(65) 99638-6107

CUIABÁ

Jogo do Poder

Mais uma mulher no TJ: desembargadora Marilsen Addario

Publicados

Jogo do Poder

Marilsen Addario, então juiza, participou das homenagens a Teomar de Oliveira quando de sua aposentadoria. Agora, vai substituir o desembargador no Pleno do TJMT


Marilsen é eleita desembargadora; posse é dia 11
Antonielle Costa

Marilsen Addario foi eleita nesta segunda e é a mais nova desembargadora de Mato Grosso


A juíza substituta de 2° grau, Marilsen Addario, foi eleita desembargadora em sessão extraordinária nesta segunda-feira (9), conforme o Mato Grosso Notícias havia antecipado. Ela disputou uma vaga por merecimento aberta com a aposentadoria de Teomar de Oliveira, que no mês passado completou 70 anos – idade limite para permanência no serviço público.
Ela será a quarta mulher a compor o Pleno do Tribunal de Justiça. Atualmente ocupam cadeiras no tribunal as desembargadoras Maria Helena Póvoas, Clarice Claudino da Silva e Maria Erotides Baranjak.
Além de Marilsen tiveram a inscrição deferida os magistrados: Rondon Bassil Filho, José Zuquim, Adílson Polegato, Sebastião Barbosa, Marilsen Addario, Nilza Maria Pôssas, Helena Maria Bezerra Ramos, Flávia Catarina Oliveira, Serly Marcondes, Helvio Carvalho Pereira, Cleuci Terezinha Chagas e Maria Aparecida Ribeiro.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  MPF: Aécio utilizou recursos ilegais na campanha para senador

Propaganda
1 comentário

1 comentário

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Jogo do Poder

No dia do servidor público, comunidade da UFMT alerta população sobre a PEC 32 e cobra deputados

Publicados

em

Adufmat cobra compromissos dos parlamentares que representam o povo trabalhador de Mato Grosso

Já faz mais de um ano que os servidores públicos federais, estaduais e municipais denunciam a elaboração de mais um forte e perigoso ataque contra os direitos constitucionais. O Governo Federal queria aprovar sua proposta de Reforma Administrativa (PEC 32) em agosto deste ano, mas devido à gravidade da pauta e a pressão de sindicatos e movimentos sociais, tem encontrado dificuldades para conseguir os 308 votos necessários.

Nessa quinta-feira, 28/10, Dia do Servidor Público, a comunidade acadêmica da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), representada pelos sindicatos dos docentes, técnicos-administrativos e estudantes – Adufmat-Ssind, Sintuf/MT e DCE, respectivamente -, fez mais uma intervenção: encheu de faixas as grades da universidade para denunciar o ataque e cobrar os parlamentares mato-grossenses.

Há seis semanas servidores de todo o país fazem vigília em Brasília para demonstrar aos parlamentares que a população é contrária à PEC 32, porque sabe que será prejudicada. A Adufmat-Ssind já realizou diversas atividade nesse sentido. Publicou uma cartilha elencando os malefícios da PEC 32 para os servidores e para a sociedade como um todo (clique aqui para acessar), organizou atos e campanhas nas ruas, redes sociais, emissoras de TV e rádio, lives, além de uma série de programas com a personagem Almerinda para dialogar com a população sobre o assunto.

Leia Também:  EU SEI O QUE NÓS FIZEMOS NO VERÃO PASSADO - Éder, que é cria de Blairo Maggi, conhece o Blairo Maggi - e garante que maquinários, precatórios e pagamentos privilegiados a empreiteiras são escândalos com a digital de Blairo Maggi.

A PEC 32 é a terceira proposta de Reforma Administrativa desde a promulgação da Constituição de 1988 e, desta vez, tem como objetivo precarizar os contratos dos trabalhadores, colocando os servidores públicos em condição de maior fragilidade e permitindo todo tipo de barganha com os cargos públicos. Também pretende introduzir o princípio de subsidiariedade, no qual o Estado atua como um igual, e não como um ente superior ao setor privado e conceder superpoderes ao presidente da República, que passaria a poder destruir instituições e autarquias com apenas uma canetada.

A justificativa mentirosa utilizada pelos governantes para aprovar a PEC 32 seria acabar com privilégios de servidores. No entanto, políticos, militares de alta patente e o alto escalão do Poder Judiciário, exatamente aqueles que recebem salários exorbitantes, ficarão de fora da Reforma. Ela tingirá, apenas, os servidores que recebem os menores salários, em sua maioria, os que estão em contato direto com a população usuária dos serviços públicos.

O Governo também mente sobre os reflexos da reforma para os atuais servidores federais, estaduais e municipais. Além de já receberem os piores salários e enfrentarem ambientes de trabalhos precarizados, esses servidores correm o risco de sofrer redução de salários e carga horária de trabalho em até 25%.

Leia Também:  Para aliviar o caso contra Aécio Neves, Partido da Imprensa Golpista tenta inventar investigação contra Dilma que nunca existiu. É muito grave. Jornais como Folha e Estadão dizem que os nomes de Dilma e Aécio figuram na lista de 54 nomes que Janot encaminhou ao STF, mas que o PGR pediu arquivamento do caso de ambos. O desmentido vem do próprio PIG: o jornal Valor Econômico diz o contrário, que o nome de Dilma não figura nessa lista e, portanto, o PGR não pediu arquivamento de processo contra ela como fez para Aécio

Para o diretor geral da Adufmat-Ssind, professor Reginaldo Araújo, a data é mais uma grande oportunidade para “chamar a atenção da população sobre os ataques da PEC 32 e cobrar os deputados, lembrando que aqueles que atacam a população dessa forma costumam não ser reeleitos, a exemplo da última Reforma da Previdência”.

Até o momento, os deputados mato-grossenses que se declararam contrários à PEC 32 são: Rosa Neide (PT), Emanuelzinho (PTB), Leonardo (SDD), Carlos Bezerra (MDB) e Juarez Costa (MDB). Os deputados que ainda se mostram favoráveis à proposta são Neri Gueller (PP), Nelson Barbudo (PSL) e José Medeiros (PODE).

Protesto na UFMT contra PEC 32

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA