Gabinete do PDT, no Senado, pelos indícios, pode estar abrigando “laranja” de banco clandestino que está sendo desbaratado pela Operação Ararath. Ariane Mendonça, filha de Fernando Mendonça, funcionária do gabinete de Pedro Taques, aparece como possível sócia de empresa que é alvo da Polícia Federal. Quem é o bobó tchera nesta história?

Mantendo a rotina de troca de favores entre os velhos políticos e seus apoiadores, Pedro Taques garantiu uma boquinha para Ariadne, filha do empresário  Fernando Mendonça que injetou dinheiro em sua campanha

Mantendo a rotina de troca de favores entre os velhos políticos e seus apoiadores, Pedro Taques garantiu uma boquinha para Ariadne, filha do empresário
Fernando Mendonça que injetou dinheiro em sua campanha. Será que ele sabia que a moça era empresária de tão grande porte?

FUNCIONÁRIA DE TAQUES É SÓCIA DE EMPRESA ALVO DA PF

Moreira Mariz: Senador Pedro Taques (PDT-MT) diz que obras da Copa em Cuiabá não estarão prontas a tempo

Filha do empresário Fernando Mendonça, que trabalha no gabinete do senador Pedro Taques (PDT), é uma das sócias da Global Participações Empresariais, que, segundo a Polícia Federal, é uma das empresas envolvidas no esquema de lavagem de dinheiro descoberto pela Operação Ararath; segundo a PF, Ariane Victor de Mato Mendonça aparece como sócia da empresa junto com seu pai e Raquel Souza Ferreira Rodrigues de Mendonça, que é casada com Leonardo Rodrigues Mendonça, primo de Fernando

 

ALEXANDRE APRÁ, Isso É Notícias – A filha do empresário Fernando Mendonça, que trabalha no gabinete do senador Pedro Taques (PDT) é uma das sócias da Global Participações Empresariais Ltda, que, segundo a Polícia Federal, é uma das empresas envolvidas no esquema de lavagem de dinheiro descoberto pela Operação Ararath.Segundo um relatório da Polícia Federal, ao qual o Isso É Notícia teve acesso, Ariane Victor de Mato Mendonça aparece como sócia da empresa junto com seu pai, Fernando Mendonça, e Raquel Souza Ferreira Rodrigues de Mendonça, que é casada com Leonardo Rodrigues Mendonça, primo de Fernando.A Polícia ainda descobriu que a empresa foi criada em 2006, sendo que inicialmente figuravam como sócias as empresas Elany Taddiing LLC e Avel Group LLC.

A PF também apurou que a Elany e a Avel são duas empresas estrangeiras sediadas 520 S. 7th Street, Suite C, Nevada, EUA. Junto à Receita Federal não há registro de sócios, sendo que o procurador nas duas empresas foi identificado com o CPF 000.000.001-91, geralmente dado aos contribuintes sem Cadastro de Pessoa Física.

A Elany Trading LLc e a Avel Group LLC foram registradas no território brasileiro em 23/01/2006 e 01/02/2006, respectivamente, que são próximas à data abertura da Global Participações, o que levou a Polícia a acreditar que se tratam, na verdade, da mesma empresa.

Coincidentemente, Leonardo Rodrigues de Mendonça também é sócio de outra empresa em que a Elany Trading e Avel Group já fizeram parte do quadro societário, a Confiança Participações Empresariais Ltda.

Ligação com off shore do Panamá

Pesquisas na rede mundial de computadores feitas por peritos da Polícia Federal mostram que essas duas empresas foram criadas nos Estados Unidos na mesma data (13/10/2005).

Elas possuem o mesmo representante legal, a MF Corporate Service, e são gerenciadas pela Camille Service S.A., uma empresa sediada no Panamá, um dos principais paraísos fiscais da América Latina.

O relatório sigiloso da PF aponta à Justiça que são necessárias novas investigações sobre a origem dessas empresas estrangeiras que foram sócias tanto da Global e Confiança Participações.

