GRANDE, COMO ERA GRANDE: Morre Nicholas Winton, o “Schindler britânico”, aos 106 anos. Britânico salvou 669 crianças da morte nos campos de concentração nazistas em 1939, antes da Segunda Guerra Mundial

REDAÇÃO ÉPOCA
Nicholas Winton, o "Schindler britânico", aos 105 anos em 2014 (Foto: AP Photo/Petr David Josek, File)

Aos 106 anos, Nicholas Winton, britânico de origem alemã, conhecido como o “Schindler britânico”, morreu nesta quarta-feira (30). “É com grande tristeza que devo anunciar que Sir Nicky Winton faleceu tranquilamente esta manhã”, diz comunicado postado no Rotary club de Maidenhead, clube do qual Winton era membro, de acordo com o G1. A família confirmou a informação. Winton morreu no hospital Wexham, na cidade de Slough, ao sul da Inglaterra.

Em 1939, antes do início da Segunda Guerra Mundial, Wintonsalvou 669 crianças checas e eslovacas, judias em sua maioria, da morte nos campos de concentração nazistas ao enviá-las em trens de Praga para Londres. Considerava que não tinha feito nada de excepcional, embora a imprensa tenha o apelidado de o “Schindler britânico”, em referência ao industrial alemão Oskar Schindler, que salvou 1.200 judeus no Terceiro Reich.

O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, lamentou a perda “de um grande homem”. “Não devemos esquecer nunca a humanidade de ‘Sir’ Nicholas Winton ao salvar tantas crianças do Holocausto”, afirmou no Twitter.

O rabino-chefe Ephraim Mirvis também o homenageou. Disse que ele era “uma das melhores pessoas” que já conheceu. “Sua perda será muito sentida entre os judeus”, afirmou.

Nascido em Londres, filho de pais judeu-alemães que trocaram o sobrenome Wertheim por Winton, Nicholas Winton organizou o Czech Kindertransport, oito trens que partiam da Tchecoslováquia ao Reino Unido para afastar crianças da ocupação nazista e de uma provável morte nos campos de concentração. De ideologia socialista e banqueiro de profissão, também trabalhou para encontrar estas crianças em abrigos no Reino Unido no pós-guerra.

Ano passado, Winton recebeu a Ordem do Leão Branco em Praga e em 2003 o título de cavaleiro, concedido pela rainha Elizabeth II, pelo qual passou a receber o tratamento de “Sir”.

Em 2010, o governo britânico concedeu a ele a medalha de Herói do Holocausto. Winton deve ser reconhecido com destaque em um monumento permanente que lembrará a tragédia ocorrida naSegunda Guerra Mundial.

Sir-Nicholas-Winton-na pagina do enock

Categorias:Gente que faz

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 201.2.80.134 - Responder

    Se tivermos mais pessoas assim e que se preocupassem em salvar qualquer pessoa independente de raça , a humanidade tem chance de sobreviver a terceira guerra.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

4 × um =