EMPRESÁRIO E ADVOGADO RENATO GOMES NERY: No Brasil, todo partido que tem sobrevida nos “grotões” está com os dias contados. Foi assim com a Arena, com o PFL e com o DEM, que ora agoniza a olhos vistos. E não deve ser diferente com o partido ganhador das últimas eleições

 

Renato Gomes Nery, analista da realidade mato-grossense e brasileira, lamenta a banalização da violência, com febre pelas lutas corporais. "Curiosa a natureza humana que se regozija  com a violência, com a dor e com o massacre, como se dentro da cada ser se escondesse um lobo ou uma serpente" - escreve o advogado, empresário do comércio e ex-presidente da OAB em Mato Grosso.

Sobrevida

POR RENATO GOMES NERY
Após as eleições, vem a ressaca do ganhador e a do perdedor. E agora mais 04 anos de um partido que já está completando 12 no Poder. Como será? O Partido se tornou invencível? Pelo voto somente o PRI, no México, governou durante 71 anos, com métodos não muito ortodoxos e, após 12 anos fora do poder, retorna a ele. Haja fôlego! Não cremos que a longevidade partidária do México tenha o mesmo ânimo aqui.

O mesmo populismo denominado de “bolivarianismo” do Brasil é o da Venezuela, da Argentina, da Bolívia tem inspiração no regime autoritário cubano. Na Venezuela o Governo está colocando a polícia para conter as compras em lojas e supermercados. O Maduro – que fala com seu antecessor morto – ganhou as eleições passadas por um mínimo de votos, está caindo de maduro. Na Argentina o peronismo com novas roupagens populistas está desabando aos pedaços. Na Bolívia – que não tem peso na região – parece que o Evo ainda terá uma sobrevida. Os longevos irmãos Castro, em Cuba, dificilmente sobreviverão (vida biológica) por muito tempo. No Brasil, a margem apertada de votos do partido vencedor, nas últimas eleições e a perda de votos consecutivos desde a primeira eleição, indica que terá pouco combustível para queimar até a próxima. Tudo isto é prenúncio de que os seguidores do transvertido Bolivar estão com os dias contados no reino encantado da América do Sul e adjacências.

Por outro lado, no Brasil todo partido que tem sobrevida nos “grotões” está com os dias contados. Foi assim com a ARENA, com o PFL e com o DEM que ora agoniza a olhos vistos. E não deve ser diferente com o partido ganhador das últimas eleições. A classe média se fortaleceu e está atenta aos acontecimentos, denotando que o brasileiro é tolerante com a intolerância, mas aquela já chegou ao limite. Foi difícil se convencer do óbvio, mas o evidente se tornou irreversível. E os ganhadores estão apreensivos com o espólio das eleições que deixou a classe média praticamente toda na oposição, o que remete ao passado onde ela sempre teve um papel crucial na história do Brasil.

E agora José? A depender dos fatores da análise acima, não há dúvida de que mudanças estão a caminho. Como o futuro a Deus pertence. Aguardemos.

Renato Gomes Nery é advogado e empresário em Cuiabá – E-mail [email protected]

4 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 200.103.92.164 - Responder

    Engraçado, durante a guerra fria, ou melhor, no seu auge, qualquer política dita “social” era considerada “COMUNISTA”, e, isto, foi o fundamento das várias ditaduras instaladas na A. do Sul. Agora, acredito que este mesmo pensamento vem se repetindo, desta vez, travestido de “Bolivarianismo”.

  2. - IP 201.15.87.108 - Responder

    Leitor assíduo de Veja deitando falação…

  3. - IP 191.33.160.211 - Responder

    mais um tucano despontando na página do enock. como eles são insistentes.

  4. - IP 189.97.232.164 - Responder

    Ele raciocina como na época que não havia internet e a Máfia Midiática decidia quem ganhava eleição, quem podia governar…hoje eles tentam mas a internet dá o contraponto e desmente os golpistas….aí fica esse xororô todo.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

cinco − 1 =