GESTÃO DE CARLOS RAYEL DEVE SER ALVO DE DEVASSA: Esquema de corrupção envolvendo empresas gráficas e agências de publicidade é investigado pelo Ministério Público Estadual. Quatro inquéritos já foram abertos. A mesma gráfica que esteve no esquema ligado a João Emanuel – a Propel, do jornalista Maksuês Leite – possui contrato com a Assembleia Legislativa. Também são investigadas a Secretaria de Estado de Comunicação (Secom) e a Secopa

 Carlos Rayel, que atua na campanha eleitoral como marqueteiro de Lúdio Cabral (PT), de acordo com a reportagem do insuspeito Diário de Cuiabá, estaria com sua gestão à frente da Secom-MT na mira do Ministério Público por possível "superfaturamento nos pagamentos para gráficas e agências de publicidade"


Carlos Rayel, que atua na campanha eleitoral como marqueteiro de Lúdio Cabral (PT), de acordo com a reportagem do insuspeito Diário de Cuiabá, estaria com sua gestão à frente da Secom-MT na mira do Ministério Público por possível “superfaturamento nos pagamentos para gráficas e agências de publicidade”

INQUÉRITOS

MPE fecha o cerco em esquema gráfico

Segundo o Ministério Público Estadual, inquéritos apontam um esquema envolvendo secretarias de Estado e legislativos Estadual e Municipal

As investigações iniciaram no ano passado, e até o momento quatro inquéritos foram abertos

ALLINE MARQUES
DO DIÁRIO DE CUIABÁ

Os processos licitatórios relacionados à produção de materiais gráficos nos poderes Executivo e Legislativo estão sendo investigados pelo Ministério Público Estadual.

Quatro inquéritos já foram abertos e estão em andamento para apuração de denúncias de que empresas de fachada estejam recebendo dinheiro público.

A Câmara Municipal de Cuiabá também já é alvo de investigação desde o período da cassação do vereador João Emanuel (PSD), quando ele foi flagrado em um vídeo “ensinando” a fraudar uma licitação. A Gráfica Propel venceu licitação no Legislativo cuiabano e um relatório elaborado pelo Grupo de Apoio Operacional do MPE comprovou que há impossibilidade de a empresa ter confeccionado os produtos encomendados. A gráfica recebeu mais de R$ 1,5 milhão por serviços que nunca foram prestados.

A quebra de sigilo da empresa foi solicitada na época pelo Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) e as investigações ainda continuam. O parlamentar, que na época era presidente da Câmara, foi cassado pelos vereadores.

Só que além da Câmara de Cuiabá, a Assembleia Legislativa, a Secretaria de Estado de Comunicação (Secom) e outras pastas do governo são alvo de investigações no MPE.

A mesma gráfica que esteve no esquema ligado a João Emanuel possui contrato com a Assembleia Legislativa. A contratação da Propel pela Câmara, na época, se deu por meio da modalidade de pregão por carona, baseado numa licitação realizada pelo parlamento estadual.

De acordo com o Diário Oficial, a Secretaria Extraordinária da Copa (Secopa) também efetuou contrato com a Propel, mas após a deflagração da operação Aprendiz, que resultou na prisão de João Emanuel, o secretário Maurício Guimarães designou uma servidora para exercer a função de fiscal dos contratos efetuados com as gráficas contratadas pela Pasta, dentre elas a Propel.

Já a Secom está na mira do MPE devido a denúncias que surgiram relacionadas ao período em que a Pasta foi comandando pelo marqueteiro Carlos Rayel, em que ele teria deixado uma dívida milionária. Também é investigado o superfaturamento nos pagamentos para gráficas e agências de publicidade.

As denúncias relacionadas à Secom partiram do ex-deputado Maksuês Leite (DEM), que tem ligação com a Propel, que pertence ao seu grupo de empresas.

A Assembleia Legislativa pretendia ouvir o ex-parlamentar e o ex-secretário de Comunicação Carlos Rayel, através de um requerimento feito pelo deputado Emanuel Pinheiro (PR), mas o fato não ocorreu.

O Ministério Público ainda não tem prazo para conclusão dos inquéritos e cada um segue uma linha de investigação. Nem todas estão relacionadas com a Propel e são comandadas por mais de um promotor. O assunto ainda é sigiloso para não atrapalhar o andamento das investigações.

————

CONFIRA A DENÚNCIA, JÁ APRESENTADA PELO MP CONTRA ESQUEMA ENVOLVENDO GRÁFICA NA CAMARA DE CUIABÁ E O EX-VEREADOR JOÃO EMANUEL E O JORNALISTA MAKSUES LEITE

 

João Emanuel volta a ser denunciado. Dessa vez, ele tem como parceiro, a ex-deputado Maksuês Leite que é jornalista e, curiosamente, comanda um programa  na TV Cuiabá em que gosta de fazer denúncias sobre o comportamento de governantes e políticos.

João Emanuel volta a ser denunciado. Dessa vez, ele tem como parceiro, a ex-deputado Maksuês Leite que é jornalista e, curiosamente, comanda um programa na TV Cuiabá em que gosta de fazer denúncias sobre o comportamento de governantes e políticos.

 

http://paginadoenock.com.br/gaeco-volta-a-denunciar-joao-emanuel-dessa-vez-junto-com-o-jornalista-e-ex-deputado-maksues-leite-o-ex-secretario-geral-da-casa-aparecido-alves-de-oliveira-o-ex-chefe-do-setor-juridico-da-camara/

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

vinte + 16 =