GABRIEL NOVIS SE ESPANTA COM MONSTRENGO DA TV CENTRO AMÉRICA – “Existe em um dos pontos mais estratégicos da cidade, em pleno canteiro central, uma enorme torre de publicidade, que parece imune à onda de despoluição visual da cidade. Há forças ocultas poderosas protegendo aquele entulho”

Decano dos cronistas cuiabanos, o reitor Gabriel Novis se espanta com a permanência do relógio-monstrengo fixado pela TV Centro América, do grupo Zahran, no cruzamento da avenida Mato Grosso com Avenida Rubens de Mendonça: "Há forças ocultas poderosas protegendo aquele entulho, sem nenhum valor histórico e cultural, desafiando as leis do município e causando perplexidade ao cidadão comum"

Poluição Visual
por Gabriel Novis Neves

Após sucessivas campanhas desencadeadas pela mídia, escolas e sociedade civil organizada, a nossa gente ficou mais exigente na fiscalização da poluição visual em nossa cidade.

Até há pouco tempo, Cuiabá era a cidade campeã mundial em faixas de publicidade, que atravessavam, sem a menor cerimônia, as nossas ruas e avenidas.

Eram tantas faixas, que chegavam a prejudicar os motoristas, além de enfear a nossa judiada ex-Cidade Verde.

Os canteiros centrais das nossas avenidas pareciam paliteiros com asas, ou estandartes, como diziam os transeuntes, entupidos pelas publicidades, de gosto duvidoso, e com credibilidade, na maioria das vezes, ausente.

A cidade chamava atenção pela proliferação de outdoors. Muros residenciais, prédios, logradouros públicos e até as poucas esculturas da cidade, foram presas fáceis dos pichadores e pregadores de cartazes de publicidade.

Chegou a um ponto, que a nossa gente começou a reclamar a quem de direito. Como resultado, leis foram criadas para preservar a higiene visual da capital eterna de Mato Grosso. As faixas de tecidos desapareceram, os postes dos canteiros centrais permaneceram (!), porém desnudos. Com as obras da Copa alguns foram arrancados.

Gabriel Novis Neves médico e reitor fundador da UFMT

Mesmo esburacada, imaginamos que, no futuro, a cidade ficará mais saudável visualmente. Entretanto, existe em um dos pontos mais estratégicos da cidade, em pleno canteiro central, uma enorme torre de publicidade, que parece imune à onda de despoluição visual da cidade.

Cobrado pelos pagadores de impostos sobre aquela exceção, um ex-secretário de Meio Ambiente da prefeitura, disse que ‘aquilo’ era ‘imexível’! O Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA) notificou a prefeitura, sem sucesso.

Há forças ocultas poderosas protegendo aquele entulho, sem nenhum valor histórico e cultural, desafiando as leis do município e causando perplexidade ao cidadão comum.

Aos poderosos, tudo. Aos simples, a lei.

GABRIEL NOVIS NEVES, reitor fundador da UFMT, é médico em Cuiabá

Categorias:Direito e Torto

3 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 201.49.166.16 - Responder

    Porque que esse Senhor não faz um artigo contra o absurdo que a FIENTEC, ligada à FIEMT do Sr. MAURO MENDES E BERINHO GARCIA esta fazenda na 15 de Novembro. Engraçado que o MP do Meio Ambiente Urbano parece que mora lua.

  2. - IP 201.49.166.16 - Responder

    O que a FIEMTEC esta fazendo é um crime ambiental urbano. Esta montando uma estrutura absurda, parecendo um curral de dinossauros, invadiu a calçada e força os pedestres a andar na rua e ninguem faz nada. Até porque o MM esta no meio.

  3. - IP 189.59.69.195 - Responder

    Por que o Dr. Novis não diz exatamente o nome da empresa poluidora? Até ele ainda se dá ao cuidado de respeitar a poderosa RMT.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezenove + dezoito =