(65) 99638-6107

CUIABÁ

Brasil, mostra tua cara

Blogues estouram mensalão de Michel Temer que a grande mídia esconde. Concessão de terminais no porto de Santos podem ter gerado propinas para o atual presidente golpista Michel Temer

Publicados

Brasil, mostra tua cara

Blogs estouram mensalão de Temer que grande mídia esconde

paginafolha

Fotomontagem: Tijolaço

A prova da propina a Temer

no Conversa Afiada
O destemido Ciro Gomes denunciou em recente entrevista ao DCM: num processo de dissolução de união estável que correu na Vara de Familia do Foro Central de São Paulo, Erika Santos pediu, em 1999, uma pensão mensal de R$ 10.000,00 e 50% do patrimônio do ex-marido, Marcelo de Azeredo, presidente da Companhia Docas do Estado de São Paulo, CODESP, por indicação do “padrinho”, o deputado federal Michel Temer, então presidente da Câmara.

Como se vê, Ciro tem o documento, mas pensa que sumiu.
O Conversa Afiada achou.
Para justificar a pretensão de ficar com 50% do patrimônio do apadrinhado, Erika descreve operações que testemunhou.
As “caixinhas” ou “propinas” negociadas com os vencedores das licitações ou concessionárias, e repartidas entre o requerido, seu “padrinho” politico, e um “tal de Lima”.
Só pela concessão de dois terminais no porto de Santos à notória empresa LIBRA, o “padrinho“ ficou com a bagatela, em 1999, de R$ 640.000,00.
De novo, aparece o tal de Lima, e o requerente.
Quem é o Lima ?
Da empresa Rodrimar, Michel Temer, de novo, recebe mais do que o requerente, o ex-marido.
(Erika saiu de casa porque, alegou, o marido batia nela.)
O Conversa Afiada oferece o documento ao Procurador Geral da República, Dr. Rodrigo Janot, antes que o Ciro Gomes suba a rampa do Palácio do Planalto e expulse todo mundo de lá.
Sim, porque se for esperar alguma reação do PT ou do “Advogado” da Presidenta – será que ele advoga para o outro lado?, pergunta a TV Afiada – o Michelzinho serve ao Exército e o pai não saiu de lá.
Em tempo: por onde anda o requerido?
DSC_6431_B
DSC_6432
DSC_6433
DSC_6434
DSC_6435
DSC_6436
 

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Pedido de impeachment de Zé Pedro Taques saiu primeiro que o do Emanuel. Leia na integra pedido formulado pelo Sinjusmat

Propaganda
1 comentário

1 comentário

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Brasil, mostra tua cara

MP cria verbas para pagar Auxílio Brasil de R$ 400 em dezembro

Publicados

em


A edição extra do Diário Oficial da União (DOU) de hoje (7) trouxe o texto da Medida Provisória (MP) 1.076 de 2021, que antecipa o pagamento do novo valor do Auxílio Brasil – programa social de distribuição de renda que substitui o antigo Bolsa Família.

O instrumento cria um benefício extraordinário que complementa as parcelas já previstas do Auxílio Brasil para o valor de R$ 400 divulgado pelo governo. A manobra ocorre devido à necessidade de promulgação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios, que deverá ser fatiada e que possibilitará a alocação de recursos para o pagamento integral do Auxílio Brasil.

Segundo o calendário de pagamentos já divulgado pela Caixa, os créditos relativos à parcela de dezembro do Auxílio Brasil serão recebidos a partir da próxima sexta-feira (10).

Leia também:
» Veja o calendário do ciclo de pagamentos do Auxílio Brasil em dezembro

Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro comentou sobre a PEC dos Precatórios e afirmou que o instrumento não é “calote”, mas uma forma viável de realocar dívidas em prol de uma revisão justa de benefícios sociais.

Leia Também:  Wellington diz que defende a população - não a empreiteira Delta

“[A PEC dos Precatórios] não é um calote, muito pelo contrário. É uma renegociação, um alongamento de dívida para quem tinha mais de R$ 600 mil para receber do governo. É isso que nos permite um saldo, um espaço, para potencializar com justiça o programa”, disse o presidente durante a cerimônia de assinatura da concessão de frequências do 5G no Palácio do Planalto.

Título alterado às 8h22 para corrigir informação. O texto publicado em edição extra do Diário Oficial é uma medida provisória, e não um decreto.

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA