Há 35 anos, ditador Ernesto Geisel impunha ao País o Pacote de Abril

A perspectiva de vitória da oposição nas eleições marcadas para 15 de novembro de 1977, e de perda da maioria governista que lhe garantia o controle do Congresso e do processo de sucessão, levou o presidente Ernesto Geisel a agir com mão de ferro no dia 1.º de abril daquele ano. Ao baixar o que ficou conhecido como “pacote de abril”, Geisel impôs a eleição indireta de governadores e a nomeação pura e simples de um terço dos membros do Senado – os célebres governadores e senadores “biônicos”. Para garantir o cumprimento das medidas, o Congresso foi posto em recesso.

Em pronunciamento à nação, transmitido pelo rádio e TV, Geisel avisou que faria reformas de natureza política “indispensáveis ao bem-estar, à tranquilidade e à própria institucionalização política do País”.

“Não há liberdade para quem quer destruir a Nação”, disse Geisel na explicação oficial aos brasileiros que durou 17 minutos.

Editorial do Estadão – “Como brasileiros, é triste buscar nos arquivos desta Casa o testemunho de que não se progrediu um passo sequer, desde que, na véspera da promulgação do AI-5, em 1968, os exemplares do Estado foram apreendidos por causa do editorial Instituições em Frangalhos” (o texto criticava o ato que institucionalizou a censura no País.)

Fonte O ESTADO DE S PAULO

Categorias:Plantão

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

cinco − 1 =