HERÓI DA MIDIA: Joaquim Barbosa manda repórter chafurdar no lixo

Barbosa manda um repórter ‘chafurdar no lixo’

Josias de Souza
UOL

O presidente do STF, Joaquim Barbosa saía de uma sessão do Conselho Nacional de Justiça. Era aguardado por um grupo de repórteres. Abordado por um deles, Felipe Recondo, do Estadão, Barbosa rodou a toga. Mandou o interlocutor “chafurdar no lixo.” Chamou-o de “palhaço”. Eis o diálogo:

— Presidente, como o senhor está vendo…?

Joaquim Barbosa atalhou o repórter antes que ele pudesse completar a pergunta.

— Não estou vendo nada! Me deixa em paz, rapaz. Me deixa em paz. Vá chafurdar no lixo como você faz sempre.

— Que é isso ministro, o que houve?

— Estou pedindo, me deixe em paz. Já disse várias vezes ao senhor.

— Eu tenho que fazer pergunta, é meu trabalho…

— Eu não tenho nada a lhe dizer, não quero nem saber do que o senhor está tratando.

Defronte do elevador, Barbosa dirigiu ao repórter um derradeiro adjetivo.

— Palhaço!

Os repórteres desejavam ouvir Barbosa sobre o envenenamento das relações dele com a magistratura. Na semana passada, em entrevista a correspondentes estrangeiros, o ministro dissera que os juízes brasileiros são pró-status quo e pró-impunidade.

Em nota, associações de magistrados reagiram. Tacharam as dec;arações de Barbosa de preconceituosas, generalistas, superficiais e desrespeitosas. Ou seja, havia o que perguntar ao presidente do STF. Mais: havia o que responder. Alguma coisa, porem, subiu à cabeça de Barbosa. E não parece ser coisa boa.

O secretário de Comunicação Social do STF, Wellington Geraldo Silva divulgou um pedido de desculpas. Alegou que Barbosa estava cansaçado e com fortes dores. “Trata-se de episódio isolado, que não condiz com o histórico de relacionamento do ministro com a imprensa”, anotou. Leia a íntegra abaixo:

Brasília, 05 de março de 2013

Em nome do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ministro Joaquim Barbosa, peço desculpas aos profissionais de imprensa pelo episódio ocorrido hoje, quando após uma longa sessão do Conselho Nacional de Justiça, o presidente, tomado pelo cansaço e por fortes dores, respondeu de forma ríspida à abordagem feita por um repórter. Trata-se de episódio isolado que não condiz com o histórico de relacionamento do Ministro com a imprensa.

O ministro Joaquim reafirma sua crença no importante papel desempenhado pela imprensa em uma democracia. Seu apego à liberdade de opinião está expresso em seu permanente diálogo com profissionais dos mais diversos veículos. Seu respeito pelos profissionais de imprensa traduz-se em iniciativas como o diálogo que iniciará no próximo dia 07 de março, quando receberá em audiência o Sr. Carlos Lauria, representante do Comitê para Proteção de Jornalistas (CPJ), ONG com sede em Nova Iorque.

Wellington Geraldo Silva
Secretário de Comunicação Social – SCO
Supremo Tribunal Federal”
—————–


Joaquim Barbosa perde a linha com jornalista do Estadão

José Carlos Werneck
TRIBUNA DA IMPRENSA

Confirmando suas afirmações de que não tem perfil de político, o ministro Joaquim Barbosa, presidente do Supremo Tribunal Federal, mandou, nesta terça-feira, um jornalista “chafurdar no lixo” . Depois divulgou nota em que pediu desculpas aos profissionais da Imprensa declarando que respondeu de forma “ríspida” por estar tomado por “cansaço e fortes dores”.

Barbosa mostra seu lado irracional

O ministro saía de reunião do Conselho Nacional de Justiça, do qual é presidente, quando foi abordado pelo repórter Felipe Recondo, de “O Estado de São Paulo”. O jornalista iniciou uma pergunta: “Presidente, como o senhor está vendo…”

Barbosa interrompeu e, em tom alto, disse: “Não estou vendo nada”. Depos, na presença de jornalistas de vários veículos, o presidente se voltou para o jornalista, em voz alta: “Me deixa em paz, rapaz. Me deixa em paz. Vá chafurdar no lixo como você faz sempre” .

Recondo tentou argumentar: “O que é isso, ministro? O que houve?”.

Barbosa responde: “Estou pedindo, me deixe em paz. Já disse várias vezes ao senhor”.

O jornalista fez mais uma tentativa de conversar com o Barbosa. “Eu tenho que fazer pergunta, é meu trabalho”. E o presidente do STF, em voz alta, novamente disse: “Eu não tenho nada a lhe dizer. Não quero nem saber do que o senhor está tratando.”

Depois, do elevador do prédio, o ministro disse em tom alto: “Palhaço”.

Ricardo Gandour, diretor de redação do jornal, em São Paulo, disse que é um fato público e não vai comentar o episódio.

Categorias:Plantão

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.43.82.190 - Responder

    Enoch esse negao ta com o capeta no corpo xomano vooooti.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

14 − 4 =