————————

 

Funcionária de Taques é sócia de empresa que lavava dinheiro; off shore do Panamá também compôs quadro societário

ALEXANDRE APRÁ / ISSOÉ NOTÍCIA

fernando mendonça e pedro taques

Fernando Mendonça (de verde), ex-dirigente do PDT, é principal doador de Taques: filha é sócia em empresa e funcionária de gabinete

A filha do empresário Fernando Mendonça, que trabalha no gabinete do senador Pedro Taques (PDT) é uma das sócias da Global Participações Empresariais Ltda, que, segundo a Polícia Federal, é uma das empresas envolvidas no esquema de lavagem de dinheiro descoberto pela Operação Ararath.

 

Segundo um relatório da Polícia Federal, ao qual o Isso É Notíciateve acesso, Ariane Victor de Mato Mendonça aparece como sócia da empresa junto com seu pai, Fernando Mendonça, e Raquel Souza Ferreira Rodrigues de Mendonça, que é casada com Leonardo Rodrigues Mendonça, primo de Fernando.

 

A Polícia ainda descobriu que a empresa foi criada em 2006, sendo que inicialmente figuravam como sócias as empresas Elany Taddiing LLC e Avel Group LLC.

 

ARIANE MENDONÇA PEDRO TAQUES

Site de senador mostra Ariane, estudante de Administração, como membro da equipe de comunicação. Segundo a Policia Federal, ela também é empresária com empresa que tem ramificações internacionais. Quem é que é o bobó tchera, nesta história?

A PF também apurou que a Elany e a Avel são duas empresas estrangeiras sediadas 520 S. 7th Street, Suite C, Nevada, EUA. Junto à Receita Federal não há registro de sócios, sendo que o procurador nas duas empresas foi identificado com o CPF 000.000.001-91, geralmente dado aos contribuintes sem Cadastro de Pessoa Física.

 

A Elany Trading LLc e a Avel Group LLC foram registradas no território brasileiro em 23/01/2006 e 01/02/2006, respectivamente, que são próximas à data abertura da Global Participações, o que levou a Polícia a acreditar que se tratam, na verdade, da mesma empresa.

 

Coincidentemente, Leonardo Rodrigues de Mendonça também é sócio de outra empresa em que a Elany Trading e Avel Group já fizeram parte do quadro societário, a Confiança Participações Empresariais Ltda.

 

Ligação com off shore do Panamá

 

Relatório PF

pedro taques - fernando mendonça - global participações

 

Pesquisas na rede mundial de computadores feitas por peritos da Polícia Federal mostram que essas duas empresas foram criadas nos Estados Unidos na mesma data (13/10/2005).

 

Elas possuem o mesmo representante legal, a MF Corporate Service, e são gerenciadas pela Camille Service S.A., uma empresa sediada no Panamá, um dos principais paraísos fiscais da América Latina.

 

 

O relatório sigiloso da PF aponta à Justiça que são necessárias novas investigações sobre a origem dessas empresas estrangeiras que foram sócias tanto da Global e Confiança Participações.

——

 

MILAGRE DA MULTIPLICAÇÃO

Empresa de funcionária de Taques movimentou R$ 1 milhão em transação de apenas R$ 50 mil

ALEXANDRE APRÁ, do ISSOÉ NOTICIA

Divulgação

taques e DemóstenesSurgem novas informações que revelam o envolvimento de mais pessoas ligadas ao senador Pedro Taques em esquema de lavagem de dinheiro

 

A empresa Global Participações Empresariais Ltda, que tem como sócia Ariane Mendonça, funcionária do gabinete do senador Pedro Taques (PDT), está envolvida em uma transação financeira de lavagem de dinheiro de quase R$ 1 milhão.

 

A informação consta em um relatório sigilo da Polícia Federal ao qual o Isso É Notícia teve acesso. A investigação faz parte da Operação Ararath, que desbaratou um esquema de lavagem de dinheiro e crimes contra o sistema financeiro envolvendo empresários e políticos de Mato Grosso.

 

Segundo o relatório, Júnior Mendonça, sócio de Fernando Mendonça, que é pai de Ariane e maior doador de campanha de Taques, utilizou-se de suas empresas para lavar dinheiro através de uma transação de venda de um terreno no valor de R$ 50 mil, mas que acabou movimentando R$ 950 mil em contas da Amazônia Petróleo, de Fernando Mendonça e da própria Global Participações, que pertence à funcionária de Taques.

 

A transação ainda envolve uma terceira pessoa. Trata-se de Eder Marcos D´Agostin, apontado pela Polícia Federal como um dos beneficiários do esquema.

 

Em um relatório extenso e detalhado, a PF mostra, passo-a-passo, como Júnior e Fernando Mendonça usavam diferentes contas em diversos bancos para fazer as movimentações.

pedro taques - fernando mendonça - global participações2

 

 

Lavagem de dinheiro

 

As conclusões dos policiais são de que Fernando Mendonça, Júnior Mendonça e Eder D´Agostini praticaram crime de lavagem de dinheiro por meio de sonegação de informações fiscais na transação do terreno.

 

pedro taques - fernando mendonça - global participações3

—————–

 

Presidente da JBS foi administrador de empresa de funcionária de Taques investigada por lavagem de dinheiro e ligada a off shore do Panamá

ALEXANDRE APRÁ / DA REDAÇÃO ISSOÉ NOTCIA

 PEDRO TAQUES E WESLEY

Empresário Wesley Batista é um dos principais doadores de campanha do senador Pedro Taques, com 10% do total que teria sido gasto no pleito

Relatório sigiloso da Polícia Federal, ao qual o Isso É Notíciateve acesso, mostra que o empresário Wesley Batista, presidente do Grupo JBS Friboi e um dos principais doadores de campanha do senador Pedro Taques, foi o administrador da empresa Global Participações Empresariais Ltda, que tem como uma das sócias Ariane Victor de Matos Mendonça, funcionária de gabinete do parlamentar e filha do empresário Fernando Mendonça, maior doador de campanha do pedetista e um dos principais investigados pela Polícia Federal, na Operação Ararath.

 

A Global é investigada pela PF por ser uma das empresas usadas no esquema para lavagem de dinheiro encabeçado pelo empresário Júnior Mendonça, dono da Amazônia Petróleo e da Global Fomento e pivô da Operação Ararath.

 

De acordo com o relatório, registros oficiais mostram que Wesley Batista atuou como administrador da empresa desde a sua fundação, em 2006, até o dia 1º de dezembro de 2008. Curiosamente, Ariane passou a compor o quadro societário a partir da saída de Batista da administração da empresa.

 

Relatório PF

pedro taques wesley friboi

 

A PF também descobriu que, entre os sócios da empresa, estavam duas empresa estrangeiras, a Elany Trading LLC e a Avel Group LLC, ambas sediadas nos Estados Unidos.

 

O relatório da Polícia ainda descobriu que essas duas empresas foram criadas em 2005 e tinham como representante legal a MF Corporate Service e são gerenciadas pela Camille Service S.A, uma off shore sediada no Panamá.

 

O ministro Dias Tóffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), destacou, na decisão que culminou pelo deferimento do pedido de liberdade do ex-secretário de Estado de Fazenda, Eder Moraes, que havia indícios de que o esquema teria enviado dinheiro para empresas estrangeiras, mais especificamente no Panamá, mas não entrou em detalhes.

 

Segundo dados oficiais do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a JBS S.A. doou R$ 100 mil para a campanha de Taques ao Senado nas eleições de 2010. O valor corresponde a quase 10% do gasto total declarado à Justiça Eleitoral, que foi de R$ 1,1 milhão.

 

Outro lado

 

O empresário Wesley Batista foi procurado pela reportagem, através da assessoria de imprensa do Grupo JBS. Entretanto, ninguém atendeu ao telefone que consta no site oficial do grupo.

 

A assessoria do senador Pedro Taques (PDT) também não quis se manifestar.

 

Com informações do ISSOÉ NOTICIA

11 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.73.210.136 - Responder

    “Os homens de bem não devem ficar em silêncio”. Pedro Taques, para ser coerente com seu slogan de campanha, deve vir a público dar explicações urgentes à sociedade mato-grossense. Seu silêncio diante dos fatos noticiados é tão ou mais constrangedor que os próprios fatos. Quem diria que a operação Ararath iria acabar no colo do senador Pedro Taques dentro do Senado Federal? O senador do PDT poderá pedir orientação com o ex-senador Demóstenes Torres também pego em estripulias nada republicanas… O que não pode é ficar com essa cara de quem não tem nada a explicar… Cara de bobó tchera?

  2. - IP 200.96.142.11 - Responder

    Caiu o Telhado e a casa inteira de Pedro Taques e agora Bobó-Tchera-Tchera???

  3. - IP 200.163.46.115 - Responder

    Mato Grosso é o estado que tem mais políticos corruptos se considerarmos a sua população que é pequena, só temos 3 Senadores e 8 Deputados Federais É UMA VERGONHA,acreditar em quem se todos até o xerifão Pedro Taques esta envolvido

  4. - IP 201.67.99.27 - Responder

    Exatamente a frase de campanha dele que me veio a cabeça. O incrível não é só seu silêncio, mas o fato de que em uma entrevista recente (link abaixo) ao ser perguntado se aceitaria nova doação do investigado ter dito que: “não sei se ele vai querer doar para mim”. Que resposta é essa? Se ele doar, mesmo sendo investigado por crimes gravíssimos, o Senador aceitaria? Não vai nem esperar a apuração Judicial? Tudo muito estranho!

    http://www.midianews.com.br/conteudo.php?sid=1&cid=197508

  5. - IP 189.73.196.77 - Responder

    Vamos conversar aqui sobre as denúncias de que uma funcionária do gabinete do senador Pedro Taques está envolvida na operação Ararath. Vou contar a vocês toda a história.

    Em 2010, na campanha eleitoral para o senado, poucos eram os que acreditavam na eleição de Pedro Taques, inclusive entre os políticos e até dentro do próprio grupo do qual fazia parte. Empresário para doar pra campanha então, era quase sacrilégio, afinal, quem iria doar para um candidato que estava concorrendo com Blairo Maggi, ex-governador por dois mandatos, e Carlos Abicalil, o petista da facção de José Dirceu?

    O empresário Fernando Mendonça, amigo por quinze anos de Pedro Taques, foi o maior doador. Duzentos e poucos mil reais, tudo registrado conforme a Lei, como toda doação e gasto, e aprovado no TRE sem ressalva alguma.

    Assim que se elegeu, ao compor seu gabinete em Brasília, a filha do primeiro casamento de Fernando Mendonça, que faz faculdade em Brasília, foi trabalhar lá. Ariane Mendonça administra o site do senador, onde consta seu nome e sua função, desde que seu nome foi aprovado pelo Senado Federal e ela foi contratada, dia 12 de abril de 2011. Nada feito às escondidas.

    ariane-senadoAgora na operação Ararath, o pai de Ariane, Fernando Mendonça, tem uma de suas empresas investigadas por ter, supostamente, dado respaldo ao esquema montado, segundo a Polícia Federal, por Blairo Maggi, Silval Barbosa, Éder Moraes, José Riva e Junior Mendonça (que não é nem parente do Fernando) e, ainda de acordo com a Polícia Federal, Ariane possui 1% dessa tal empresa com sede no Panamá.

    Nada foi feito às escondidas ou de fachada. Diferente do jornalista Enock Cavalcanti, que foi durante anos funcionário fantasma do gabinete da então senadora petista Serys, a Ariane bate ponto no senado. Trabalha todo santo dia.

    Portanto, meus caros amigos, nada há a esconder. Hoje pela manhã um amigo me ligou dizendo que soube de uma “fonte fontíssima”, que a esposa de Pedro Taques teria recebido um depósito em sua conta bancária, de dinheiro vindo de offshore no Panamá. Respondi a ele que a minha fonte era então mais “fontíssima” que a dele e garanto que não há depósito algum.

    Isso saiu da cabeça de uma gente que costuma se reunir em padarias periféricas da cidade para se encontrar às escondidas com comparsas para tramar coisas contra o mais forte pré-candidato ao governo de Mato Grosso. Podem continuar a vasculhar, mas recomendo: agucem a criatividade de vocês, pois como não vão encontrar nada, terão que inventar algo muito bem inventado.

    De resto, amigos, vamos continuar debatendo nosso pobre Mato Grosso, tão rico em trabalho e produção, mas miseravelmente estuprado por esse cupins do dinheiro público que hoje, os que não estão presos, estão desesperadamente tentando e atentando contra a pré-candidatura de Pedro Taques.

    Quanto ao doador Fernando Mendonça, tem que ser investigado sim. Para isso as Instituições funcionam. E caso seja comprovada sua participação nesse sórdido esquema montado para atender Blairo Maggi, Silval Barbosa e José Riva, que receba a punição devida.

    Para finalizar, beijinho no ombro às matracas fofuchas de plantão.

    PS: ao piloto de teco-teco, a camisa azul xadrezinha não lhe caiu bem. Melhor optar pelo rosa, que nem a que seu amigo, que pagou a conta, usava naquela reunião na padaria.

    Fonte:http://prosaepolitica.com.br/

  6. - IP 191.11.252.46 - Responder

    mas gente o cara vai falar o que? contra fatos nao a argumentos.

  7. - IP 189.73.210.136 - Responder

    Esse se perde por si mesmo… nem precisa ser combatido. Todo atrapalhado… e com os glúteos expostos…

  8. - IP 177.193.187.54 - Responder

    Nesse tipo de operação é comum haver mistura entre o legal e o ilegal. Vão dizer agora que 100% do patrimônio do Fernando Mendonça é ilegal? Uma grande parcela parece que sim, mas os $ 250 mil doados pra campanha do Pedro Taques ao Senado é dinheiro legal, legalissimo, senão o senador, que é homem sério, não teria aceitado receber a grana.

  9. - IP 189.59.50.17 - Responder

    Taques,desbaratou a maior quadrilha de MT,a do Arcanjo,homem que recebia todas homenagens dos políticos(principalmente do PSDB) e era bajulado pelos jornalistas e quase toda sociedade cuiabana.Só por isso merece nossos agradecimentos e respeito de toda população de MT.O Arcanjo possuía Cassino,shopings,hangar particular e mais de 1000 propriedades em MT.Hoje se encontra preso ainda ,graças as consistentes acusações do a época, promotor publico,Pedro Taques.Por que,o sr Enock,que se intitula jornalista então,insiste em de qualquer maneira associa-lo a Ararath? Se apenas um contribuidor da sua campanha é citado e até agora siquer foi indiciado,e em retribuição a esse doador de campanha ,empregou para trabalhar no Senado a sua filha,vamos aguardar e aí se for o caso acusar.

    • - IP 189.73.210.136 - Responder

      E se as coisas fossem tão simples como pensa o ingênuo Osmir? O Universo é do tamanho da compreensão e do alcance mental de cada um…

  10. - IP 177.1.235.211 - Responder

    O Arcanjo deve se perguntar porque ainda ta preso, isso sim. Aqui em MT ta tudo a mesma coisa do tempo dele, caso ainda não tenha percebido. Enquanto isso dois “nobres politicos” vão se degladiar esse ano para saber quem pode se gabar de o ter prendido! Hipocresia demais.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dez − 3 =