Está em andamento movimento organizado de ataque a Lula

O Brasil já cultivou ressentimentos irracionais em relação a Getúlio, JK, Jango e, agora, ao metalúrgico Lula, que ainda é a principal força política do País

Ódio a Lula

por Leonardo Attuch
Brasil 247

Teve início, neste fim de semana, um movimento organizado de ataque ao ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva. Primeiro, a reportagem sobre a suposta chantagem exercida por ele contra Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal, para adiar o julgamento do mensalão, já desmentida pelo anfitrião do encontro, Nelson Jobim. Depois disso, críticas espalhadas pela rede sobre o comportamento indecoroso de Lula diante das instituições e até ironias relacionadas ao uso de remédios para o tratamento contra o câncer na laringe. Por fim, vozes mais radicais cobrando até a prisão do ex-presidente.

Por que será que Lula, depois de oito anos de governo, tendo deixado o Palácio Planalto com recordes de aprovação, tanto junto ao povão quanto às elites, que se tornaram ainda mais ricas, desperta tanto ressentimento? A resposta é uma só: goste-se ou não dele, Lula ainda é a principal força política do Brasil. E é uma força viva, que pode voltar ao poder em 2014 ou em 2018.

Mas essa seria uma análise objetiva, dos que fazem cálculos frios nos jogos de poder. Ocorre que o ressentimento em relação a Lula, muitas vezes, é irracional. Como pode um retirante, metalúrgico, sem educação formal ter chegado tão longe? É isso que incomoda boa parte da classe média brasileira.

Sentimentos assim já houve no passado em relação a outros líderes políticos, como Getúlio Vargas, João Goulart ou mesmo Juscelino Kubitschek. Os paulistas odiavam Getúlio e nunca lhe deram um nome de avenida. Mas poucos fizeram tanto pela industrialização do estado, que começou a se libertar do atraso cafeeiro, como o líder trabalhista. Os militares também odiavam JK, mas, no poder, tentaram reproduzir sua visão de “Brasil Grande”. E os que vierem depois de Lula, de certa forma, serão escravos do seu modelo de inclusão social.

Por mais que o critiquem, Lula não será abatido por seus detratores. Até porque, até aqui, ele foi um democrata. E resistiu à tentação do terceiro mandato, quando teria totais condições de se perpetuar no poder.

Categorias:Jogo do Poder

3 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 187.53.180.100 - Responder

    dia menos dia vai ser desmascarado o dono de veja que esteve sempre de bracos dados com a ditadura juntos com os baraes da midia brasileira viva os blogsssssssssssssssssssssss

    • - IP 177.132.245.149 - Responder

      É triste ver que um cidadão sem dignidade, sem compromisso com seu País, com seu passado e principalmente com o cargo que ocupou agindo dessa triste maneira. Um ex presidente deve ser a reserva ética do país para os momentos de crise aguda. Nunca se imiscuir nos assuntos menores. Um ex presidente não deve se comportar de maneira tão medíocre. Mas o que esperar de alguém que fez e faz aquilo que disse nunca fazer? Onde está aquele PT que criticava tudo e todos? Onde se encontram aqueles petistas que andavam de ônibus e diziam não suportar o cheiro dos banqueiros. Chafurdam todos nos restaurantes caros de São Paulo em companhia de seus antigos adversários. Bebem, comem e gargalham do povo enganado, empobrecido e alimentado pelos bolsa família da vida. Onde está e educação de qualidade que o Lullopetismo prometeu? E a saúde de primeiro mundo? E o progresso? O que se vê é aliança descarada com Collor, Sarney e o resto? O apego ao dinheiro escravizador tanto denunciado pelo “chefe de quadrilha”, cúmplice da mais assombrosa organização criminosa já vista no Brasil. A QUADRILHA DO MENSALÃO. Triste esgotosfera….

  2. - IP 187.118.195.38 - Responder

    Ódio de classe…

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

seis − 5 =