Zé Pedro suspende propaganda do Governo na Globo

Zé Pedro Taques, governador, sorrindo e Zilmar Melatti, da TVCA, lendo a revista do jornalista Eduardo Gomes

Zé Pedro Taques, governador, sorrindo e Zilmar Melatti, da TVCA, lendo a revista do jornalista Eduardo Gomes

 

Divulgo uma versão estendida do artigo que circulou nesta terça, na edição impressa do DC:

 

Zé Pedro Taques e a Globo

POR ENOCK CAVALCANTI

NO DIÁRIO DE CUIABÁ

 

Meus amigos, meus inimigos: está suspensa a propaganda do Governo do Estado de Mato Grosso na afiliada da Rede Globo em nosso Estado, a TV Centro América, também conhecida como “a poderosa”. A decisão foi do próprio governador Zé Pedro Taques que não gostou do trato que recebeu do diretor da emissora, o sr. Zilmar Melatti.

Imaginem: o sr. Melatti teria ido ao gabinete do Zé Pedro Taques para determinar o quanto a TV Centro América deveria receber em propaganda oficial. Por que cargas d`água o sr. Melatti agiu assim?

Ora, todo mundo sabe que o poder neste País está com a Rede Globo. Não existem partidos, Ministério Público, juízes, poderes. O poder de fato pertence à mídia, já faz muito tempo, à mídia que molda cabeças e corações, desde os tempos em que Carlos Lacerda fazia suas provocações neste Brasil.  E a força, dentro da mídia, quem tem, neste século 21, pós-Lacerda, pós-golpe militar de 64, são os herdeiros de Roberto Marinho, os bilionários da Globo, que, claro, espalharam seus lugares tenentes por todos os cantos.

O sr. Melatti seria um deles. Como homem da Globo em Mato Grosso, chancelado pela rede nacional e também por seus patrões mais imediatos da família Zahran, imagino que o sr. Melatti se sinta uma pessoa ungida pela sorte. E efetivamente ele é, já que detém o poder global e, como tal, é um dos que, nesta terra, reina sobre nós, meros mortais.

A história nos mostra que foi assim com Dante de Oliveira, Jaime Campos, Blairo Maggi, Silval Barbosa. Todos governadores, e também muitos e muitos prefeitos, sempre fizeram vênia para o poder da Globo. Na verdade, o único poder que rivaliza com o poder do Melatti e dos Zahrans, aqui, é o poder do Dorileo Leal e do Grupo Gazeta.

Assembleia, governo, Judiciário, tudo isso, diante da mídia, é acessório, mero cenário. Mas voltando ao encontro no Paiaguás. Alguém me disse que a pedida mensal do sr. Melatti teria chegado na casa dos R$ 2 milhões de reais. Digamos que ele tenha pedido, de fato, dois milhões. Só o governador pode nos confirmar, o Zé Pedro que diz ser o rei da transparência. Será que ele vai tomar a iniciativa de falar publicamente sobre o caso? Ou terá que ser acicatado por um repórter mais eficiente, durante uma coletiva?

O sr. Melatti bebeu o cafezinho cerimonial, talvez tenha tomado um guaraná ralado, depois tirou do bolso uma planilha e pode ter dito pro Zé Pedro: nossa cota vai ser essa. Imagino que, para a Globo, que sempre prepara planilhas super-coloridas para encher os olhos de seus clientes, a verba governamental destinada à própria Globo, deve ser tão carimbada como as verbas para a Saúde e Educação que tem dotação orçamentária fixada pela Constituição.

Só que parece que o sr. Melatti encontrou Zé Pedro num daqueles dias. Estava de ovo virado, desde que, numa entrevista na TVCA, o repórter passou o programa inteiro atribuindo a ele obras paradas e outra série de danações que são heranças do governo anterior, do PMDB-PR-PT. Quem é que não sabe que Zé Pedro é daqueles que não gosta de ser questionado?

Resumindo: Zé Pedro disse que não ia pagar, desafinando o coro dos governadores, através dos anos. O sr. Melatti teria arregalado os olhos. Mesmo baixinho como um pigmeu, o governador teria erguido seu dedo e mandado o homem da Globo dar o pira. Dar o pira, vejam só – expressão que, de repente, lembrei e veio lá da minha infância.

A versão mais melodramática diz que o sr. Melatti saiu batendo a porta e declarando guerra. Ora, lá do Paiaguás o governador também trovejou: se a Globo queria 2 milhões, não iria receber sequer os 800 mil que ele mandara o Jean Campos lhe repassar. Corta, corta esse repasse! A guerra foi, de fato, declarada. Com bombardeio dos dois lados.

A prefeitura de Cuiabá, com Mauro Mendes, e a Assembleia, com Guilherme Maluf, também estariam sendo mobilizadas por Zé Pedro Taques para esta batalha contra a Globo mato-grossense. A julgar pelos poderes envolvidos, podemos ter, em Mato Grosso, neste ano de 2015, uma guerra mais virulenta que a Guerra do Paraguai.

Até eu, que não sou de entusiasmar-me com Zé Pedro Taques, gostaria que a querida presidenta Dilma prestasse atenção no governador de Mato Grosso. Esse pequeno homem, ao se dispor a enfrentar a Globo – coisa que a Dilma, coitada, não soube fazer até agora – , pode fazer história. Sim, a história que, muitas vezes, se escreve por linhas tortas.

ENOCK CAVALCANTI, jornalista, é editor de Cultura do Diário de Cuiabá e blogueiro titular desta PAGINA DO E. Artigo publicado, originalmente, no Diário de Cuiabá.

6 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 191.33.165.47 - Responder

    Enock, o fofoqueiro real,ele consegue até imaginar o dialogo que Melatti e o Zé Pedro tiveram em um encontro reservado a dois!É mole ou querem mais?

  2. - IP 179.179.90.117 - Responder

    Cara Governador Zé Pedrinho, eu lhe via com ressalvas, mas acabei percebendo com esta atitude, que és o nosso Sansão. Sansão este que o povo brasileiro espera.

  3. - IP 179.216.207.83 - Responder

    Se for verdade, realmente, é nosso TOURO INDOMÁVEL!

  4. - IP 177.215.77.30 - Responder

    Veremos se essa bravata resiste por uma semana….
    Veremos quanto vai receber o canal 8 dos campos…
    A treta é por aiiii….
    Kkkkkkkkkkkkk

  5. - IP 201.71.158.130 - Responder

    A foto mostra o Melatti lendo a Revista MTAqui.

  6. - IP 201.11.159.12 - Responder

    O fato é que Taques melou a proposta do Melatti.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

20 − 16 =