JORNALISTA E BLOGUEIRO ENOCK CAVALCANTI: Gosto desses presidentes esquerdistas da América do Sul. Cristina Fernandez, Nicolas Maduro, Dilma Rousseff, Evo Morales, Tabaré Vazques, Rafael Correa. Ah, como são atacados, achincalhados. Dilma e os outros me impressionam por seguirem resistindo, fazendo surda revolução neste canto do planeta. Todo santo dia, uma agonia. A maioria do povo, todavia, segue com eles e elas, firmando nuestra América como palco de rebelião fundamental contra o neoliberalismo

Os presidentes Evo Morales (Bolívia), Cristina Fernandes (Argentina),  Pepe Mujica (Uruguai), Dilma Roussef (Brasil) e Nicolas Maduro (Venezuela), líderes de uma América do Sul que se destaca, cada vez, no cenário internacional como críticos do neoliberalismo

Os presidentes Evo Morales (Bolívia), Cristina Fernandes (Argentina), Pepe Mujica (Uruguai), Dilma Roussef (Brasil) e Nicolas Maduro (Venezuela), líderes de uma América do Sul que se destaca, cada vez, no cenário internacional como críticos do neoliberalismo

Dilma e os outros

Por Enock Cavalcanti

 

Meus amigos, meus inimigos: gosto desses presidentes esquerdistas da América do Sul. Cristina Fernandez, Nicolas Maduro, Dilma Rousseff, Evo Morales, Tabaré Vazques, Rafael Correa.

Ah, como são atacados, achincalhados. Dilma e os outros me impressionam por seguirem resistindo, fazendo surda revolução neste canto do planeta.

Todo santo dia, uma agonia. A maioria do povo, todavia, segue com eles e elas, firmando nuestra América como palco de rebelião fundamental contra o neoliberalismo.

Vendo a forma como a mídia golpista os trata, às vezes se pensa que se está num filme do Cantinflas, do Mazzaropi. Decididamente esses líderes não tem o perfil elitista de um FHC, trocam palavras, muitas vezes trocam as próprias pernas. Só que constroem um jeito Sul-americano de governar, de enfrentar as nações líderes do capitalismo, as grandes corporações. Assim despontam, também eles, como líderes internacionais.

A mídia golpista só ‘mancheteia’ a crise na Venezuela, na Argentina, no Brasil. Mas vejam que a Coca-Cola, a Bayer, a Microsoft, enfim, as grandes corporações nem pensam em tirar suas plataformas de negócios destes países, onde as mudanças sociais beneficiam uma maioria do povo que vivia em condições sub-humanas. Sem abalar o lucro das multinacionais. O esquerdismo que se pratica aqui é do tipo reformista e tenta se viabilizar de forma lenta, gradual e segura. O que talvez seja utopia mais ousada que a utopia marxista.

O gesto pioneiro veio de Lula, de Hugo Chaves, de Pepe Mujica, que se inspiraram em Fidel. Não são mais revolucionários barbudos, como nos tempos românticos de Che Guevara, mas a América do Sul, decididamente, deixou de ser quintal escancarado dos Estados Unidos.

Tudo isso, dentro da atual conformação do poder, se constitui em vitória da esquerda diante da História. Vitória construída por líderes que me fazem lembrar o Vagabundo, de Chaplin, sonhador sem nenhuma empáfia, mas com coração do tamanho do mundo.

Falo em vitória e já me corrijo, porque todos estes governos se encontram sob pesado fogo dos golpistas.

Ainda não dá para sorrir, estudar, trabalhar, amar e viver em paz. O capitalismo ainda espalha seu ódio. Temos que resistir, ao lado de Dilma e dos outros. Sem perder a ternura.

ENOCK CAVALCANTI, jornalista e blogueiro, é editor do DC Ilustrado. Artigo publicado originalmente no Diário de Cuiabá

 

Na posse de Evo Morales, a confraternização das lideranças de uma América do Sul que segue, majoritariamente, unida à esquerda

Na posse de Evo Morales, a confraternização das lideranças de uma América do Sul que segue, majoritariamente, unida à esquerda

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.221.96.140 - Responder

    Enock, você admirando um truculento como Nicolás Maduro tem o mesmo significado da admiração do Lula pelo Ayatolá Komeini, ou seja, vocês gostam mesmo é de sangue e esmagamento físico de opositores, da liberdade e da democracia.

  2. - IP 189.31.3.253 - Responder

    A América do Sul já esteve mais bem representada . E eu que pensava que Geisel . Hugo Banzer , Stroessner . Videla , Arcentales,Alvarado eram o pior que podia acontecer a nossa pobre América do Sul , e vejam so oque foi aparecer nestas plagas…..

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

quatro × 2 =