PREFEITURA SANEAMENTO

Empresas envolvidas em escândalo de propina no metrô de S. Paulo, curiosamente financiam as “Ongs da honestidade”, como o Instituto Ethos

TIJOLAÇO: SIEMENS E ALSTOM PATROCINAM O INSTITUTO ETHOS

:  

Curiosamente, as empresas que estão envolvidas em escândalos de propina no Metrô de São Paulo patrocinam a entidade que visa combater “a utilização do tráfico de influência e o oferecimento ou o recebimento de suborno ou propina por parte de qualquer pessoa ou entidade pública ou privada”; organização participará ainda do Movimento Transparência, a convite de Alckmin, para apurar as investigações sobre o caso, mas nega conflito de interesses

 

 

 

247 – No olho do furacão de denúncias sobre propina a políticos para favorecimento em licitações de grandes obras no Brasil, as multinacionais alemã Siemens e francesa Alstom patrocinam nada menos que o Instituto Ethos. A organização, segundo ela própria, visa combater “a utilização do tráfico de influência e o oferecimento ou o recebimento de suborno ou propina por parte de qualquer pessoa ou entidade pública ou privada”. O fato foi lembrado pelo blog Tijolaço, de Fernando Brito.

Leia o post abaixo:

A ética da jabuticaba: Siemens e Alstom patrocinam o Ethos

O nosso país não é uma maravilha…

A Siemens e a Alstom, duas campeãs mundiais no pagamento de suborno (clique aqui e aqui para ver o currículo global de suborno de cada uma) patrocinam, no Brasil, ninguém menos que o Instituto Ethos, uma organização que tem como objetivo, diz ela, combater “a utilização do tráfico de influência e o oferecimento ou o recebimento de suborno ou propina por parte de qualquer pessoa ou entidade pública ou privada”.

 

 

E o Ethos, convidado pelo Governador Geraldo Alckmin, vai integrar a “Comissão Pró-Transparência” do escândalo do metrô e dos trens paulistas superfaturados com a Siemens e a Alstom!

Jabuticabas, por favor!

O vice-presidente do Ethos, Paulo Itacarambi, disse não haver conflito de interesses no fato de ser patrocinado pelas duas empresas. E disse à Folha que recebe ‘apenas” R$ 18 mil e R$ 14 mil ao ano da Alston e da Siemens, respectivamente.

Não é verdade.

Só a Siemens destinou US$ 3 milhões para um dos projetos do Ethos, os “Jogos Limpos”. Não foi o Banco Mundial que selecionou os projetos aos quais seria destinado dinheiro das sanções sofridas pela empresa por corrupção. O Banco Mundial apenas acompanha, com direito de veto, a escolha dos programas.

A Alstom também não é uma mera sócia contribuinte. Foi, ao lado da Siemens e de outras empresas, a patrocinadora, pasmem da edição de uma revista sobre responsabilidade das empresas em relação às eleições

 

 

Aliás, como organizador do Pacto Empresarial pela Integridade e contra a Corrupção, o Ethos também não sabia das condenações da Siemens e da Alstom por distribuírem propina a rodo, mundo afora e das denúncias aqui e convidou as raposas para tomarem conta do galinheiro?

Parece que o pessoal do Ethos é tão desentendido como o Alckmin, que não sabia de nada e se deparou com 45 investigações do Ministério Público Estadual.

A ética da jabuticaba lembra aquela história do mafioso que mandava matar e levava flores ao enterro.

Aqui, roubam e com um trocado deste dinheiro financiam as ONGs da “honestidade”.

E ainda é dedutível no Imposto de Renda!

Por: Fernando Brito, do blog Tijolaço

Categorias:Direito e Torto

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.59.45.155 - Responder

    O Ethos concorreu num concurso de projetos, não há nada além disso. A Ong Moral já concorreu aos recursos de responsabilidade social do Instituto Sadia, e não há sentido em condenar a Ong se eventualmente a Sadia cometeu ou vier a cometer atos desonestos. Vejam nota da Abracci, que ajudei a redigir.

    https://www.facebook.com/groups/110016195873457/doc/145593165649093/

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

17 + sete =