Henrique Lopes do Nascimento, presidente do Sintep, fala da luta dos trabalhadores da Educação. Greve nas escolas estaduais de Mato Grosso começa segunda, 12

O Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT) protocolou o ofício no Palácio Paiaguás informando o governo sobre a deliberação de greve da categoria. O documento atende determinação da Justiça sobre a antecedência de 72 horas para avisar o governo da paralisação. Os profissionais da educação da rede estadual de ensino paralisam das atividades por tempo indeterminado a partir de segunda-feira (12).

O protocolo foi realizado na terça-feira (6) pela secretaria geral do Sintep/MT dentro do prazo previsto e oficializa o direito dos trabalhadores da educação em iniciar o movimento grevista, que foi deliberado na assembleia geral de segunda-feira (5) em Cuiabá.

De acordo com o presidente do Sintep, Henrique Lopes do Nascimento, a greve dos trabalhadores da educação em Mato Grosso exige a dobra do poder de compra dos educadores, imediata realização de concurso público, chamamento dos classificados do último concurso, garantia da hora-atividade para interinos, melhoria na infraestrutura das escolas, aplicação dos 35% dos recursos na educação como prevê a Constituição Estadual e autonomia da Secretaria de Estado da Educação (Seduc) nos recursos devidos na área. No video, você confere entrevista com o professor Henrique, pouco minutos antes da Assembléia de segunda, dia 5, que deflagrou a greve.

Em todos os municípios o Sintep/MT realiza mobilização para a greve, contemplando escolas da zona rural e urbana. Na terça-feira (13) os profissionais da educação realizam o 1º ato público da greve na praça Alencastro em Cuiabá, às 15h.

Sob comando do professor Henrique Lopes do Nascimento, grevistas da Educação farão grande manifestação na segunda-feira, dia 12, dando início às manifestações de rua que marcarão o movimento

Sob comando do professor Henrique Lopes do Nascimento, grevistas da Educação farão grande manifestação na segunda-feira, dia 12, dando início às manifestações de rua que marcarão o movimento

————–
Trabalhadores da rede municipal de VG avaliam indicativo de greve sexta-feira

A direção da subsede do Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público de Várzea Grande (Sintep/VG) convocou assembleia geral da rede municipal de Várzea nesta sexta-feira (9) para avaliar o indicativo de greve. A assembleia geral será realizada no ginásio de esportes do CEJA Licínio Monteiro a partir das 8h.
Em pauta estão às questões relacionadas à revisão do enquadramento de 2010 e a revisão do PCCS que deveriam ter acontecido até o dia 30 de junho, conforme compromisso assinado pela administração municipal com a categoria na greve de maio. Vencido o prazo, a categoria se reuniu em assembleia geral no dia 11 de julho, considerando o não cumprimento do prazo por parte da administração, aprovar indicativo de greve para ser avaliado em 9 de agosto em nova assembleia.
De acordo com o presidente do Sintep/VG, Gilmar Soares Ferreira, “O único avanço por parte da administração foi reconhecer, em documento enviado ao SintepVG, a necessidade de revisão do enquadramento e do PCCS. Nada mais foi feito. Nenhuma linha mais foi escrita. Parece que a SMEC e a administração não tem interesse em encaminhar uma solução para o problema que só tem aumentado”, avalia o professor Gilmar lembrando que a data base contida no PCCS é janeiro e, portanto, a adequação do piso na carreira, tem que ser retroativa à janeiro.
O Sintep/VG fez as tarefas que deveriam ser do executivo. Realizou estudos na folha e apontou, inclusive para o Ministério Público, uma relação de 1.040 nomes de servidores que apresentam indícios de irregularidades no enquadramento. Também foi enviado para a categoria avaliar, uma proposta de tabela para adequação do piso salarial aos cargos na lei 3797/2012.
O Conselho de Representantes realizado no dia 2 de agosto já indicou à assembleia a aprovação das tabelas. A direção do Sintep/VG solicitou audiência junto a SME para buscar soluções para a pauta e para outros problemas que estão acontecendo na rede como: demissão dos TSAEs, fim da coordenação nas creches com menos de 100 alunos, a questão da licença médica e perícia médica, remanejamento do pessoal em desvio de função das escolas dentre outros.
“Caso a assembleia geral da rede municipal aprove será a primeira vez que a rede municipal para uma greve simultânea com a rede estadual, que se inicia no dia 12, próxima segunda-feira”, observou o presidente do Sintep/VG.

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

doze − 1 =