Fraude no afastamento da OAB pode derrubar candidatura Faiad

Promotor eleitoral Antônio Sérgio Cordeiro Piedade ressaltou que Faiad formalizou pedido de afastamento do cargo, entretanto, continuou exercendo de forma ativa as funções de conselheiro federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB)

O advogado Francisco Faiad, que já vem sendo investigado pelo MPF por possível fraude em licitações que envolveram escritórios ligados aos atuais dirigentes da OAB em Mato Grosso, também está com problemas no que se refere à validação de sua candidatura como vice-prefeito na chapa de Lúdio Cabral. De acordo com o Ministério Público Eleitoral a descompatibilização do cargo de conselheiro federal da OAB também pode ter sido uma fraude. Confira o noticiário. (EC)

MP é favorável a impugnação do registro

Promotor eleitoral Antônio Sérgio Piedade atestou que, conforme apontou a ata da OAB, o peemedebista não se afastou do Conselho da Ordem

RENATA NEVES
DIÁRIO DE CUIABÁ

Ministério Público Eleitoral emitiu parecer favorável ao indeferimento do registro de candidatura do advogado Francisco Faiad (PMDB), que concorre ao cargo de vice-prefeito na chapa encabeçada pelo vereador Lúdio Cabral (PT).

No embasamento do parecer, o promotor eleitoral Antônio Sérgio Cordeiro Piedade ressaltou que Faiad formalizou pedido de afastamento do cargo, entretanto, continuou exercendo de forma ativa as funções de conselheiro federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o que, segundo ele, teria sido expressado na ata da sessão ordinária do Conselho Pleno do Conselho Federal da OAB, realizada nos dias 11 e 12 de junho. Segundo informações presentes no documento, o peemedebista, inclusive, teria se manifestado na ocasião a respeito de certa deliberação.

“A ata demonstra de forma incontroversa sua participação em aludida reunião, após a formalização do seu pedido de desincompatibilização, não como conselheiro federal, o qual exerceu o seu direito a voz e voto, tendo, inclusive, todas as suas despesas pagas pela OAB. Desta forma, fica evidente que o impugnado não se afastou de fato de suas funções, das quais se licenciou em 6 de junho, o que afronta a legislação eleitoral e compromete a lisura e a igualdade do pleito”, diz trecho do parecer emitido pelo promotor.

Conteúdo da ata gerou divergência durante audiência de instrução para análise do pedido de impugnação realizada na última terça-feira (31). Diante da situação, a defesa de Faiad apresentou pedido de impugnação do documento, ao qual o promotor também se manifestou contrário.

“[…] não vejo sentido em desentranhá-la do processo, pois a defesa teve acesso ao referido documento, o qual, diga-se de passagem, foi retirado do próprio site da OAB. Além disso, o documento fundamental para análise do mérito foi encaminhado pela OAB e o requerimento para que este juízo o requisitasse foi feito na inicial”.

Piedade também manifestou-se contrário ao pedido apresentado pela defesa para que fosse realizada oitiva de dois conselheiros federais da Ordem. “O pedido não merece guarida, tendo em vista que não existem dúvidas remanescentes e o feito encontra-se apto a receber um provimento jurisdicional”.

O pedido de impugnação da candidatura de Faiad foi apresentado pela coligação “Um Novo Caminho para Cuiabá”, que tem como candidato a prefeito o empresário Mauro Mendes (PSB).

Em sua defesa, o candidato admitiu ter participado da reunião e ter tido suas despesas pagas pela Ordem, porém alegou ter participado da reunião na condição de ex-presidente da Comissão de Prerrogativa da Ordem, já que havia se afastado do cargo no dia 6 de junho.

Ele também chegou a afirmar que, sendo conselheiro, não precisaria se desincompatibilizar do cargo. O argumento também foi derrubado pelo promotor, que salientou ser “inquestionável que o presidente e demais membros das diretorias dos conselhos e subseções da OAB devem se afastar de suas atividades quatro meses antes do pleito”.

5 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 68.171.231.81 - Responder

    Que peso, Ludio!

  2. - IP 189.59.37.249 - Responder

    1o Escândalo: envolvimentos pouco católicos que ficaram públicos na sociedade; 2o Escândalo: fraudes licitatórias com outros escritórios de advocacia; 3o Escândalo: fraude no afastamento da Ordem dos Advogados.

    Olha só, turma, que tipo de “situação” temos na OAB!

    • - IP 189.114.48.104 - Responder

      Vc se esqueceu do 3.º Escândalo: FR AUDE em licitação de novo, agora na empresa EPE. Esta OAB não se apruma mesmo, graças ao Dr. Faiad, que a todo custo quer ser e sempre quis ser político e não Advogado.

  3. - IP 201.47.154.169 - Responder

    Faiad sempre querendo dar uma de esperto! uma hora a casa cai e não demora a máscara vai cair; já, já.

  4. - IP 177.17.200.10 - Responder

    É que ele é corintiano, então dá nisso. Só coisa errada!

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

3 × 3 =