GIBRAN LACHOWSKI: O Brasil vive uma situação conturbada, com o governo Dilma entre uma movimentação progressista e uma conservadora (de viés golpista). Esta semana – sexta/13 e domingo/15 – os pólos se manifestam em atos públicos espalhados pelo país, o que deve indicar a força efetiva que cada um possui neste instante histórico e denotar a capacidade de influir nas agendas do Congresso, do Executivo e da vida cotidiana da população

GIBRAN LACHOWSKI

 

As diferenças entre as manifestações dos dias 13 (sexta) e 15 (domingo)

 POR GIBRAN LACHOWSKI

 

O Brasil vive uma situação conturbada, com o governo Dilma entre uma movimentação progressista e uma conservadora (de viés golpista). Esta semana – sexta/13 e domingo/15 – os pólos se manifestam em atos públicos espalhados pelo país, o que deve indicar a força efetiva que cada um possui neste instante histórico e denotar a capacidade de influir nas agendas do Congresso, do Executivo e da vida cotidiana da população.

 

 

A Manifestação Democrática do Dia 13

 

De um lado estão centrais sindicais, movimentos sociais, coletivos populares e partidos de centro-esquerda e esquerda, representando um projeto de justiça social, encampado pelos governos Lula e Dilma (apesar de todos os contratempos e todas as contramarchas), que se expressa, por exemplo, na redução da pobreza extrema, na ascensão de milhões de pessoas à classe média, no maior acesso ao ensino superior e na viabilização da casa própria.

 

Esse ideário é acolhido e difundido pela chamada mídia popular/alternativa/anti-hegemônica, com destaque local para este site. Em nível nacional, aí vão alguns exemplos: www.conversaafiada.com.br,www.rodrigovianna.com.brwww.viomundo.com.brwww.diariodocentrodomundo.com.br e www.redebrasilatual.com.br.

 

As centrais, movimentos e coletivos defendem a Petrobras e o pré-sal (leia-se política de partilha e conteúdo nacional), ratificando a posição do Executivo. Defendem a Reforma Política a partir de um plebiscito oficial que estimule a convocação de uma Assembleia Constituinte exclusiva, dando base e fazendo eco ao que Dilma diz desde 2013. E defendem a revogação das Medidas Provisórias 664 e 665, que restringem direitos previdenciários e trabalhistas (ponto de discordância com o governo).

 

Entre os organizadores do evento estão: Central Única dos Trabalhadores (CUT), Federação Única dos Petroleiros (FUP), Central dos Sindicados Brasileiros (CSB), União Nacional dos Estudantes (Une), Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), Central de Movimentos Populares (CMP), Levante Popular da Juventude, Movimento Nacional das Populações de Rua (MNPR) e Mídia Ninja. Confira a lista completa das entidades emhttp://www.viomundo.com.br/politica/13-de-marco-em-defesa-dos-trabalhadores-petrobras-democracia-e-reforma-politica.html .

 

A Movimentação do Dia 13 não se coloca em defesa do governo Dilma, mas, sim, em posição de cobrança, ainda que tenha sustentado sua campanha e sido fundamental na reta final do segundo turno da eleição para a presidência no ano passado. Por conta disso e, sobremaneira, por ter nítida compreensão do que representa a democracia para o Brasil, repudia qualquer discussão acerca de impeachment.

 

 

A manifestação de viés golpista do dia 15 (com letras minúsculas, de propósito)

É direito de todo cidadão protestar contra ou em defesa do que pensa ser importante, mas chama-se golpismo o ato de decantar a plenos pulmões a derrubada de uma presidenta eleita pelo voto da maioria da população, cuja vitória foi inclusive aceita oficialmente pelo segundo colocado na disputa. E ponto! Não há sequer indícios de atos ilícitos por parte da presidenta, o que ficou explícito na lista apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, com os nomes dos políticos supostamente envolvidos na Operação Lava-jato, relativa a malfeitos junto à Petrobras.

 

Entre os elementos agregadores para o dia 15, conforme panfleto que circula em Rondonópolis (MT), estão a indignação com a corrupção (algo bem genérico, né!?) e com o aumento do preço da gasolina (esqueceram de citar o “diesel dos caminhoneiros”, e logo na cidade-rainha do agronegócio regional, que recentemente protagonizou forte bloqueio em rodovias). Tais pautas mobilizam a insatisfação de considerável parcela da população, preocupada com o bolso e a recente ascensão socioeconômica e orientada por uma turva leitura política do quadro atual.

 

Entretanto, essas pautas são apenas pretextos de seus organizadores para amplificar sua força e desestabilizar a presidenta. Exemplo disso é o “movimento resistência democrática” (com minúsculas também de propósito), que assina o panfleto em Rondonópolis, pois não menciona seu intento golpista na convocatória, porém assume o desejo antidemocrático em entrevista ao jornal “A Tribuna”, de 05 de março (http://www.atribunamt.com.br/2015/03/movimento-se-prepara-para-ato-fora-dilma/).

 

Os mobilizadores do evento em nível nacional, pouco conhecidos e sem raízes populares, como os virtuais “Vem para a rua”, “Movimento Brasil Livre”, ”Revoltados Online” e “Intervencionistas Independentes”, são ladeados por partidos pragmaticamente de direita, sobretudo o PSDB, o PPS e o Dem. Contam, obviamente, com o apoio irrestrito da mídia suja e ainda grande. Os grupos “Globo”, “Folha”, “Estadão”, “Abril” e “Bandeirantes” ajudam a ecoar diariamente inclusive o desejo de intervenção militar, ou seja, o desejo de retorno à ditadura.

