deputado federal, Wellington Fagundes, que pretende emplacar sua candidatura ao Senado. Mendes quer reeditar a parceria ocorrida em 2012 com o PR, que resultou na vitória do socialista nas eleições municipais.
O parlamentar afirmou que nas reuniões do arco, atualmente composto pelo PDT, PSDB, DEM, PPS, PV e PSB, e praticamente fechado com o SDD, nunca houve discussão no sentido de trazer o PR ao grupo. O próprio Pedro Taques, segundo ele, não comenta tal hipótese. “Não existe nenhuma reunião, e isso eu posso falar, porque ajudo a coordenar, sou um dos pré-coordenadores da campanha de Taques. Não há nenhuma reunião, em que há essas discussões de trazer o PR. Quem tem comentado isso, de forma isolada e por conta própria, é o prefeito Mauro Mendes. Dentro do grupo nunca ouvi esse assunto sair da boca de Pedro Taques, por exemplo. Na reunião do grupo, na semana passada, nem se quer comentaram isso”.
Leitão destacou que se o PR cogitar a possibilidade de coligar com o bloco oposicionista, o partido deve, primeiro, deixar o governo. “Não dá para o PR querer ser oposição dentro do governo. É no mínimo um ‘tapa na cara’ do eleitor. Não dá para tratar eleição e tratar política dessa forma”.
Os irmãos democratas, Jayme e Júlio Campos também têm criticado duramente o partido, dizendo que os republicanos ‘almoçam com a base e jantam com a oposição’. O PR tem recebido críticas também, da própria base. O presidente do PMDB, deputado federal, Carlos Bezerra cobrou um posicionamento definitivo dos republicanos, defendendo a permanência da legenda no grupo, sob justificativa de que “se o PR for para a oposição, vai ser atacado dos dois lados”.
O PR faz parte do governo há 12 anos, desde a gestão do então governador, hoje senador Blairo Maggi (PR). Atualmente a sigla comanda 7 Secretarias de Estado, dentre elas, a chefia da Casa Civil e Infraestrutura. As críticas se arrastam há alguns meses.
Chapa majoritária – Questionado sobre os rumos do PSDB dentro do arco e possibilidades de indicações de nomes para compor a majoritária, o tucano destacou que vai aguardar a definição real de quais os partidos que estarão de fato, caminhando com o bloco de oposição. “O partido vai discutir a majoritária na hora certa. Nem sabemos quem são os partidos que estão conosco”.
 
FONTE GAZETA DIGITAL
Leia Também:  CIRCUITO - Maquinário comprado por Maggi já está arrebentado
COMENTE ABAIXO:

Propaganda
1 comentário

1 comentário

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Direito e Torto

Magistrados faturam alto no TJ-MT e Ong fala em “corrupção institucionalizada”

Publicados

em

Por

Luis Ferreira, Carlos Alberto e Maria Helena, da cúpula do TJ MT

A reportagem que o jornal O Estado de S.Paulo publica hoje, 20 de janeiro de 2021, sobre o Tribunal de Justiça de Mato Grosso, é o famoso tapa na cara dos cidadãos, eleitores e contribuintes deste Estado.

A revelação do jornalão paulista é que temos um time de 30 desembargadores (em breve serão eleitos mais 9) que vivem à tripa forra, curtindo ganhos astronômicos, às custas dos cofres públicos, sustentados por uma população que, em sua maioria é pobre, semialfabetizada, submetida a uma pobreza constrangedora.

A denúncia vem de São Paulo porque aqui os chamados órgãos de controle parece que fazem ouvidos de mercador para as possíveis patifarias praticadas pelos magistrados, em seu ambiente de trabalho.

Reproduzi a reportagem do Estadão em meu Facebook, e o jornalista Enzo Corazolla veio lá de Alto Paraíso com seu comentário ácido: “O pior é a venda de sentenças, prática habitual. Se gritar pega ladrão…”

Benza Deus. Além dos ganhos nababescos, pelas tabelas oficiais, ainda teríamos um inacreditável ganho por fora que, apesar de muito aventado, não se consegue, com o rolar dos anos, se reprimir.

Espanto. Perplexidade. Raiva. Parece que o patrimonialismo do Estado brasileiro é inescapável, está sempre desabando sobre e nós, e nos cobrando sangue, suor e lágrimas.

Para reforçar os temores do veterano jornalista Corazolla, representantes da Ong Transparência Brasil, ouvidos pelos repórteres do Estadão, cogitam que uma “corrupção institucionalizada” grassaria entre os espertalhões e espertalhonas togadas que atuariam no nosso Tribunal de Justiça.

Como botar em pratos limpos tudo isso, se a Justiça é sempre tão temina, sempre tão inalcançavel?! Os controles de controle, vejam só, não controlam porra nenhuma e, aqui mesmo em Mato Grosso, e nos mesmos espaços de midia nacional, as doutas autoridades do Ministério Público de Mato Grosso já foram deduradas e denunciadas por também engordarem seus ganhos e suas propriedades, com toda sorte de privilégios. Em plena pandemia, que segue matando com destaque os pobres e os filhos dos pobres, promotores e procuradores se divertem com verbas extras para usufluirem da I-phones e seguros de saúde às custas do erário, sempre dilapidado de forma cruel.

Reproduzo, aqui, a matéria do Estadão. E divulgo uma lista com os pretensos ganhos dos desembargadores, em dezembros, que circula pelas redes sociais. E aguardemos novos desdobramentos.

 
LEIA A REPORTAGEM DO JORNAL O ESTADO DE S PAULO: Desembargadores de MT têm extra de até R$ 274 mil – Política – Estadão (estadao.com.br)
 
 

Leia Também:  Suplência de deputado é nova mamata em MT. Sob a ordem do superprocessado Riva, parlamentares legalizam esquema imoral que garante salário e contratação de assessores para suplentes, ampliando número de parlamentares que mamam nos cofres da Assembléia

Lista Com Pretenso Faturamento de Desembargadores Do TJ MT Em Dezembro de 2020 by Enock Cavalcanti on Scribd

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA