HISTORIADOR JOSÉ MURILO DE CARVALHO: É hora de muita sensatez por parte das lideranças, sobretudo da oposição. Apoiar o impeachment não é sensato nem eficaz, só vai dar motivo de acusações de golpismo, embora em si ele seja iniciativa legítima e legal já tentada pelo PT. Mas o impeachment tem forte dimensão política, sua oportunidade depende de ampla demanda social. Não creio que a conjuntura esteja madura para ele. É adequado e justo que a presidente eleita seja condenada a descascar o abacaxi que plantou

jose_murilo_de_carvalho

“Somos viciados em auto-sabotagem”, diz historiador

 

Jornal GGN – A Folha de S. Paulo falou com o historiador José Murilo de Carvalho sobre o momento atual da política nacional. Ele afirmou que somos um país “viciado em auto-sabotagem”. “Um governo destrói o que o outro fez. Tudo gira em torno de consequências imediatas, em geral eleitorais. É o imediatismo oportunista. O passado perde-se no Alzheimer coletivo, o futuro a Deus pertence, o presente é o carpe diem. A consequência é descontinuidade, mau governo, frustração”, disse.

Para ele, a economia é fator crucial para a má vontade com o governo. E o único fator que estava segurando a revolta, o pleno emprego, começa a enfraquecer.

Na comparação com golpes do passado, ele disse que o único mais parecido foi o impeachment de Collor, em 1992, mas lembrou que Dilma tem mais apoio e não está envolvida diretamente em malfeitos. “Isto significa que o embate será mais longo e o resultado mais incerto. A atuação firme do Ministério Público e do Judiciário no mensalão, que parece continuar agora no petrolã, pelo menos no que se refere ao Ministério Público, é um fator que favorece uma saída demorada, mas menos traumática”.

No Brasil, um governo destrói o que o outro fez, diz historiador

Por Lucas Ferraz

Da Folha de S. Paulo

Um dos mais respeitados historiadores brasileiros, José Murilo de Carvalho, 75, afirma que o país, “ciclotímico”, é viciado em “auto-sabotagem”.

“Um governo destrói o que o outro fez. A consequência é descontinuidade, mau governo, frustração.”

Membro da Academia Brasileira de Letras, professor da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e autor de livros como “Os Bestializados” e “Cidadania no Brasil”, Carvalho diz que a atual “situação é de extrema delicadeza e exige muita capacidade de negociação”. “Resta agora ver o que dirão as ruas”, ressalta.

O historiador José Murilo de Carvalho durante evento em São Paulo, em 2013

Folha – O que acontece com o Brasil? 

José Murilo de Carvalho – O país é ciclotímico. Está na fase depressiva. Somos viciados em auto-sabotagem. As mesmas pessoas e partido que há poucos anos pregavam o oba-oba do ‘nunca antes na história deste país’ o levaram ao fundo do poço. Somos um país de cigarras, como na fábula. Não há planejamento de médio, para não falar de longo prazo.

Um governo destrói o que o outro fez. Tudo gira em torno de consequências imediatas, em geral eleitorais. É o imediatismo oportunista. O passado perde-se no Alzheimer coletivo, o futuro a Deus pertence, o presente é o carpe diem. A consequência é descontinuidade, mau governo, frustração.

O que explica o atual mal-estar?

A queda da economia é fator crucial. O bolso comanda o humor nacional. O único trunfo do governo, o alto índice de emprego, está começando a fazer água. Não faltaram alertas. O maior deles foi o de junho de 2013, que foi ignorado assim que cessaram as manifestações. Ele apontou a frustração dos que subiram a escada social nos anos anteriores.

Agora, sua própria ascensão está em jogo. Há uma velha teoria das revoluções, ou perturbações sociais, que diz que elas não se dão na riqueza nem na pobreza. Sua causa mais comum é a ascensão seguida de queda. Quem ascendeu provou o fruto do bem-estar e não admite ser expulso do paraíso.

O que esperar destes dias de tensão política?

É hora de muita sensatez por parte das lideranças, sobretudo da oposição. Apoiar o impeachment não é sensato nem eficaz, só vai dar motivo de acusações de golpismo, embora em si ele seja iniciativa legítima e legal já tentada pelo PT. Mas o impeachment tem forte dimensão política, sua oportunidade depende de ampla demanda social. Não creio que a conjuntura esteja madura para ele. É adequado e justo que a presidente eleita seja condenada a descascar o abacaxi que plantou.

O sr. vê esgotamento no projeto político do PT?

Esgotamento talvez não. O projeto do PT no que se refere à inclusão social era e continua sendo um objetivo inegociável. Mas o partido está perdendo, se já não perdeu, a condição de ser seu portador.

Há um vácuo de liderança?

Há um vácuo, sempre perigoso quando se trata do exercício do poder. A presidente recém-reeleita não tem base parlamentar sólida para fazer as reformas que renegou na campanha e agora se vê forçada a levar adiante e nem mesmo o apoio decidido da ala lulista do PT. Perdeu força e credibilidade. A situação é de extrema delicadeza e exige muita capacidade de negociação, produto escasso no mercado político. Resta agora ver o que dirão as ruas.

O sr. vê paralelo entre o atual momento e crises como as de 1954, 1964 ou 1992?

Nos três casos, houve campanha virulenta contra presidentes eleitos. Mas em 54 e 64 havia dois ingredientes importantes inexistentes hoje, a Guerra Fria e os militares. Alguma semelhança há com 1992, quando já não havia Guerra Fria e os militares se mantiveram à distância. Mesmo assim, a presidente tem hoje mais apoio do que tinha Collor e não está, pelo menos por enquanto, envolvida diretamente em malfeitos, como costuma dizer.

Isto significa que o embate será mais longo e o resultado mais incerto. A atuação firme do Ministério Público e do Judiciário no mensalão, que parece continuar agora no petrolão, pelo menos no que se refere ao Ministério Público, é um fator que favorece uma saída demorada, mas menos traumática.

Impeachment

Por Antonio Prata

Da Folha de S. Paulo

No dia 25/8/1999, primeiro ano do segundo mandato do FHC, meu pai, Mario Prata, que tinha votado no Lula, publicou no “Estadão” a crônica “UNE ou desune”. Cito abaixo alguns trechos.

“Eu, a princípio, achei que tinha lido errado. Mas li de novo. O erro não era meu. Era de um moleque de 22 anos. (…) Ele é o novo presidente da União Nacional dos Estudantes. Sabe qual é a meta dele? Derrubar o Fernando Henrique Cardoso. (…) Ir pra rua e derrubar o presidente. (…) Será que esse moleque (…) sabe o que a UNE fez durante anos contra a ditadura para agora, finalmente, a gente colocar lá o Fernando Henrique? (…) Eu posso até não concordar com o nosso presidente. Mas vivemos numa democracia. (…) Você não viveu a ditadura, menino. Dê graças a Deus por termos o Fernando Henrique como nosso presidente. É um homem digno, íntegro, honesto e não mata estudante. (…) Se está errando aqui ou ali não é de propósito. (…) Foram muitos mortos, moleque, para conseguirmos a democracia.”

No mesmo dia 25, na coluna Joyce Pascowitch, na Folha: “Pode haver nos próximos dias uma revoada de políticos que apoiam o governo para partidos de oposição (…).” “A pedido do próprio Palácio do Planalto, o mago das pesquisas do PSDB [Antonio Lavareda] tem dado várias entrevistas. Tudo para explicar que existe um outro lado das pesquisas de opinião -a população não estaria assim tão insatisfeita com a performance do presidente.”

No dia seguinte, 26 de agosto de 1999, a oposição faria em Brasília a Marcha dos 100 mil, gritando “Fora, FHC!”. Brizola pregaria a renúncia do presidente e do vice e a convocação de novas eleições. MST e CUT exigiriam impeachment. “O líder do maior partido da oposição, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), disse no Rio que o objetivo do movimento é pedir a abertura de uma CPI para apurar suposto crime de responsabilidade de FHC na privatização das teles. ‘Pode-se até chegar ao impeachment, a partir do que for apurado pela CPI'”, publicou a Folha.

Neste domingo, a mesma história será reencenada, mas com os atores invertendo-se nos personagens. Manifestantes do centro à direita (Dez mil? Cem mil? Dois milhões?) vão às ruas pedir a cabeça da petista. Eu venho ao jornal repetir as palavras do meu pai: “Posso até não concordar com o [a] nosso [a] presidente. Mas vivemos numa democracia”.

É inegável que há muita coisa podre em Brasília -e em São Paulo, no Rio, em Birigui e em Santa Rita do Passa Quatro. Somos um país corrupto, da quitanda ao agrobusiness. O petrolão, contudo, está sendo investigado. O Ministério Público é independente. A imprensa é livre -livre, inclusive, para ter o rabo preso com quem bem entende.

Veja: após o mensalão, o presidente do PT, o tesoureiro e o ministro da Casa Civil foram julgados pelo STF (um colegiado cuja maioria foi indicada durante os anos petistas) e mandados pra cadeia. Se isso é a “venezuelização” do Brasil, não precisamos mais nos preocupar com a Venezuela.

Protestos contra o governo são justos e não só dor de cotovelo da “elite branca”, mas enquanto não houver provas que envolvam a presidente com a corrupção, qualquer um que falar em impeachment não passará, como disse há 16 anos nosso grande cronista, de um “moleque”.

 

FONTE FOLHA DE S PAULO

————–

DUVIVIER: BRASIL VIVE HOJE UMA ‘HISTERIA COLETIVA’

:

“O que há hoje é uma histeria coletiva. Famosa indignação coletiva. Ficam anos sem se manifestar, sem participar de nada. Não participam da vida do Legislativo, não sabem o que é reforma política e de repente ficam indignados, como se a corrupção tivesse sido inventada ontem. É uma luta idiota essa pelo fim da corrupção”, diz Gregório Duvivier, um dos integrantes do Porta dos Fundos; ele aponta um viés golpista nas manifestações e diz que a presidente Dilma deve, sim, ser criticada, mas pela esquerda

 

247 – Em entrevista ao jornal gaúcho Zero Hora, o ator, poeta e humorista Gregório Duvivier definiu como ‘histeria coletiva’ o que se vê hoje no Brasil.

“O que há hoje é uma histeria coletiva. Famosa indignação coletiva. Ficam anos sem se manifestar, sem participar de nada. Não participam da vida do Legislativo, não sabem o que é reforma política e de repente ficam indignados, como se a corrupção tivesse sido inventada ontem. É uma luta idiota essa pelo fim da corrupção — afirma”, disse ele.

Ele também aponta um viés golpista nas manifestações deste domingo. “Em vez de pensar na reforma, em uma maneira efetiva de acabarem com a corrupção em longo prazo, as pessoas pensam em algo superficial. O que se quer é um golpe. Querem a volta dos militares. Qual a proposta de quem quer tirar a Dilma? Pra botar quem? Por quê? Qual é a alegação, a legalidade disso?”, questiona.

Ele afirma ter votado em Dilma no segundo turno e diz que a crítica deve ser feita pela esquerda. “Meu voto nela foi no segundo turno. Dado o que tinha, preferi ela, mas sei que tem mil problemas nesse governo. Mas temos que bater no governo pela esquerda e não pela direita. A questão ambiental e indígena é uma tragédia. Devemos questionar por que ele está tão a direita. E quanto a corrupção, não é problema especifico do Governo Dilma.”

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 200.169.177.193 - Responder

    Com razão, ainda não é o momento. O povo só esta acompanhado os passos do PT e do Foro de São Paulo. O Lula não vai conseguir atingir seu objetivo nefasto…!!!

  2. - IP 189.31.23.157 - Responder

    Paulo é insano porque é acéfalo.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezessete + 8 =