FABIANO RABANEDA: O maior levante depois de Collor, ocorrido em 2013, demonstrou que a ausência de um objetivo único pode, facilmente, abafar qualquer tentativa de mudança. O tópico Combate à Corrupção é tão genérico e amplo que os dominantes reverteram em benefício próprio, trazendo para si a manobra dos desinformados.

Fabiano Rabaneda e a presidenta Dilma Roussef

Fabiano Rabaneda e a presidenta Dilma Roussef

 

Especulações

POR FABIANO RABANEDA

Novamente o Brasil se vê imerso numa turbulência política que tem gerado efeitos desagradáveis e ao tempo, nocivos para a população.

A crise financeira é apenas um dos resultados, já que o avanço necessário parou e estamos regredindo aos tempos da década de noventa.

Agências de classificação de risco rebaixaram as notas de investimento, a bolsa está uma lástima, juros exorbitantes e inadimplência maciça marcam o novo governo da recém-eleita Dilma.

A gestação tem sido dura, afinal, as promessas de campanha foram desmascaradas logo no primeiro mês do novo mandato. E, mais uma vez, o povo viu que a propaganda enganosa tinha objetivo apenas de angariar voto da massa de manobra, já que programas essenciais e de cunho social foram cortados.

Para contribuir para o caos, os poderes não mais se comunicam de forma republicana e a meta é provocar: com o Cunha regurgitando seu ódio contra a Dilma, sobrou para Renan negociar a implosão do governo.

Onde fomos parar?! Cooptados por partidos oportunistas que se diziam aliados do governo, é evidente que a pauta não tem relação com os anseios da sociedade: a pauta agora é chamada de bomba, e que se exploda o Brasil.

Envolvido no maior escândalo de corrupção da história, a operação codinome Lava-Jato tem levado para a cadeia nomes importantes do cenário do poder: é empreiteiro, político, dirigentes de estatais, operadores de esquemas.

Que Brasil é este? O projeto de poder da presidente evidenciou que vale tudo para convencer, até dobrar uma meta que não era uma meta da meta que seria uma meta!

Diante deste catastrófico cenário, vê-se que por muito menos o PC Farias morreu. Jovens de cara pintada agora dormem em teu seio, ó brado retumbante desta desigualdade.

Qual o motivo da Dilma não cair? O que estamos esperando?

O poder emana do povo… Mentira! O poder emana da força política organizada nas articulações.

Por mais barulho que se faça, por levante maior que haja, a pauta deve ser clara, objetiva e, única.

O maior levante depois de Collor, ocorrido em 2013, demonstrou que a ausência de um objetivo único pode, facilmente, abafar qualquer tentativa de mudança. O tópico Combate à Corrupção é tão genérico e amplo que os dominantes reverteram em benefício próprio, trazendo para si a manobra dos desinformados.

O tensionamento de forças, de um lado a governanta com o poder do sufrágio do voto; doutro uma oposição sem liderança e sem saber objetivamente para qual caminho seguir. Fatores que convergem para uma situação que beneficia somente a especulação, o mercado mais podre que existe, o abutre dos juros bancários, das operações de dia-a-dia, do dólar flutuante e pouco ortodoxo em relação aos anseios sociais.

Tira a Dilma? Fica a Dilma? Quem sabe? Quem será? Michel Temer? Aécio Neves? Cunha pra lá? Sérgio Moro? Lula e Lulinha? Dia 16 de agosto, o levante para o impeachment ou mais uma manifestação genérica? Quais forças nos movem? As deliberações nacionais podem transcender os apetites do corpo? …

—-
Fabiano Rabaneda é advogado em Cuiabá, Mato Grosso

Categorias:Cidadania

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 191.223.185.113 - Responder

    Realmente… uma merda.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

nove + onze =