(65) 99638-6107

CUIABÁ

Brasil, mostra tua cara

FILÓSOFO VLADIMIR SAFATLE: "Quem tá nas ruas pedindo golpe militar, pede tortura, pede terrorismo de Estado, pede assassinato, pede censura. Essas pessoas não deveriam estar na rua, deveriam estar na cadeia, respondendo processo

Publicados

Brasil, mostra tua cara

:
Filósofo Vladimir Safatle afirma que “quem tá pedindo golpe militar, pede tortura, pede terrorismo de Estado, pede assassinato, pede censura”; segundo ele, “essas pessoas não deveriam estar na rua, deveriam estar na cadeia respondendo processo”.
247, com Rede Brasil Atual – O professor de Filosofia da USP, Vladimir Safatle, afirma que aqueles que defendem a volta da ditadura militar deveriam ser presos por apologia ao crime.
“Quem tá pedindo golpe militar, pede tortura, pede terrorismo de Estado, pede assassinato, pede censura, quem quer as causas quer as consequências. Não existe isso. Você naturalizou essa coisa num nível absolutamente estrondoso. Essas pessoas não deveriam estar na rua, deveriam estar na cadeia respondendo processo”, disse, em entrevista à TVT, reproduzida.
Quem pede impeachment, segundo ele, “pede muito pouco”, pois quem viabilizaria o processo seria o Congresso, cujas casas são presididas por dois parlamentares envolvidos no mesmo caso de corrupção que o governo, assim como a oposição.
Sobre a cobertura da mídia em relação à manifestação do último dia 15, Safatle afirma que foi a mais anunciada da história da República, um ato construído pelos meios de comunicação. O professor considerou esse engajamento medonho.
Clique no link acima e ouça a entrevista.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Em Mato Grosso, 11 municípios estão com risco alto de contaminação pela Covid-19

Propaganda
3 Comentários

3 Comments

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Brasil, mostra tua cara

Promulgação da PEC dos Precatórios será fatiada, diz Arthur Lira

Publicados

em


A Proposta de Emenda à Constituição (PEC)  23/21, conhecida como PEC dos Precatórios terá promulgação “fatiada”. O objetivo é viabilizar o aumento do Auxílio Brasil. Segundo o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), as duas Casas Legislativas farão “o máximo esforço” para promulgar o quanto antes as partes da proposta em que houve acordo. Depois de promulgadas, serão publicadas e entrarão em vigor.

Já as alterações feitas pelo Senado voltam à Câmara para nova apreciação como proposta  independente.

“Nem mercado, bolsa, dólar, empresários, municípios, credores, e muito mais ainda, aqueles que precisam do Auxílio Brasil podem esperar uma tramitação de novo de CCJ [Comissão de Constituição e Justiça], de comissão especial e de plenário duas vezes. É muito normal que textos comuns possam ser promulgados”, disse Lira, após sair da reunião do colégio de líderes. Segundo Lira, as assessorias de Câmara e Senado definirão o que já pode ser promulgado e o que deve voltar à análise dos deputados.

Na tarde desta quinta-feira (2), o Senado Federal aprovou, por 64 votos a favor e 13 contra, no primeiro turno, e 61 votos a favor e 10 contra, no segundo turno, a PEC dos Precatórios.

Leia Também:  Xuxu Dal Molin destaca importância de investimentos em infraestrutura no norte de Mato Grosso

Entre as principais modificações feitas pelo relator, está a redução do prazo de vigência do limite no Orçamento destinado ao pagamento dos precatórios. Pelo texto aprovado, o teto de gastos, que restringe o crescimento das despesas à inflação, terá que ser rediscutido novamente em 2026, medida contraria o que desejava o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Ainda segundo a proposta, o espaço fiscal aberto com a restrição do pagamento dos precatórios e a mudança no cálculo do teto de gastos do governo – um total de R$ 106 bilhões – será inteiramente destinado a fins sociais, como programas de combate à pobreza e extrema pobreza, saúde, assistência social e previdência.

*Com informações da Agência Câmara

Edição: Nádia Franco

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA