ENOCK CAVALCANTI: A verdade é que Lula não é um ladrão. Lula é o líder de esquerda entalado na garganta dos conservadores que gostariam de cuspi-lo

Presidente Luiz Inácio Lula da Silva


Lula não é ladrão
Enock Cavalcanti

 
Meus amigos, meus inimigos: quem observa a conjuntura política, no Brasil, sente a possibilidade de que o metalúrgico Luís Inácio Lula da Silva seja, novamente, candidato à presidência da República. Sim, se não acontecer uma grande virada constitucional nem a tão aventada prisão de Lula, é bem provável que, em 2018, a disputa pela presidência seja definida entre Lula e um candidato de perfil de extrema direita, tipo Bolsonaro. 
Uma disputa a demonstrar que a esquerda se reformulou muito pouco e que a direita brasileira, de queda em queda, vai perdendo suas lideranças mais racionais e sendo cooptada por correntes nazifascistoides cada vez mais presentes no cenário nacional. 
Uma pena que, depois de três governos do PT, a esquerda não tenha conseguido forjar um sucessor ou uma sucessora que garantisse velhice mais sossegada para esse nordestino notável que é o Lula. Que fazer? Mesmo com seus deslizes, Lula continua na batalha. Querido e reverenciado pelo povo, pelo que conseguiu garantir em matéria de distribuição de renda, nesse período em que o PT empolgou o poder no Brasil. Ainda que derrapando nos vícios do governo de coalizão. 
O povão, e não só o povão, mas também diversos setores radicalizados da sociedade, seguem sustentando a candidatura de Lula, esquecendo-se um pouco do PT. Enquanto isso, os golpistas seguem trabalhando para impedir que Lula surja de novo. Imaginam que, sem Lula, o eleitorado à esquerda se dividiria entre adeptos do voto nulo, adeptos de uma candidatura petista, adeptos da esquerda antipetista, adeptos de Ciro Gomes e tal e tal, facilitando a vitória de um candidato à direita. Cogitações sempre existirão por aí. 
Lula é o líder de esquerda entalado na garganta dos conservadores que gostariam de cuspi-lo, que gostariam que ele já tivesse morrido de câncer, e não superado o câncer. 
A verdade é que Lula não é um ladrão. A verdade é que Lula segue sendo a esperança e alento para o povo pobre e humilhado do Brasil. Mas é difícil fazer-se herói. Só quem provou sabe como dói. 

ENOCK CAVALCANTI, jornalista e blogueiro, é editor de Cultura do jornal Diário de Cuiabá

7 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.41.80.171 - Responder

    Vce é um louco boçal mal informado.Se expõe facilmente ao ridículo,e com certeza pagará por isso zoardá pois o único patrimônio de um jornalista,não vce lógico, é a credibilidade.Bce é um bocal

    • - IP 189.118.233.40 - Responder

      Falando em exposição ao ridículo, seu comentário é exemplar. Deveria aprender a escrever melhor para, só depois, expor sua opinião. Mas aí, creio, seria pedir demais, não é mesmo? O jornalista escreveu um artigo de opinião, e você, em vez de rebater suas opiniões, acaba atacando o autor, impingindo adjetivos ofensivos. Alguém pode vir e dizer exatamente o mesmo: que quem é boçal é você, sem explicar o por quê. Aliás, isso foi o que eu fiz, só para lhe mostrar que essa não é a atitude correta em um debate de ideias. Tente derrubar as ideias contidas no artigo, não atacar o autor. Para terminar: explique por que Enock Cavalcanti seria um boçal? Aliás, poderia nos explicar também o significado de boçalidade?

      • - IP 177.41.80.171 - Responder

        Boçal,são pessoas como vce ,que se expõe ao ridículo,desconhecem o que escrevem,e se acham muito inteligente.Boçal,está bem descrito no google,é só clicar.Não desasno mais ninguém, ainda mais os apedeutas desletrados dos petralhas!

        • - IP 187.99.80.49 - Responder

          Repetiu o erro, além de repetir também o mesmo problema com a escrita. Vou lhe dar apenas um dica: após a pontuação (ponto e vírgula), dê um espaço. Eu não me acho muito inteligente, afinal, até pedi para você me explicar o significado de boçalidade. Quem se acha muito inteligente e pede uma explicação tão simples assim? Velho, na boa, o Google (é assim que escreve, com maiúscula e não em minúscula como você escreveu) é uma ferramenta maravilhosa mesmo. Mas em certas questões eu busco o significado nos dicionários que tenho em casa. Você poderia fazer o mesmo. Ah, esqueci, aí você teria que ler e, creio, parece-me que ler não é seu forte. Exceto, claro, em ler os artigos do Reinaldo Azevedo. Porque “apedeutas desletrados dos petralhas” foi retirado diretamente de algum escrito desse amigo da irmã do neto de Tancredo, não é verdade? Já está bem claro que argumentar não é seu forte, afinal, escreveu mais três linhas sem apresentar qualquer ideia. Mas tudo bem. Felicidades!

  2. - IP 177.41.80.171 - Responder

    Vce precisa urgentemente de tratamento psicólogico,além de desconhecer a linguagem resumida e as correções muitas vezes erradas dos smartphones,vce é um chato de opinião,o que para mim é insuportável,vai tomar no seu ânus.Com toda erudição do seu vernáculo,babaca!

  3. - IP 187.99.80.49 - Responder

    Desandou de vez. Agora com ofensas mais pesadas. Tudo bem. Você acertou quando disse que desconheço a “linguagem resumida e as correções muitas vezes erradas dos smartphones”. Realmente desconheço. Se isso for a causa dos problemas de tua escrita, está em parte absolvido. Meu celular ainda é daqueles que nem sequer baixa aplicativos. Fazer o que, quem opta em não ser consumista fica, em várias ocasiões, para trás sobretudo quando se trata de tecnologia. Não me considero um chato, nem vou seguir sua ordem e tomar no anus; da mesma forma, não me considero um erudito, mas se você viu assim meus comentários, tem direito de ter a opinião que quiser. Quanto a sugestão de que preciso de tratamento psicológico, só posso me abismar com a enxurrada de gente dizendo isso na internet. Ninguém pode discordar de outro que logo já é tratado como doente mental, afinal, o que a sugestão de tratamento indica? Que o sujeito é doente mental. Não meu caro Osmir. creio que não preciso de tratamento psicológico. Aliás o argumento psicológico é um jogo em que qualquer um pode jogar, como escreveu alhures Russell Jacoby. Afinal, da mesma forma que você me recomenda, eu também poderia (poderia, mas não farei) recomendar-lhe um tratamento psicológico por pensar da forma que você pensa. Não meu caro, ambos, você e eu, não precisamos de tratamento, ambos apenas temos opiniões divergentes. E olha que nem nos conhecemos, ou seja, talvez pensemos diferentes apenas e tão somente no que se refere a política. Talvez concordaríamos em muitos outros assuntos. Repito: não preciso de tratamento, pelo menos por causa desses comentários.

  4. - IP 177.41.80.171 - Responder

    Doente!!!!

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

um × 2 =