 

 

Portanto…

Há diferenças facilmente perceptíveis entre os movimentos do Dia 13 e do dia 15. E o que está em jogo, cada vez mais, é o vigor da democracia do nosso país. Os sujeitos sociais começam a se posicionar mais explicitamente. A oposição esquerda/direita, aos poucos, recupera sua simbologia.

 

Os próximos passos vão revelar qual a força de organização, elaboração e engajamento “das esquerdas” nesse enfrentamento ideológico, que busca, acima de tudo, avançar da democracia representativa para a participativa, o que inclui uma Reforma Política Popular, tendo como cláusula fundamental o fim do financiamento privado (ou empresarial) de campanha. Sigamos adiante, até a vitória… sempre!

 

 

 

Gibran Luis Lachowski, jornalista, professor universitário e militante de movimentos sociais em MT

 

 

8 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.41.94.194 - Responder

    O engraçado, caro Gibran, é ver que, agora, os defensores do PT querem diminuir a importância e o significado das manifestações populares contra o regime, taxando-as de golpista, de oportunista, de reacionária, etc. Na época em que eram oposição, os militantes de esquerda enchiam o peito para exaltar as manifestações nas praças públicas e as marchas históricas contra a repressão. Hoje, para eles, só a manifestação do dia 13 é legítima. A outra é fascista. Ora, convenhamos, senhores. Quem está saindo às ruas, novamente, é o povo, são as massas, os jovens, os velhos, os cara-pintadas, os black blocks, enfim, todos os insatisfeitos com essa onda vermelha de corrupção e incompetência deslavada. Venha prá rua! Vamos à luta! E VIVA A DEMOCRACIA!!!

  2. - IP 191.33.217.26 - Responder

    Esse tal de Gilbran se fosse um democrata de verdade, não escreveria aqueles artigos idiotas exaltando o chavismo, sem se importar que aquele regime nada mais é do que fascismo.

    Aliás a esquerdotralha brasileira gosta do chavismo porque na Venezuela, durante as manifestações populares, a polícia tem permissão para usar bala de verdade. Isso é que é gostar de gente sanguinária e assassina, não é Sr. Gilbran??

    Dá arrepio só de imaginar as idéias fascistas e sanguinárias que você leva aos seus alunos, com essa conversinha de os ricos são contra o PT e os pobres são a favor.

    Você diz aos seus alunos que depois da aula você vai para o requintado restaurante Di Parma desfrutar de refeições gourmet e vinhos caríssimos???

    • - IP 200.101.25.58 - Responder

      Gibran frequentando lugares chiques… Kakakakaka. Pode até ir. Mas o nego é botequeiro de raiz. Gente humilde e boníssima.

      Di Parma em Alto Araguaia? kakakakak

      Nego tem que parar de papagaiar e reproduzir os papos reacionários de olavinho e quetais que ainda tem a cabeça nos anos 50. Não é bonito não. Para quem estudou o mínimo, ler tais atrocidades é nada menos que deprimente. Dá vontade de apertar o botão de reset da humanidade.

      Para piorar misturam tudo. Não sabem a diferença entre um governo com postura liberal e um governo reacionário – vejam só, que aqui coloco dois âmbitos da direita.

      Você pode não concordar com a visão política de uma pessoa, não dá o direito de ofendê-la ou desqualificar seu discurso com “invencionices” no âmbito pessoal. Apesar que a internet propicia uma espécie de escudo e dá coragem aqueles que não teriam peito de falar na cara.

      Estou aguardando uma melhora de nível daqueles que refutam o texto em questão. Porque para mim, pode-se e deve-se debater política e apontar aquilo que causa insatisfação na opinião pública Brasileira. Deve-se sim “bater” no PT, no PSOL, no PSDB, etc. Mas tem que ser argumento balizado. Com pseudo-verdades, grunhidos e pedradas continuaremos na mesma ou voltaremos para a idade da pedra. Está aí o Estado Islâmico que não me deixa mentir.

      Devemos qualificar o discurso sempre.

  3. - IP 187.113.47.42 - Responder

    A frequencia assídua do Gilbran no Di Parma em Cuiabá não é invencionice. Ele pode até não estar mais visitando o local por agoara residir em Alto Araguaia, mas é fato que era freguês assíduo do restaurante caro. E grande degustador de vinhos.

  4. - IP 200.241.33.254 - Responder

    Jose acho que você conhece pouco do Gibran, ate porque você baseia no fato dele degustar de bons vinhos… que ha de errado nisso se ele paga com o dinheiro dele, alias recolhe o imposto pro governo, se quer mostrar seu lado politico discuta com pensamentos éticos, não com relação a restaurante, que alias e de rir desse assunto seu, quando vemos o Gibran comendo por mês num restaurante popular que nao vem ao caso, ai você ta sendo hipócrita cidadão.

    • - IP 187.113.47.42 - Responder

      Quando ele morava em Cuiabá, era sim assíduo frequentador do restaurante Di Parma.

      Quando ao lado político, o que dizer de uma pessoa que aprecia a ditadura chavista da Venezuela??

      Será que é porque lá a polícia chavista e bolivariana usa é bala de verdade contra os manifestantes.

  5. - IP 189.10.10.119 - Responder

    Patrulhamento (coisa de FDP). Não há legislação proibindo o autor do texto de frequentar determinados lugares , muito menos tratando acerca do que pode o escrevinhador beber e comer. Coisa pequena de quem está mais acostumado a ler Caras e revistas de fofoca.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezesseis + 12 =